Coronavírus

Mortalidade pelo coronavírus de Wuhan cai pela primeira vez a 2% das pessoas afetadas

Especialistas atribuem redução à maior detecção de casos leves e à melhora no atendimento hospitalar

O Centro Internacional de Exposições de Wuhan, transformado em hospital para pacientes com sintomas de coronavírus.
O Centro Internacional de Exposições de Wuhan, transformado em hospital para pacientes com sintomas de coronavírus.CHINA DAILY / REUTERS

A mortalidade causada pelo novo coronavírus de Wuhan caiu na quinta-feira a menos de 2% do total de casos diagnosticados, de acordo com o boletim diário divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). É a primeira vez que isso acontece desde o início do surto, em 23 de janeiro.

Mais informações

O pico da mortalidade foi atingido em 25 de janeiro, com 3,11% (1.320 afetados e 41 mortos), e desde então a taxa vinha apresentando um declínio suave, mas sustentado, que levou ao índice de 1,99%. A OMS estimou na quinta-feira à noite que há 28.276 pacientes diagnosticados e 564 mortes (números que as autoridades chinesas atualizaram nesta sexta-feira para 31.211 e 637, respectivamente). A taxa de mortalidade indica qual percentual de pacientes morre de complicações causadas pelo vírus.

Especialistas atribuem esse declínio a dois fatores principais. “O primeiro é que, no início de uma nova epidemia, casos graves são os primeiros a chamarem a atenção, enquanto os leves passam despercebidos. Isso significa que a mortalidade registrada nos primeiros dias é maior ”, explica Santiago Moreno, chefe do serviço de doenças infecciosas do Hospital Ramón y Cajal, de Madri.

O segundo, previsivelmente com um impacto menor, deve-se ao fato de que "à medida que mais informações sobre o vírus e a doença ficam disponíveis, mesmo se não houver tratamento específico, é possível melhorar o atendimento aos pacientes e as medidas de preservação da vida, o que melhora a sobrevivência ”, acrescenta Moreno.

Para Pere Godoy, presidente da Sociedade Espanhola de Epidemiologia (SEE), "o previsível é que esse declínio relativo seja mantido, embora ainda estejamos longe de atingir o auge das pessoas contaminadas, e os números continuarão a crescer significativamente em termos absolutos". "Podemos esperar que os casos continuem dobrando a cada semana por um tempo", prevê ele.

Luis Enjuanes, diretor do laboratório de coronavírus do Centro Nacional de Biotecnologia (CNB-CSIC), traz uma terceira causa que também pode estar influenciando, embora seja um “processo que atua mais em médio prazo”. “Novos vírus tendem a reduzir sua letalidade ao longo do tempo. Os mais virulentos matam seu hospedeiro mais rapidamente e, portanto, têm menos chance de transmissão. Com os menos virulentos, que permitem que uma pessoa infectada continue de uma maneira ou de outra tocando sua vida e espalhando-os, o oposto é verdadeiro. Com o tempo, os menos virulentos tendem a prevalecer ”, explica ele.

Segundo Enjuanes, “embora esse processo seja geralmente mais perceptível em médio prazo, o que também acontece quando um vírus salta de uma espécie para outra, como visto na SARS e na MERS [síndromes respiratórias], é que ele sofre uma mutação muito rápida para terminar de se adaptar ao novo hospedeiro, e isso também pode afetar simultaneamente sua atenuação.” Para Enjuanes, ambos os processos são favorecidos na atual epidemia porque “o número de transmissões está sendo muito alto”.

Esses fatos esclarecem as diferentes taxas de mortalidade registradas até o momento de acordo com a área geográfica: quanto mais distante o local do epicentro da epidemia, menos letal é o coronavírus. Em Wuhan, as mortes se aproximam de 1 em cada 20 pacientes, uma proporção que cai quase à metade nas demais províncias chinesas, de acordo com dados fornecidos oficiais. Fora do país, por outro lado, a OMS (que inclui dados de Taiwan como parte da China) indica apenas um morto entre 2.160 infectados na noite de quinta-feira.

“Com os serviços de saúde em alerta, quanto mais você distante você estiver de Wuhan, mais e melhores estudos de vínculos epidemiológicos serão feitos antes da chegada de qualquer novo caso. Isso permite, como visto na Alemanha, detectar pacientes com sintomas leves ou muito leves que em Wuhan certamente não são identificados ”, explica Godoy.

Essa tendência também é observada nos dados divulgados pela OMS sobre a porcentagem de pessoas contaminadas que sofrem de insuficiências respiratórias graves, que passaram de 21,5% do total no último 28 de janeiro para 13,7% na quinta-feira, mantendo uma tendência sustentada de queda.

A diretora de doenças emergentes e zoonoses da OMS, Maria Van Kerkhove, já antecipou em 4 de janeiro, após a reunião do conselho executivo da agência, que as "porcentagens [de letalidade] devem ser usadas com cautela, pois é previsível que a mortalidade mude com o tempo. ”

Van Kerkhove disse que, nestes estágios iniciais da epidemia, o número real de pessoas afetadas é “desconhecido”, dada a impossibilidade de detectar todos os casos, principalmente os mais brandos. A detecção de pacientes com menos sintomas – o que reduz a taxa de mortalidade ao aumentar o número total de pessoas afetadas – “cresce à medida que os meios de vigilância e diagnóstico aumentaram ”, acrescentou.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50