Congresso do Peru rejeita primeiro-ministro nomeado há 21 dias e aprofunda crise

Pressionado pela pandemia e pela queda na economia, presidente Vizcarra terá que buscar, pela quinta vez em dois anos, novo premiê

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, e o premiê Pedro Cateriano, antes da sessão no Congresso.
O presidente do Peru, Martín Vizcarra, e o premiê Pedro Cateriano, antes da sessão no Congresso.Andina (EFE)
Mais informações

O novo gabinete que o presidente peruano Martín Vizcarra nomeou há apenas 21 dias não recebeu o voto de confiança do Congresso. Na segunda-feira, o presidente do Conselho de Ministros, Pedro Cateriano, apresentou as diretrizes políticas do gabinete sob sua responsabilidade, mas depois de quase 14 horas de debate parlamentar, o Legislativo lhe deu as costas. Duas bancadas e meia argumentaram que Cateriano não deu prioridade suficiente à luta contra a pandemia. Como consequência, o presidente peruano deverá recompor seu gabinete e recrutar um novo primeiro-ministro, o quinto em dois anos e quatro meses.

A Frente Popular Agrícola do Peru (Frepap) e a Frente Ampla ―de esquerda― apontaram no debate parlamentar a falta de medidas para a recuperação do setor agrícola e a ênfase no apoio às grandes empresas, em particular às indústrias extrativas. Os votos contra da Frepap e da Frente Ampla foram fundamentais para o resultado.

O antropólogo Carlos Ernesto Ráez explicou ao EL PAÍS que “a Frente Ampla e um setor da esquerda estão há anos tentando direcionar a questão ambiental a seu favor. E desde sua fundação como partido político, a Frepap sempre defendeu e apostou na agricultura, o que se refletiu em muitos de seus projetos de lei e seu estatuto.” “Embora estejamos acostumados a interpelações e, nos últimos anos, a censuras e uma dissolução do Parlamento, esta negação do voto de confiança ―a menos de um ano do fim do mandato de Vizcarra― é um golpe ao estilo de confrontação que teve este Governo”, acrescentou.

Oito horas depois da votação do Parlamento, o chefe de Estado reagiu. “Apesar da crise sanitária e econômica que estamos enfrentando, o Congresso decidiu acrescentar outra crise política, em prejuízo de todos (...). Ontem [segunda-feira], enquanto os congressistas nos mostravam seu desacordo com a política de Governo, sem dizê-lo faziam prevalecer exigências particulares às quais não cederemos”, afirmou Vizcarra.

Dos 54 votos contra o gabinete, 13 foram da Frepap e sete dos congressistas de esquerda; mas onze vieram do Podemos Peru, uma formação política fundada por José Luna, proprietário de uma universidade fechada pela Superintendência Nacional de Educação (Sunedu), a entidade que supervisiona a qualidade das universidades.

O atual ministro da Educação, Martín Benavides, foi até fevereiro o chefe da Sunedu, e na última sexta-feira o Congresso aprovou interpelá-lo, não por seu desempenho como ministro, mas para questionar o fechamento de universidades que não cumprem os padrões mínimos de qualidade. Na noite de segunda-feira, enquanto o debate no plenário continuava ―metade digital e metade presencial― no Twitter e nos programas de televisão circulava a versão de que um grupo de congressistas condicionou o voto de confiança à renúncia do ministro Benavides.

Por volta das seis da manhã de terça-feira, quando o primeiro-ministro Cateriano julgou que não receberia o apoio suficiente, afirmou no Parlamento: “Fui avisado de que não havia consenso sobre a ratificação do ministro da Educação e que seria muito difícil estender a mim o voto de confiança”.

O momento de definição, com os porta-vozes parlamentares presentes no hemiciclo e o resto dos congressistas em suas casas, conectados aos seus computadores, levou quase meia hora. Quem mais demorou a manifestar sua decisão foram as bancadas com maior quantidade de votos: a da Ação Popular ―que tinha 23 votos efetivos―  e a da Aliança pelo Progresso ―com 22 votos efetivos―, do ex-candidato à presidência César Acuña, um político pragmático e populista e dono de uma universidade. Finalmente, a Ação Popular somou 7 votos contra e a Aliança pelo Progresso 22 abstenções. Dois congressistas sem partido também votaram contra Cateriano.

A mensagem de 46 páginas do primeiro-ministro Cateriano dedicou pouco mais de três páginas à saúde no contexto da pandemia da covid-19 e o dobro do espaço a propostas para facilitar e acelerar o investimento privado, alterando normas que poderiam afetar a água e as florestas. Muitos defensores dos direitos humanos e líderes comunitários foram assassinados no Peru durante a última década depois de denunciarem a exploração ilegal de madeira e a poluição, causada por máfias ou por empresas formais.

Na América do Sul, depois do Brasil, o Peru é o mais afetado pela pandemia, com mais de 19.800 mortos e 433.100 casos confirmados. Durante a sessão no Congresso, a ministra da Saúde, Pilar Mazzetti, informou que “não há recursos humanos” e que os mortos pela covid-19 estão entre “os 19.000 e os 49.000 registrados pelo Sistema Nacional de Óbitos”. Na segunda-feira o Governo aprovou um decreto para contratar médicos não registrados, de qualquer nacionalidade, e ordenou o retorno dos residentes de medicina aos hospitais.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: