Merkel acha “problemática” a suspensão das contas de Trump nas redes sociais

Porta-voz do Governo diz que “o correto” seria que o Estado estabelecesse “um marco” para regulamentar seu uso

Angela Merkel e o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, após uma entrevista coletiva em Berlim, em novembro.
Angela Merkel e o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, após uma entrevista coletiva em Berlim, em novembro.KAY NIETFELD (AFP)

A chanceler alemã, Angela Merkel, que na quinta-feira criticou abertamente Donald Trump por incentivar seus seguidores a atacar o Capitólio, considera que a suspensão das contas nas redes sociais do presidente norte-americano é “problemática”.

Na segunda-feira, durante uma entrevista coletiva de rotina realizada em Berlim, o porta-voz da chanceler, Steffen Seibert, se referiu ao banimento do Twitter ao mandatário norte-americano dizendo que “o correto” seria que o Estado, e particularmente o Parlamento, estabelecessem “um marco” para regulamentar o uso das redes sociais. Os operadores dessas empresas, acrescentou, “têm a grande responsabilidade de garantir que a comunicação política não seja envenenada pelo ódio, a mentira e a incitação à violência”, afirmou.

Mais informações

Mas, frisou o porta-voz, o direito à liberdade de opinião é fundamental. “As intervenções, portanto, só podem ocorrer de acordo com a lei e no marco definido pelo legislador, e não segundo a decisão da direção das plataformas de redes sociais”, disse Seibert. “Por isso, a chanceler Angela Merkel considera problemático que as contas do presidente dos Estados Unidos tenham sido permanentemente bloqueadas”.

O Twitter, que baniu Trump na sexta-feira pelo “risco de maior incitação à violência” pela invasão do Congresso, foi o canal preferido de comunicação do presidente dos Estados Unidos para anunciar suas decisões mais importantes e insultar seus rivais, através da hoje bloqueada permanentemente conta @realDonaldTrump. Em um memorando que circulou entre os jornalistas da Casa Branca, Trump acusou o Twitter na sexta-feira à noite de conspirar com os democratas para silenciá-lo e a seus partidários. A Casa Branca, através da conta oficial do Governo, atacou a decisão por considerar que limita a liberdade de expressão consagrada pela Primeira Emenda. As ações da empresa dirigida por Jack Dorsey caíram 3% após o anúncio.

Na quinta-feira, a chanceler culpou Trump pelos violentos incidentes do dia anterior no Capitólio. Em uma reunião virtual com a União Social Cristã (CSU), o pequeno partido bávaro aliado do partido de Merkel, o conservador União Democrata Cristã (CDU) a chanceler lamentou as “perturbadoras” imagens do ataque ao Capitólio, disse se sentir “enojada e triste” e culpou o presidente Trump de contribuir para criar uma atmosfera propícia para esse tipo de incidente. “O presidente Trump lamentavelmente não reconhece sua derrota desde novembro, assim como ontem, e isso naturalmente gerou uma atmosfera que possibilita incidentes violentos”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: