Merkel deixa o Brexit para trás para oferecer ao Reino Unido um “novo capítulo” em sua relação bilateral

Em sua última visita oficial a Boris Johnson, a chanceler alemã defende uma solução pragmática para o conflito entre Londres e Bruxelas sobre o Protocolo da Irlanda do Norte

Boris Johnson recebeu nesta semana Angela Merkel na residência oficial de Chequers.
Boris Johnson recebeu nesta semana Angela Merkel na residência oficial de Chequers.David Rose/Daily Telegraph (GTRES)

Angela Merkel conheceu vários primeiros-ministros britânicos em seu longo mandato como chanceler da Alemanha. Nada indica que Boris Johnson seja um de seus favoritos. Embora isso não tenha impedido a veterana política de demonstrar mais uma vez, em sua vigésima-segunda visita ao Reino Unido, o pragmatismo silencioso que exibiu nos últimos 16 anos. Convencida de que é preciso deixar para trás o bloqueio de anos de tensão em torno do Brexit, Merkel apostou claramente em abrir uma linha de cooperação bilateral com Londres: “Agora que o Reino Unido saiu da UE, é uma boa oportunidade para iniciar um novo capítulo na nossa relação”, disse nesta sexta-feira.

Mais informações
Hanoi (Vietbnam), 15/11/2020.- A handout image of a video conference made available by the Vietnam News Agency (VNA) shows leaders and trade ministers of 15 Asia-Pacific nations posing for a virtual group photo during the 4th Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP) Summit in Hanoi, Vietnam, 15 November 2020. Fifteen Asia-Pacific nations signed the Regional Comprehensive Economic Partnership (RCEP) on 15 November, making it the world' largest free trade deal at the end of an annual summit of Southeast Asian leaders and regional partners. EFE/EPA/VNA HANDOUT HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES
China e outros 14 países da Ásia e Oceania assinam o maior acordo comercial do mundo
Isabel II habla con el presidente de EE UU, Joe Biden, y su esposa, Jill Biden, durante la recepción con los líderes del G7 en el Proyecto Edén en Cornualles, Inglaterra.
G7 pretende aumentar a cooperação em vacinas, mudança climática e tributação para sair da pandemia
(FILES) In this file photo taken on December 11, 2019 Britain's Prime Minister and Conservative party leader Boris Johnson poses after hammering a "Get Brexit Done" sign into the garden of a supporter, with a sledgehammer as he campaigns with his team in Benfleet, east of London on December 11, 2019, the final day of campaigning for the general election. - The UK and European Union will on December 30 sign a mammoth trade pact to put the seal on their drawn-out Brexit divorce in the dwindling hours before they part ways definitively at the dawning of 2021. (Photo by Ben STANSALL / POOL / AFP)
Reino Unido sela o último capítulo do Brexit com o fim do período de transição

Johnson era o primeiro interessado em extrair da visita a mensagem de que seu país não se tornou um pária internacional, obrigado a passar pelo guichê de Bruxelas sempre que necessitava algo da Europa. Recebeu Merkel, com todas as honras, na residência de descanso dos primeiros-ministros britânicos, em Chequers, e organizou uma conferência virtual da chanceler com todos os membros de seu Gabinete. Foi a primeira vez em 24 anos que tal deferência foi oferecida a um dignitário estrangeiro, depois do ex-presidente norte-americano Bill Clinton. “Durante todo esse tempo, você manteve seu compromisso com a relação germano-britânica. Como você disse uma vez, compartilhamos os mesmos valores. E muito mais do que isso”, disse Johnson a sua convidada na coletiva de imprensa conjunta.

O primeiro-ministro encarregou-se de lembrar que a Alemanha é o segundo parceiro comercial do Reino Unido; que três quartos de milhão de britânicos trabalham para empresas alemãs e vice-versa; e que um em cada cinco motoristas britânicos senta-se ao volante de um carro alemão todos os dias. Johnson sendo Johnson, não pôde evitar, no início de sua intervenção, mencionar a derrota da seleção alemã para a inglesa nas oitavas de final da Eurocopa, na terça-feira. “Obviamente, não foi uma oferta voluntária para facilitar esta reunião”, disse a chanceler, continuando a brincadeira, “mas agora desejo o melhor para a seleção inglesa na próxima fase”.

Os dois dirigentes anunciaram o lançamento, a partir de 2022, de uma reunião anual conjunta de seus respectivos Gabinetes.

Mesmo no assunto mais delicado na relação entre Londres e Bruxelas, o Protocolo da Irlanda do Norte, Merkel mostrou seu lado mais conciliador. Defendeu a necessidade de manter o acordo internacional alcançado depois de duras negociações, mas também expressou sua convicção de que “podem ser encontradas soluções pragmáticas que sejam aceitáveis para ambas as partes e respeitem a integridade do mercado interno da UE”.

Dois dias antes da reunião entre Johnson e Merkel, os ministros das Relações Exteriores de ambos os países assinaram uma declaração conjunta de cooperação em política externa e segurança de enorme importância. O primeiro sinal de uma nova bilateralidade entre Londres e Berlim, que dividem preocupações e objetivos comuns em questões como a ameaça da China, a mudança climática ou a necessidade de compartilhar respostas a novas crises humanitárias. “Precisamos fortalecer nossa cooperação em áreas como energia, tecnologia e cultura. E estou preocupada que as relações entre os jovens alemães e britânicos possam se perder depois do desaparecimento de um programa tão relevante como o Erasmus”, anunciou Merkel.

Bruxelas e Londres concordaram esta semana em estender por mais três meses a prorrogação do prazo para ajustar os controles alfandegários de determinados produtos que viajam da Grã-Bretanha para a Irlanda do Norte. A tensão em torno dessa questão, que chegou a contaminar a cúpula do G-7 na Cornualha em meados do mês passado, azedou ainda mais a relação entre os dois blocos, a ponto de uma guerra comercial parecer iminente. Se naquela cúpula Johnson usou um tom desafiador e insolente ao dizer que “teria de colocar na cabeça dos europeus que a Irlanda do Norte pertence ao Reino Unido”, o primeiro-ministro usou um tom muito mais conciliador na presença de Merkel. Não pôde evitar, em todo caso, seus habituais gracejos e lançou mão das bratwurst alemãs para explicar o problema que os tabloides britânicos apelidaram de “guerra das salsichas” (um dos produtos ameaçados com tarifas era a carne congelada): “Imaginem que as bratwurst não pudessem ser levadas de Dortmund para Düsseldorf devido à jurisdição de um tribunal internacional. Isso lhes pareceria algo extraordinário”, disse. “Mas tenho certeza, como Angela disse, que com paciência e boa vontade poderemos resolver isso.”

A mensagem que a chanceler queria transmitir naquela que seria sua última visita ao Reino Unido ficou clara. Às perguntas de jornalistas alemães, que a lembraram que o interlocutor mais indicado para Londres deveria ser a Comissão Europeia, Merkel insistiu na vocação comunitária da Alemanha e na necessidade de que os 27 parceiros permaneçam unidos com uma só voz. Mas ao mesmo tempo deixou claro que o Brexit abriu um novo tempo, para o qual será necessário buscar novas soluções e usar o bom senso. “A Alemanha sempre fará parte da UE”, disse a chanceler, “mas é natural que, depois do Brexit, as relações entre os dois países sejam fortalecidas”.

Downing Street evitou levar a brincadeira ao extremo, oferecendo a Merkel um menu de torta inglesa de aspargos, filé de vitela Oxfordshire e torta de creme assada. Nada de salsichas. A chanceler concluiu sua visita com um encontro privado no castelo de Windsor com a rainha Elizabeth II.

ALEMANHA MANTÉM SUAS RESTRIÇÕES DE VIAGEM

Boris Johnson tinha um duplo objetivo para a visita oficial de Angela Merkel. A médio e longo prazo, fortalecer a relação bilateral entre o Reino Unido e a Alemanha. A curto prazo, conseguir que a chanceler diminuísse as restrições aos viajantes britânicos que chegam ao seu país. O aumento da incidência da variante delta (ou variante indiana) na ilha levou Berlim a impor uma quarentena forçada àqueles que chegam ao seu território, e quer que o resto da UE faça o mesmo. Johnson tentou convencê-la a abrir uma exceção para os turistas que já foram vacinados. “Acreditamos que, em um futuro imediato, as duas doses de vacina permitirão novamente as viagens internacionais”, limitou-se a dizer Merkel, sem dar uma data concreta. “Lembro-lhes que o Reino Unido também aplica essas mesmas restrições atualmente. Todos nós estamos em um processo de aprendizado contínuo”, lembrou a chanceler.

 

Merkel tampouco colocou panos quentes em um assunto atual e delicado. Ela não gosta da decisão do Governo britânico de permitir uma afluência maciça nas semifinais e na final da Eurocopa, que serão disputadas no estádio de Wembley, em Londres. Espera-se o comparecimento de 60.000 pessoas, mais da metade da capacidade do estádio. “Na Alemanha, como os senhores sabem, decidimos que muito menos torcedores entram no estádio de Munique, mas é óbvio que o Governo britânico tomará suas próprias decisões”, disse. “Estou preocupada, em todo caso, que sejam muitos.”

Segundo o instituto alemão Robert Koch, 37% dos casos de infecção detectados na semana passada naquele país correspondem à variante delta, contra 15% na semana anterior.

 

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS