_
_
_
_
_
Argentina

Argentina negocia com urgência três contrapropostas de seus credores para evitar um ‘default’

Governo de Alberto Fernández deve fechar um acordo antes de 22 de maio

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e o ministro da Economia, Martín Guzmán, analisam uma oferta aos credores, no sábado 9 de maio.
O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e o ministro da Economia, Martín Guzmán, analisam uma oferta aos credores, no sábado 9 de maio.Europa Press

O Governo argentino já tem sobre a mesa contrapropostas de seus credores. Os três grandes grupos de donos de bônus, o Comitê Argentino de Credores, o Exchange Bondholders e o Grupo Argentina Ad Hoc, apresentaram no final de sexta-feira três ofertas diferentes para negociar um acordo que evite o default (suspensão de pagamentos) argentino. O prazo termina na próxima sexta-feira, 22 de maio. Será uma semana de altíssima tensão.

Mais informações
El ministro de Economía de Argentina, Martín Guzmán, en su despacho de Buenos Aires el 11 de marzo pasado.
Martín Guzmán, ministro argentino: “Queremos transformar a Argentina em um bom devedor”
Teatros cerrados en Buenos Aires, Argentina.
Em Buenos Aires, a cultura se apaga para proteger a metrópole
A man wearing a face mask walks past a mural with tango dancers in Buenos Aires, on May 8, 2020 amid the Covid-19 coronavirus pandemic. (Photo by RONALDO SCHEMIDT / AFP)
Epicentro da covid-19 na América do Sul, Brasil é visto como “grande ameaça” por países vizinhos

O ministério da Economia emitiu um comunicado em que disse já estar analisando “as características dessas propostas e suas implicações ao objetivo de restaurar a sustentabilidade da dívida pública”. Horas antes da documentação chegar ao ministério, o ministro, Martín Guzmán, realizou uma videoconferência com o Conselho de Relações Exteriores de Nova York, um dos think tanks mais influentes dos Estados Unidos, em que admitiu que o período de indulgência pedido pela Argentina, três anos nos quais não pagariam o valor principal e os juros, seria “um dos aspectos mais críticos” da negociação.

Os credores consideram excessivo o tempo de três anos, ainda que já tenha diminuído em relação aos cinco recomendados inicialmente pelo Fundo Monetário Internacional. O Governo argentino, por sua vez, os considera imprescindíveis para acumular reservas em divisas durante esse tempo e estabilizar o peso (que há dois anos era trocado a 20 por dólar, e agora, no mercado clandestino, supera os 130), com o objetivo de fomentar a economia em moeda própria e atenuar a avidez pela divisa norte-americana. O Banco Central estima que pessoas e empresas argentinas tenham 219 bilhões de dólares (1,28 trilhão de reais) em dinheiro vivo.

Ao Conselho de Relações Exteriores, Guzmán afirmou que o Governo de Alberto Fernández não quer “repetir os mesmos erros do passado”, quando os acordos com os donos de bônus acabavam não se cumprindo, e que só será aceitável uma reestruturação de dívida “sustentável”, que permita manter uma “relação de confiança” com os credores. Ele se declarou “flexível” para negociar nos próximos dias e preferiu não contemplar a possibilidade de que na próxima sexta-feira a Argentina caia no nono default soberano de sua história. Comentou que se isso ocorresse “seria um péssimo sinal a todas as economias emergentes”.

Sobre uma dívida soberana próxima a 68 bilhões de dólares (395 bilhões de reais), Martín Guzmán pede o rebaixamento dos juros médios de 7% a 2,3%, realizar um pagamento de quase 4 bilhões (23 bilhões de reais) sobre o valor principal e ter três anos de indulgência. No total, isso reduziria o ganho previsto pelos investidores em mais de 40 bilhões (232 bilhões de reais). “Não propomos que percam dinheiro, somente que ganhem menos”, afirmou várias vezes o presidente, Alberto Fernández.

Em paralelo, a província de Buenos Aires, com uma dívida de 7,148 bilhões de dólares (41 bilhões de reais), também negocia com seus credores para evitar o default. Na semana passada não pagou dois vencimentos no valor total de 113 milhões (657 milhões de reais). Se chegar ao dia 26 sem um acordo com os donos de bônus, o default será oficial. Os analistas consideram, de qualquer modo, que o resultado será o mesmo ao Governo nacional e à província de Buenos Aires, porque as negociações estão coordenadas: ou ambos se acertam com os credores, ou ambos caem na suspensão de pagamentos e no litígio com os donos de sua dívida.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_