A CRISE DO CORONAVÍRUS

Belize, como este paraíso caribenho enfrenta a pandemia e desenvolve um turismo resiliente

A covid-19 testou este país coberto de selva tropical e que possui o segundo recife de coral mais valioso do mundo. Acostumado a superar furacões e os efeitos das alterações climáticas, agora enfrenta o desafio de criar um modelo econômico diversificado, mais sustentável e inclusivo

O recife de coral de Belize, uma enorme atração turística pré-pandemia.
O recife de coral de Belize, uma enorme atração turística pré-pandemia.Sebastian Lindstrom

Mais informações

Belize começa a recuperar timidamente o pulso do turismo. A economia deste pequeno país caribenho do norte da América Central de apenas 400 000 habitantes sempre se desenvolveu em torno da atividade turística, um setor que antes da pandemia representava o 40% do seu Produto Interno Bruto (PIB) e o 39,3% do emprego total. A grande maioria dos turistas que a visitaram eram americanos, seguidos de canadenses e europeus atraídos pelo seu grande recife de coral, o segundo maior do mundo e que se estende da Riviera Maia até a fronteira com Honduras.

O menor país da América Central também possui uma rede de cavernas e grutas subterrâneas e florestas tropicais bem preservadas. Na verdade, quase o 80% do país é coberto por densa floresta tropical, grande parte da qual está sob proteção do governo. Os recursos naturais são assim o seu primeiro bem que, somadas às suas condições ambientais e climáticas, sempre a tornaram um destino para os amantes da natureza e da aventura.

Mas a pandemia mudou tudo. As fronteiras foram fechadas e o turismo despencou. A entrada de visitantes caiu 66% e a crise arrasou grande parte das 86 mil pessoas que dependiam direta ou indiretamente desse setor. A pobreza e o desemprego aumentaram dramaticamente. Felizmente, e apesar da sua capacidade limitada de recursos de saúde —apenas há um médico e 15 enfermeiras para cada 1000 habitantes, de acordo com o Banco Mundial— a resposta de Belize à covid-19 foi rápida e a sua gestão da pandemia bastante aceitável. Até o início de abril de 2021, foram confirmados 12.845 casos e 318 óbitos.

O recife de corais de Belize é o segundo maior do mundo e uma verdadeira joia turística do país.
O recife de corais de Belize é o segundo maior do mundo e uma verdadeira joia turística do país.Sebastian Lindstrom

Por meio de videochamada, Anthony Mahler, ministro do Turismo de Belize, afirma que em um momento como este do ano já estariam recebendo entre 50 e 60 mil pessoas. Agora com as fronteiras praticamente fechadas e a obrigação —em alguns países— de ficarem em quarentena na volta da viagem, dificilmente recebem visitantes. Assim, a covid-19 mais uma vez colocou à prova a capacidade de resiliência do turismo de Belize, atividade que teve e tem que enfrentar periodicamente furacões e tempestades, e também os efeitos das alterações climáticas, como a elevação do nível do mar e erosão costeira, bem como todos os impactos econômicos e sociais daí decorrentes.

Com a economia em crescimento, Belize decidiu reabrir seu aeroporto em outubro passado e a recuperação do turismo passou a ser uma prioridade. O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) reformulou seu programa de turismo sustentável para financiar a resposta imediata à saúde pública e adaptá-lo às novas circunstâncias com o objetivo de interromper a cadeia de transmissão do vírus.

Em apoio ao Governo, foram estabelecidas medidas de redução de riscos com rigorosos protocolos de biossegurança nos três pontos de entrada do país — o aeroporto e as fronteiras com o México e a Guatemala — e foi projetado todo um corredor turístico seguro com a construção de infraestruturas permanentes e equipadas para áreas de espera, de triagem, detecção e testes de diagnóstico.

O objetivo era facilitar o isolamento dos pacientes e conectá-los, se necessário, aos serviços básicos de saúde. De facto, estas medidas de higiene e segurança, que para o ministro do Turismo são os seus “padrões de ouro”, valeram-lhes o selo de viagem segura, ‘Viagens Seguras’, atribuído pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC).

Com cautela, as expectativas começam a ser otimistas. “Belize é muito dependente do mercado americano, então, à medida que esse mercado começa a se libertar, o turismo volta aos níveis anteriores. Não sabemos se será questão de um ou dois anos, mas não acreditamos que haverá sequelas quando esse pico pandêmico acabar e a imunidade for alcançada “, disse Ramiro López Ghio, representante do BID em Belize, por meio de uma chamada de vídeo.

“Depois de anos, vimos como os golfinhos e muitas espécies de pássaros voltaram às costas. O mundo está se curando do abuso que infligimos a ele. Em Belize acreditamos que é fundamental colocar medidas paliativas para proteger os recursos naturais “, explica o Ministro do Turismo


“O turismo vai voltar para o final deste ano e até 2023”, afirma o ministro, e destaca que a pandemia dificilmente mudará o modelo de turismo no país, uma vez que já se baseia numa atividade que respeita o meio ambiente. Para isso, a proteção do ecossistema, tanto terrestre quanto marinho, é essencial. Além disso, em conjunto com o World Wildlife Fund (WWF), será desenvolvido o primeiro plano de gestão de bacias hidrográficas para a proteção de água doce. “O que esta pandemia nos ensinou é a importância de proteger o meio ambiente. Depois de anos, vimos como os golfinhos e muitas espécies de pássaros voltaram às costas. O mundo está se curando de todos os abusos que causamos. Em Belize, acreditamos que é essencial colocar medidas paliativas para proteger os recursos naturais. Mas também sabemos que o freio às alterações climáticas não depende só de nós, mas dos maiores países com mais poder de decisão”.

Para Mahler, o pior já passou. “O crescimento e o desenvolvimento da indústria do turismo em Belize começarão a ser vistos nos próximos dois meses e muitas pessoas retornarão aos seus empregos ativos.”

Vacinação e imunização

A recuperação total do turismo acontece, porém, por meio da imunização de seus habitantes. Com essa intenção, Belize já entrou na luta para disputar vacinas em quantidade suficiente, com a vantagem relativa, pelo menos, de ter uma população muito pequena para imunizar. Nessa estratégia, a resposta do setor da saúde ao coronavírus também conta com o apoio do BID, especialmente por meio de empréstimos para investimentos e garantias que facilitarão o acesso à vacina e também fortalecerão sua capacidade de negociar o acesso rápido a elas.

Por um lado, esse apoio se traduz na aquisição de vacinas por meio do mecanismo COVAX (Acceso Global às Vacinas da covid-19) da GAVI Vaccine Alliance, que visa garantir que todos os países tenham acesso imediato e justo à imunização. “Para Belize, o acesso às vacinas seria facilitado para pelo menos 30% da população, por meio de uma garantia de crédito para cobrir a compra de doses da COVAX com um empréstimo para apoiar a implantação do programa de vacinação em tudo que se relacione com o que são cadeias de frio, distribuição e campanhas de informação ao público sobre a vacina “, explica López Ghio.

Para Belize, o acesso às vacinas seria facilitado para pelo menos 30% da população, por meio de uma garantia de crédito para cobrir a compra de doses da Covax. “Ramiro López Ghio, representante do BID em Belize

Além disso, este órgão criou os instrumentos de garantia e as condições de segurança jurídica entre os Estados da América Latina e Caribe e as empresas farmacêuticas para resolver a difícil questão das obrigações de compensação contraídas pelos países menos favorecidos perante os fabricantes e que muitas vezes é um obstáculo intransponível.

Agricultura como alternativa

Mas o impacto sem precedentes da pandemia destacou a fragilidade e os riscos de ser uma economia excessivamente dependente do turismo. A experiência de Belize, segundo o BID, destaca a necessidade de diversificação. Ao contrário do que acontece em pequenas ilhas caribenhas como Bahamas ou Saint Thomas, onde não existem muitas alternativas, o país centro-americano aposta no futuro da agricultura que poderá se tornar a ponta de lança de sua economia. “Belize tem uma baixa densidade populacional, um território fértil e um mercado muito importante como México, Guatemala, Honduras ou Estados Unidos. Na medida em que sejam gerados financiamentos para melhorar a agricultura e a produtividade, haverá um importante foco de desenvolvimento econômico para o país nos próximos anos “, afirma López Ghio.

De modo geral, a recuperação do turismo continuará sendo fundamental para a economia do país. Um dos desafios para a sustentabilidade será continuar a melhorar sua resiliência a desastres e ao clima, e continuar fazendo os investimentos necessários para reduzir os riscos. Para isso, os especialistas consideram que também é necessário apostar na proteção e preservação das áreas naturais mais críticas, sejam elas recifes de coral, manguezais ou zonas úmidas, garantindo a segurança alimentar e fortalecendo os sistemas agrícolas.

A verdade é que o país está cada vez mais preparado para furacões que dificilmente causam vítimas. E mesmo que seu impacto seja sempre grave, López Ghio prefere não lhe dar importância: “Quem quer visitar Belize não deve se preocupar com os furacões porque são muito sazonais, geralmente de setembro a novembro, e são esperados. Além disso, a forma e a categoria que assume o furacão vão-se dando com o passar dos dias e se o atinge fortemente, isto acontece na zona costeira. Assim que toca o solo, dificilmente surte efeito dentro de casa. O ministro do Turismo está otimista e não tem dúvidas de que serão fortalecidos para poderem enfrentar possíveis pandemias ou retrocessos no futuro. E garante que fica claro que o caminho para seguir em frente e se tornar um destino de referência é garantindo a sustentabilidade e a proteção de seus recursos naturais.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50