Rússia expulsa 10 diplomatas dos EUA e sugere que embaixador volte para Washington, em resposta às sanções

Moscou não descarta a possibilidade de tomar medidas “dolorosas” contra empresas norte-americanas, mas não fecha a porta a um encontro entre Putin e Biden

O presidente russo, Vladimir Putin, em uma teleconferência em Moscou, na sexta-feira passada. /
O presidente russo, Vladimir Putin, em uma teleconferência em Moscou, na sexta-feira passada. /Alexei Druzhinin (AP)

A Rússia respondeu nesta sexta-feira às sanções da Administração Joe Biden por ciberataques e interferência nas eleições dos EUA. O Ministério das Relações Exteriores russo anunciou nesta sexta-feira a expulsão de 10 diplomatas dos EUA e impôs sanções a oito funcionários, em uma medida que espelha a aplicada pelos Estados Unidos, de acordo com o chanceler Sergey Lavrov. Além disso, “recomendou” ao embaixador dos EUA que retorne a Washington para “consultas”, fórmula que não está incluída na Convenção de Viena —os países chamam seu próprio embaixador para consultas em sinal de protesto— e que na prática significa uma expulsão disfarçada. Moscou, no entanto, evita responder às sanções contra sua dívida soberana —a Casa Branca proibiu as instituições financeiras dos EUA de comprar e negociar a nova dívida estatal russa e títulos emitidos pelo Banco Central da Rússia —, embora tenha observado que não descarta a possibilidade de empreender mais medidas “dolorosas” contra empresas norte-americanas.

O Governo russo manterá outras medidas “de reserva”, disse Lavrov em entrevista coletiva, na qual destacou que a Rússia não quer um aumento da tensão em suas já abaladas relações com Washington. As sanções dos EUA, observou Lavrov, são “uma ação totalmente hostil e não provocada”. O ministro ameaçou expulsar outros 150 diplomatas “se a troca de cumprimentos continuar”, afirmou, com ironia.

Mais informações

Nessas sanções de Biden contra a Rússia, que ele acusa de ingerência nas eleições do ano passado e de ciberataques nos órgãos centrais de sua Administração, os EUA expulsaram 10 diplomatas russos, impuseram medidas contra 32 pessoas e entidades e sancionaram seis empresas russas, acusadas de colaborar com o hackeamento. O Kremlin nega envolvimento nos ataques. Além disso, proibiu suas instituições financeiras de adquirirem novas dívidas do Governo russo no mercado primário (o que, no entanto, deixa a porta aberta para que o façam em mercados secundários). Uma medida que a Rússia não tomará no momento “por razões óbvias”, disse Lavrov. “Não temos endividamento comparável ao dos Estados Unidos”, afirmou o ministro.

A resposta russa é sobretudo diplomática. No mês passado, Moscou chamou para consultas seu embaixador em Washington, Anatoly Antonov, depois que Biden declarou em uma entrevista que considera Putin “um assassino”, e ele ainda não voltou a seu posto. Agora, a Rússia sugere que os Estados Unidos façam o mesmo, disse a Chancelaria russa. O embaixador John Sullivan, nomeado pelo republicano Donald Trump, foi confirmado no cargo por Biden. “É óbvio que a situação atual, extremamente tensa, resultou na necessidade objetiva de que os embaixadores de nossos países estejam em suas capitais para analisar a situação e realizar consultas”, afirmou o Ministério de Relações Exteriores em uma nota.

Na lista de oito autoridades norte-americanas sancionadas, a Rússia incluiu o procurador-geral Merrick Garland, o diretor do FBI, Christopher Ray, e a diretora da Inteligência Nacional, Avril Hayes. Moscou proibirá russos e cidadãos não norte-americanos em geral de trabalhar em missões e legações diplomáticas dos EUA no país. Além disso, encerrará o programa que oferece vistos expresso a funcionários do Departamento de Estado dos EUA e diplomatas e também restringirá suas viagens e movimentos dentro da Rússia. Moscou também alertou que fechará organizações e fundos financiados pelo Governo dos Estados Unidos —que, como outras entidades estrangeiras, já tinham muita dificuldade de operar no país por causa de leis, controles e restrições cada vez maiores— e os acusou de intromissão na política interna russa.

O Governo russo põe na mesa medidas para responder às sanções de Biden —muito simbólicas, mas não cruciais e consideradas um primeiro alerta sério—, mas não fecha a porta à proposta do presidente dos EUA de realizar uma cúpula em um país europeu. A Rússia, disse o Kremlin, tem “reações positivas” ao convite. O chanceler Lavrov insistiu em que a Rússia quer evitar uma “maior escalada” com os EUA, mas também que não hesitará em ampliar as restrições: “Nenhuma onda de sanções ficará impune”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: