O adeus de Merkel deixa Alemanha e Europa diante de um desafio inédito

O social-democrata Olaf Scholz e o democrata-cristão Armin Laschet disputam neste domingo eleições acirradas que marcam o início de uma nova era. E o despertar político promete ser abrupto

Angela Merkel, em uma entrevista coletiva em Berlim em 2005.
Angela Merkel, em uma entrevista coletiva em Berlim em 2005.KAI PFAFFENBACH (REUTERS)
Mais informações

Angela Merkel está indo embora. Ela se despede do poder depois de 16 anos e o faz como de costume, sem muito alarido, com aquele estilo político único que marcou época. Em Berlim e em Bruxelas, onde a Alemanha exerceu uma hegemonia de fato durante os quatro mandatos consecutivos. Essa atividade política calma, racional, possível e incremental, em busca constante de compromissos a quase qualquer preço, trouxe-lhe inúmeros sucessos. Fora e dentro de seu país, ela se tornou uma ilha de estabilidade política em meio à crescente volatilidade internacional, e isso a elevou a líder global. Mas, ao mesmo tempo, a chanceler eterna hipotecou a transformação de uma Alemanha que acumula reformas pendentes e de uma Europa ancorada em um status quo insustentável. As costuras de seu método possibilista tornam-se cada vez mais tensas em face da magnitude dos desafios que seu sucessor enfrentará. A era pós-Merkel se anuncia muito agitada.

Apreciar o legado e o lugar que a chanceler vai ocupar nos livros de história ainda requer tempo e um certo distanciamento. A mancha indelével das políticas de austeridade alemãs na Europa é evidente. Assim como o impacto de ter permitido a entrada de mais de um milhão e meio de refugiados em tempos de nacionalismo xenófobo. O legado da política de pequenos passos, entretanto, transcende grandes decisões. É mais difuso e complexo. Por enquanto, a Alemanha reluta em virar a página e parece querer mais Merkel.

Neste domingo são realizadas as eleições gerais, as primeiras em três décadas para as quais a chanceler não se apresenta e os candidatos competem para ver quem é mais merkeliano. Quem consegue transmitir aos cidadãos essa sensação de segurança desde o centro político, que neste momento continua a cativar o eleitorado. Uma última pesquisa para a televisão pública mostra que 80% dos alemães consideram a herança de Angela Merkel positiva. Se ela corresse novamente, provavelmente venceria de novo. Eles a consideram uma funcionária pública decente e responsável que aspira a resolver problemas em vez de entrar para a história como uma grande estadista.

Ao avaliar o legado merkeliano, Christian Odendahl, economista-chefe do Centro para a Reforma Europeia, se detém na crise do euro, com a qual a Alemanha abriu profundas fissuras na União Europeia, levantando a bandeira de uma austeridade que foi regada por cadáveres trabalhistas e sociais do continente e pesou sobre economias do sul, como a Espanha. “Foi muito longo e só acabou sendo resolvido porque, no final, Merkel permitiu que a Europa e o Banco Central contornassem e ignorassem as próprias linhas vermelhas alemãs. Os programas de austeridade foram relaxados e [o então presidente do Banco Central Europeu Mario] Draghi entregou o famoso “whatever it takes” (o que for preciso). Merkel fez o que qualquer chanceler alemão teria feito. Ela tentou salvar a economia e proteger os bens dos alemães.” Ele também lembra que, no entanto, para Merkel não foi fácil, porque ela teve que lidar com uma opinião pública hostil a uma maior solidariedade intraeuropeia, mas também cada vez mais consciente do quanto a Alemanha precisa do mercado único europeu.

Por causa dessa crise e do perene nein (não) às políticas de integração europeias, Merkel é frequentemente acusada de ter se arrastado na União Europeia diante da ambição francesa. De ter mantido ao longo do tempo uma relutância em dotar o bloco dos instrumentos necessários para fazer face a crises que se avizinham, como o culminar da união bancária. Mas, ao mesmo tempo, é evidente que a sede de maior federalismo não é vivida com a mesma intensidade nas diferentes capitais europeias. Seguir em frente ou priorizar a consolidação do que existe em tempos de Brexit e neopopulismos europeus?

Sánchez e Merkel em Sanlúcar de Barrameda (Cádiz), com seus pares, em 11 de agosto de 2018.
Sánchez e Merkel em Sanlúcar de Barrameda (Cádiz), com seus pares, em 11 de agosto de 2018.LAURA LEON

Aqueles que percebem o copo meio cheio lembram que o Reino Unido se foi e as previsões sinistras de Nexits e Grexits e tudo o mais não se concretizaram. A União Europeia mais uma vez se mostrou coesa no plano de vacinação e especialmente no fundo de reconstrução da pandemia, com o qual uma Merkel desconhecida cruzou uma linha até então intransponível na Alemanha. Abrir a porta para a dívida comum é provavelmente seu legado europeu mais importante. Odendahl acredita que “estabilizou a zona do euro e deixou claro que em uma crise aguda, a Europa permanece unida e está disposta a transferir grandes somas de dinheiro para os países mais fracos, e isso é muito importante”. E acrescenta: “Sua decisão foi tomada porque tem consciência de que é necessária uma Europa unida e forte para navegar na nova realidade geopolítica”. Nesta nova realidade, as ameaças globais proliferam com a emergência climática na vanguarda. O crescente poder da China, a desafiadora assertividade russa, a instabilidade norte-americana, o questionamento do Estado de Direito na União Europeia e as guerras comerciais exigem ação política determinada.

Seus quatro mandatos foram marcados por crises de magnitude formidável. O do euro, o da Ucrânia, o dos refugiados, a pandemia... Merkel domesticou-as com uma arte de negociação e uma capacidade de tecer compromissos que ela aperfeiçoou ao longo dos anos. Conhece perfeitamente os ritmos, para quem ligar e quando. Que sinais diplomáticos devem ser emitidos e com que intensidade em um mundo multilateral cuja mecânica de poder domina neste momento como poucos outros. “As elites políticas europeias consideram a Alemanha um parceiro com quem cooperam e a quem acolhem. Eles acham que Merkel se preocupou com os países grandes e também com os pequenos e a consideram uma figura muito menos perturbadora do que, por exemplo, Emmanuel Macron“, explica Jana Puglierin, chefa do Conselho Europeu de Relações Exteriores de Berlim, aludindo a uma recente pesquisa global do instituto.

Decisões ponderadas

As decisões de Merkel costumam ser ultra pensadas. Consulte os especialistas, reflita e consulte novamente. Na Alemanha, até um novo verbo foi cunhado —merkeln—, aludindo àquela maneira de arrastar os pés e duvidar na hora de decidir. Esse ritmo paquidérmico, muitas vezes impulsionado por pesquisas de opinião, desesperou muitos, mas também contou com exceções notáveis. A decisão de manter as fronteiras abertas para refugiados em 4 de setembro de 2015 ou de fechar todas as usinas nucleares alemãs após o desastre de Fukushima em 2011 são algumas delas.

Outra coisa é em que medida a alemã poderia ter feito mais e se poderia ter usado seu enorme poder e capital político para transformar. “Merkel tem buscado o que é possível, aquilo pelo qual ela sabia que seria capaz de obter maiorias. Procure o que é possível, não o que é necessário. Não foi uma transformadora, foi uma gestora“, pensa Puglierin, que também acredita que o seu legado é produto de uma União Europeia dividida e forçosamente contraditória.

Merkel e Obama, no G7 em Krün (Alemanha), em 8 de junho de 2015, em imagem divulgada pela Casa Branca.
Merkel e Obama, no G7 em Krün (Alemanha), em 8 de junho de 2015, em imagem divulgada pela Casa Branca.MICHAEL KAPPELER

“Para os países frugais, Merkel fez bem em manter o status quo durante a crise do euro, mas eles se sentiram traídos durante a pandemia. Enquanto isso, o sul da Europa sentia que a austeridade estava sendo imposta com uma arrogância e superioridade moral que equivalia a uma interferência ilegítima. Ambas as visões, a de Merkel como a salvadora da Europa ou como a imperadora que busca apenas os interesses nacionais, são até certo ponto verdadeiras. O fato de cada país esperar algo diferente da Alemanha fez com que os resultados fossem pequenos ajustes e a manutenção do status quo“, conclui Puglierin, que pensa que talvez o maior erro da líder tenha sido não falar com firmeza a favor da Estado de direito na Hungria.

Na Alemanha, as mais de três décadas de Governo Merkel foram marcadas por estabilidade política e prosperidade econômica, mas a chanceler deixa uma longa lista de tarefas pendentes. Quando chegou ao poder, em 2005, a Alemanha tinha mais de cinco milhões de desempregados e era considerada a mais doente da Europa. Hoje, a grande economia da zona do euro tem menos três milhões de desempregados a menos e precisa urgentemente de trabalhadores em certos setores e regiões. Entretanto, boa parte dos refugiados que chegaram em 2015 tem entrado no mercado de trabalho com relativo sucesso.

O milagre alemão foi em grande parte devido a um contexto internacional favorável para a grande potência exportadora alemã. A demanda chinesa, um superávit comercial e um euro fraco favoreceram a recuperação de Berlim. Merkel também se beneficiou das profundas e impopulares reformas do mercado de trabalho lançadas por seu antecessor, o social-democrata Gerhard Schröder. Após a crise financeira, a Alemanha se recuperou em parte devido a políticas internas como o famoso Kurzarbeit (redução da jornada de trabalho), a que voltou a recorrer durante a pandemia, garantindo empregos protegidos do vendaval que assolava o exterior.

Esses anos de vacas gordas, porém, não foram usados para investir em um país que muitas vezes surpreende quem ali chega pela primeira vez e verifica que o mito da eficiência alemã e da infraestrutura reluzente são apenas isso, um mito. O espantoso atraso na digitalização, a falta de ação climática no auge da emergência histórica, o atraso na inovação e na adaptação de uma economia dependente de um mundo externo cada vez mais volátil e, acima de tudo, a indomável pirâmide demográfica são alguns dos urgentes desafios que aguardam seu sucessor. “Houve muitas oportunidades perdidas. A Alemanha foi abençoada com taxas de juros muito baixas, o que a colocou em uma situação ideal para tornar sua economia mais resiliente para o futuro, modernizar o Governo, investir em infraestrutura e agir contra as mudanças climáticas. Merkel perdeu a oportunidade de adaptar a economia alemã ao século XXI. Não estou dizendo que foi fácil, porque tinha muitas outras crises para enfrentar“, diz Odendahl.

Ao estado da economia alemã deve ser adicionada uma preocupante polarização social explorada por uma extrema direita cada vez mais violenta. A Alternativa para a Alemanha (AfD) entrou no Parlamento pela primeira vez em 2017, com 12,6% dos votos no calor da crise do euro e do afluxo de refugiados. O resto dos partidos, incluindo o de Merkel, mantém um estreito cordão sanitário com os extremistas, que especialmente no leste do país estão trabalhando para construir pontes com a ala mais conservadora da CDU. Até agora, o ostracismo político deu certo e as pesquisas mostram que o apoio aos ultras diminuiu um pouco, mas, ao mesmo tempo, o partido se tornou cada vez mais radical.

Os líderes do G7 ouvem a conversa entre Merkel e Donald Trump em 9 de junho de 2018, em Quebec, em uma imagem postada nas redes sociais pelo gabinete da chanceler alemã.
Os líderes do G7 ouvem a conversa entre Merkel e Donald Trump em 9 de junho de 2018, em Quebec, em uma imagem postada nas redes sociais pelo gabinete da chanceler alemã.JESCO DENZEL (AFP)

Com seus erros e acertos, a verdade é que a improvável candidata, a cientista divorciada e sem filhos que veio do outro lado da Cortina de Ferro, acabou surpreendendo quase todo mundo. Ter sido a primeira mulher a chegar à chancelaria e ter permanecido no cargo por 16 anos sem perder uma eleição marcou um antes e um depois na política alemã. Para uma geração de jovens alemães, ter uma chefa de Governo do sexo feminino é natural. Esse papel de referência não deve ser subestimado e também faz parte do legado.

Uma festa dividida

A proliferação de Zeligs políticos (onipresentes e altamente adaptáveis ao meio ambiente) que imitam a chanceler nesta campanha reflete até que ponto o modo de Merkel de fazer política também faz parte de sua herança. É uma influência um pouco mais evasiva, mas não menos relevante por isso. Quando perguntam a quem já trabalhou com ela sobre suas realizações, muitas vezes acabam falando sobre sua personalidade e sua forma de conceber a política. Merkel opera sob a máxima de que a força reside na calma —In der Ruhe liegt die Kraft. A mulher que cresceu na Alemanha comunista, onde aprendeu a calar, a ouvir e a esperar, não deixa indiferente quem negociou com ela. Aquela indiferença imbatível, o respeito pelas instituições e o multilateralismo, a determinação de se apegar aos fatos com sua complexidade e à ciência em tempos de fake news despertaram uma torrente de admiração internacional. “Esse estilo é do que as pessoas e os colegas europeus mais vão sentir falta. Não vejo ninguém mais capaz de manter os outros sentados negociando horas e horas procurando um acordo. Vai ser difícil para quem vier depois se colocar no lugar“, pensa Puglierin.

O grande partido conservador europeu que ela liderou sem deixar a grama crescer fica em um estado terrível com sua partida; dividido e deserto. As pesquisas preveem o pior resultado de sua história. Merkel o incluiu no centro até torná-lo praticamente irreconhecível. Durante as coligações que presidiu, o Governo decretou apagão nuclear, permitiu a entrada de mais de um milhão e meio de refugiados, aboliu o serviço militar obrigatório, aprovou o salário mínimo e o casamento de casais do mesmo sexo. Ela governou ao ritmo dos sentimentos da maioria social, acumulando suas próprias políticas e as dos outros. Evitou polarizar posições que a distanciassem do centro, de que se apoderou, contribuindo para adormecer o confronto político.

Tudo isso já faz parte de um passado que logo parecerá remoto. A Alemanha está prestes a inaugurar um palco em que Angela Dorothea Merkel (67 anos), que fez muitos alemães sentirem que com ela estavam em boas mãos, não estará mais ao seu lado. E o efeito calmante, quase narcótico, com que a política se acalmou, se evaporará. O despertar promete ser abrupto.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: