Apesar de popularidade na pandemia, Fernández mantém incógnitas sobre rumos da Argentina

Mergulhado na crise do coronavírus e numa moratória, o presidente argentino ainda não mostrou as chaves de seu mandato

Enric González
Buenos Aires -
O presidente Alberto Fernández posa com trabalhadores de uma fábrica de autopeças na periferia de Buenos Aires, em 1º de maio.
O presidente Alberto Fernández posa com trabalhadores de uma fábrica de autopeças na periferia de Buenos Aires, em 1º de maio.ESTEBAN COLLAZO (EL PAÍS)
Mais informações

Alberto Fernández gera confiança. Depois de quase seis meses na presidência da Argentina, preserva uma popularidade muito alta. Mas também mantém abertas quase todas as incógnitas. A gestão de duas crises muito complexas, a pandemia e a renegociação da dívida, ocupa a maior parte de seu tempo. Ainda não se sabe qual é seu projeto nem sua autêntica força dentro do peronismo. Nas próximas semanas, quando se chegar ao desconfinamento e se verificar, depois do default declarado na sexta-feira, se há acordo com os credores ou se Argentina fica definitivamente isolada do sistema financeiro internacional, Fernández deverá enfrentar a uma situação econômica calamitosa.

Ninguém jamais poderá questionar o rigor com que dirigiu o combate à pandemia. Sua prudência lhe valeu o respeito dos argentinos: 8 em cada 10 o apoiam. Com o pico de contágios já muito próximo, o número de vítimas mortais continua bastante baixo (433, segundo os dados da sexta-feira), e nenhum hospital se aproximou do colapso; na verdade, a maior parte dos leitos de UTI permanece vazia. Isso tem um preço. A cidade de Buenos Aires, diferentemente de outras províncias do país, terá sido submetida (se não houver novas prorrogações) a 80 dias de quarentena, mais do que nenhuma outra cidade do mundo. O fechamento da capital política e econômica acarreta um custo muito alto.

A presidência de Alberto Fernández esteve, desde o início, marcada por circunstâncias extraordinárias. O fato de a ex-presidenta Cristina Fernández de Kirchner o escolher como candidato, aceitando ficar com a vice-presidência, já foi incomum. O mesmo se aplica à sua taxativa vitória frente a Mauricio Macri, sem necessidade de segundo turno. A moratória virtual que Macri legou à Argentina provocou outra anomalia: Fernández manteve seu programa econômico em suspenso enquanto não houver acordo com os credores sobre uma reestruturação da dívida, optando também por governar sem uma lei orçamentária.

Então irrompeu a outra grande anomalia, a pandemia. Com o Congresso fechado (o Senado agora acaba de retomar suas sessões, estritamente virtuais), Fernández assumiu plenos poderes. A lei de emergência econômica, aprovada já em dezembro, e a emergência sanitária lhe permitem governar por decreto. Até agora, emitiu 23 decretos de necessidade e urgência (DNU). A Argentina entrou formalmente em default na sexta-feira, dia 22, quando deixou de pagar um vencimento de 503 milhões de dólares dos seus títulos de dívida, sem nenhum tipo de repercussão política. A ausência de vida parlamentar e a falta de um líder da oposição (Macri já não conta) deixam a Fernández uma margem aparentemente muito ampla.

Mas ninguém sabe com exatidão qual é essa margem de Alberto Fernández, porque seus limites são internos. Quem os dita são a vice-presidenta, Cristina Fernández de Kirchner, e seu filho, Máximo Kirchner, chefe da maioria na Câmara dos Deputados. O kirchnerismo mantém a base militante da qual o presidente depende, ocupa-se diretamente das questões judiciais (os diversos processos contra a ex-presidenta vão se desenrolando dia após dia) e marca terreno. Na Grande Buenos Aires, celeiro de votos que permitiu a Fernández ganhar comodamente a presidência, quem manda são os Kirchner e o governador Axel Kicillof.

Fernández, por exemplo, procurou manter uma cooperação estreita com o opositor Horacio Rodríguez Larreta, prefeito de Buenos Aires e um dos principais aspirantes a liderar as forças conservadoras e liberais nas eleições de 2023. Enquanto isso, o Governo provincial de Buenos Aires, nas mãos do kirchnerista Kicillof, fez de tudo para boicotar a relação entre Fernández e Larreta, acusando o prefeito de descuidar do atendimento à saúde nas villas miseria (favelas) e de transformar a capital em um grande foco de infecção.

Outro exemplo é o projeto de imposto extraordinário sobre as grandes fortunas, a ser pago supostamente uma só vez. Afetaria 12.000 pessoas com patrimônio superior a três milhões de dólares (16,6 milhões de reais) e deveria arrecadar três bilhões de pesos (240 milhões de reais), que se destinariam a bancar os custos da pandemia. O problema desse imposto é que se sobrepõe ao de bens pessoais, e a dupla tributação é inconstitucional. Máximo Kirchner empurrou o projeto até conseguir o aval do presidente ― e o obrigatório aplauso de Diego Armando Maradona, que se declarou “totalmente a favor do imposto sobre a riqueza”.

O kirchnerismo não deixa de emitir sinais. A deputada Fernanda Vallejo propõe que os créditos estatais concedidos às empresas para mantê-las vivas durante a pandemia se traduzam, em caso de não devolução, em ações empresariais. Ou seja, que o Estado passe a ser acionista dessas empresas, sejam elas grandes ou pequenas. A ideia ficou pairando no ar, como sinal de para onde aponta um setor da maioria governista. O presidente não se pronuncia. Dentro do próprio peronismo, é acusado de atuar mais como árbitro entre diferentes tendências do que como líder.

A gestão sanitária e o problema da dívida permitiram a Fernández manter um tom professoral, quase sempre comedido, acima da disputa política. Há poucas semanas, houve alguns panelaços minoritários contra a acumulação de poderes extraordinários, mas o medo da pandemia e o foco midiático nas negociações com os credores garantiram um autêntico período de graça ao presidente.

Esse período de consenso popular terminará com a quarentena e o acordo ou a ruptura com os credores da dívida argentina: Fernández terá que enfrentar então uma realidade econômica sinistra. Estima-se que a recessão comerá neste ano 10% do PIB argentino, que já vem diminuindo desde 2018. Quase metade da população terá caído na pobreza. E o peso continuará se desvalorizando frente ao dólar, como não deixou de fazer nos últimos três anos, apesar dos controles cambiais cada vez mais rigorosos.

De certo modo, será então que a presidência de Alberto Fernández realmente começará. E as coisas não serão mais fáceis do que agora. Talvez sejam inclusive mais difíceis.

A sombra permanente de Cristina Kirchner

Cristina Fernández de Kirchner está sempre lá. Ela conseguiu para seu grupo político a área da Justiça, onde pode influenciar o desenrolar dos processos que a afetam, e a área da política assistencial, através do controle da Administração Nacional da Seguridade Social. Tem seu filho Máximo como chefe da maioria parlamentar, seu fiel ex-ministro de Economia, Axel Kicillof, como governador da maior província do país, Buenos Aires, colocou Carlos Zannini (processado com ela por suposto acobertamento) na Procuradoria do Tesouro, e agora parece ter voltado seu olhar para o campo energético. O kirchnerista Federico Bernal, chefe da Agência Nacional Reguladora de Gás, começou a adotar iniciativas à margem de Matías Kulfas, ministro do Desenvolvimento Produtivo, oficialmente o responsável pela área e um dos principais colaboradores de Alberto Fernández.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: