De ministro no Afeganistão a entregador de aplicativo na Alemanha

Sayed Sadaat fugiu do Afeganistão em dezembro, onde vários membros de sua família permanecem presos

O ex-ministro das Comunicações afegão Sayed Sadaat durante uma de suas viagens diárias para entregar comida em domicílio em Leipzig, Alemanha.
O ex-ministro das Comunicações afegão Sayed Sadaat durante uma de suas viagens diárias para entregar comida em domicílio em Leipzig, Alemanha.HANNIBAL HANSCHKE (Reuters)
Mais informações
EDITORS NOTE: Graphic content / Medical and hospital staff bring an injured man on a stretcher for treatment after two powerful explosions, which killed at least six people, outside the airport in Kabul on August 26, 2021. (Photo by Wakil KOHSAR / AFP)
Conheça o ISIS-K, inimigo número um dos talibãs
Central Asia - Afghanistan, capital city Kabul: Victims of the bomb attacks at the airport arriving at the Emergency Surgical Center for War Victims. The bombings have been condemned by the Taliban and it is unknown the total number of inured and deceased.
Risco de nova maré humana no aeroporto de Cabul após ataques eleva tensão no Afeganistão
A Taliban fighter stands guard at the site of two powerful explosions, which killed scores of people including 13 US troops on August 26, at Kabul airport on August 27, 2021. (Photo by WAKIL KOHSAR / AFP)
Medo nas ruas e ritmo frenético nos hospitais de Cabul um dia após o ataque

Sayed Sadaat, de 49 anos, foi ministro das Comunicações do Governo do Afeganistão. Em dezembro do ano passado, ele se mudou para a Alemanha na esperança de encontrar um futuro melhor e mais seguro. Agora, trabalha como entregador na cidade de Leipzig, levando comida em domicílio em sua bicicleta. Sua história se tornou especialmente relevante com o caos que se instalou no Afeganistão após a tomada do poder pelo Talibã e com o ataque em Cabul que deixou pelo menos 183 mortos e 200 feridos nesta quinta-feira.

Sadaat disse à agência Reuters que alguns de seus parentes o criticaram por aceitar um cargo como esse depois de ter servido no Governo como ministro por dois anos, deixando o cargo em 2018. Para ele, contudo, agora o mais importante é ter um trabalho. “Não preciso me sentir culpado por nada”, diz o cidadão afegão-britânico, em seu uniforme laranja ao lado de sua bicicleta. Há três anos, ele renunciou a um cargo não governamental devido a mal-entendidos como integrante do círculo do presidente, explica. “Espero que outros políticos também sigam o mesmo caminho, trabalhando com a cidadania em vez de apenas se esconderem”.

Agora, seus familiares e amigos também querem deixar o país e esperam seguir os mesmos passos das milhares de pessoas que já conseguiram escapar em voos de evacuação fretados por diversos países. Eles também consideram tentar encontrar outras rotas. Com a retirada das tropas dos EUA no horizonte, o número de requerentes de asilo afegãos na Alemanha se elevou desde o início do ano em mais de 130%, mostram dados do Escritório Federal para Migração e Refugiados.

Apesar do ex-ministro das Comunicações afegão ter dupla cidadania e poder ter escolhido se mudar para o Reino Unido, onde passou grande parte de sua vida, ele se mudou para a Alemanha no final de 2020, aproveitando sua última chance antes do Brexit. Sadaat escolheu a Alemanha porque esperava ter um futuro econômico melhor e encontrar seu lugar em alguma posição de liderança no setor de telecomunicações a longo prazo.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Mesmo com sua carreira em cargos públicos, Sadaat teve dificuldade em encontrar um emprego na Alemanha que corresponda à sua experiência. Ele é formado em tecnologia da informação e telecomunicações, então esperava encontrar trabalho em uma área relacionada. Mas, sem saber alemão, suas chances de obtê-lo eram mínimas. “O idioma é a parte mais importante”, diz Sadaat. Todos os dias ela tem aulas de alemão por quatro horas em uma escola de idiomas antes de começar seu turno noturno de seis horas entregando comida pela Lieferando, onde começou a trabalhar no verão. “Os primeiros dias foram emocionantes, mas difíceis”, explica ele, mencionando o desafio de aprender a andar de bicicleta no trânsito da cidade. Mas ele se sente satisfeito: “Quanto mais você sai e quanto mais pessoas conhece, mais aprende.”

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS