China confirma a morte do médico que alertou sobre o coronavírus após horas de confusão

Veículos chineses e a OMS relataram sua morte, mas em meio à comoção nas redes sociais, hospital disse que ele estava vivo. O centro finalmente ratificou sua morte

O oftalmologista Li Wenliang, morte pelo coronavírus de Wuhan.
O oftalmologista Li Wenliang, morte pelo coronavírus de Wuhan.


Mais informações

Li Wenliang, o oftalmologista que, juntamente com outros sete médicos, foi o primeiro a dar o alerta sobre o novo coronavírus e acabou ficando doente, morreu, como finalmente confirmaram o hospital de Wuhan em que ele foi internado e a imprensa estatal chinesa. A morte foi ratificada após horas de confusão no país, porque à tarde seu óbito foi anunciado, mas, horas depois, no meio de uma onda de manifestações de dor e raiva nas redes sociais, as autoridades do país disseram que, embora o médico tivesse sofrido uma parada cardíaca, ainda estava vivo e conectado a um respirador artificial. Li Wenliang terminou seus dias se tornando um herói nacional depois de ser retaliado por “espalhar boatos”.

De acordo com o Hospital Central de Wuhan, Li sofreu uma parada cardíaca por volta das 21h30. Mas havia sido conectado a uma máquina de ECMO (oxigenação por membrana extracorpórea), um sistema que sopra ar nos pulmões e bombeia sangue pelo sistema circulatório, de modo que ainda estava vivo, sustentado artificialmente.

Com esse anúncio, o hospital conseguiu impedir o fluxo de luto, em níveis incomuns na China, por um médico que se tornara um herói nacional. Um herói cuja morte, ainda jovem e sem problemas de saúde anteriores aparentes ―um perfil muito diferente do que as autoridades descrevem como a vítima mais comum do vírus, pessoas com mais de 70 anos com outras doenças prévias― poderia gerar uma reação popular que coloca em risco a prioridade sacrossanta para o regime chinês: a estabilidade social. Finalmente, o hospital anunciou que, desta vez sim, ele havia morrido.

O médico de 34 anos, casado, com um filho e outro a caminho, escreveu uma mensagem em 30 de dezembro em um grupo de ex-colegas de faculdade nas mídias sociais. Como ele explicou, sete pacientes foram internados no hospital em Wuhan, todos com sintomas muito semelhantes à SARS, a epidemia causada por outro coronavírus que matou quase 800 pessoas em 2003. Li também apontou que os sete pacientes tinham algum tipo de relacionamento com o mercado de frutos do mar de Huanan, onde todos os tipos de animais silvestres também eram vendidos e que mais tarde seria identificado como o local onde a infecção era transmitida aos seres humanos.

Quando ele escreveu a mensagem, Li não tinha a intenção de disseminar as informações além do seu círculo de amigos. Ele simplesmente pediu a seus ex-colegas de classe que fossem cuidadosos e avisassem suas famílias. Mas alguém do grupo começou a espalhá-lo e as redes fizeram o resto. Quatro dias depois, ele recebeu uma visita da polícia: foi acusado de “espalhar boatos”, uma acusação que na China pode significar até sete anos de prisão. Sete outros médicos também receberam a mesma acusação.

No seu caso, Li teve que ir à delegacia e assinar um comunicado no qual admitiu sua culpa e prometeu não reincidir antes de poder voltar para casa.

Em 8 de janeiro, ele tratou uma paciente com glaucoma no hospital, sem saber que ela estava portando o vírus. No dia 10, ele começou a se sentir mal, com os sintomas causados ​​por esse patógeno: dor de garganta, tosse seca, febre, falta de ar. Depois de dois dias, ele teve que ser internado em um hospital, onde continuou a piorar.

Finalmente, em 1º de fevereiro, ele recebeu o diagnóstico. Sofreu a pneumonia atípica que o vírus pode causar, algo que ele próprio foi responsável por comunicar em sua conta Weibo, o Twitter chinês. “Hoje o teste de ácido nucleico chegou com um resultado positivo. O dado é lançado, finalmente diagnosticado ”, ele escreveu.

O caso de Li alimentou a fúria de um público chinês que, desde o bloqueio de Wuhan e de outras quinze cidades em Hubei, a província mais afetada pela epidemia, critica fortemente a administração da crise pelas autoridades.

Se o público tivesse sido autorizado a ouvir as queixas dos oito médicos, o clamor nas redes lamentava, os cidadãos poderiam ter tomado precauções. E se as autoridades locais, em vez de silenciá-los, tivessem prestado atenção neles, teriam sido forçadas a tomar medidas que teriam retardado a propagação da doença antes. Agora, o vírus já matou mais de 600 pessoas e infectou mais de 28.000 na China e em cerca de trinta países.

Na semana passada, o próprio Supremo Tribunal da China provou que as críticas estavam certas. A Corte emitiu uma opinião na qual criticou muito o comportamento da polícia. Como alegou, eles deveriam ter permitido que o aviso dos médicos circulasse. Embora não fosse 100% verdade ―embora relacionado, o novo coronavírus é diferente da causa da SARS―, permitiria à população cuidar de si mesma usando máscaras ou evitando multidões.

Do leito do hospital, e ao receber milhares de mensagens de agradecimento e incentivo de inúmeros usuários da Internet por meio de redes sociais, ele enviou breves textos de tranquilidade em Weibo: não haviam retirado sua licença como resultado da denúncia, tampouco seria denunciado à polícia. Lhe bastava que soubessem a verdade.

Nesta quinta-feira, o oftalmologista sofreu uma insuficiência cardíaca que levou numerosos meios de comunicação chineses a anunciar sua morte. A Organização Mundial da Saúde (OMS) foi rápida em prestar homenagem. Em um tweet, se declarou "profundamente triste com a morte do Dr. Li Wenliang. Todos devemos celebrar o trabalho que ele fez no #2019-nCoV.”

No WeChat, o WhatsApp chinês, entre outras redes sociais, também se multiplicaram tributos de cidadãos para o médico, em uma onda sem precedentes em número, tristeza e raiva. "Isso é terrível. Realmente é uma morte que não deveria ter acontecido. Era tão jovem. Sinto muito”, comentou um internauta que se identificou como “Ai Dandan”. “Dessa vez, a bandeira vermelha de cinco estrelas [a chinesa] está em dívida com você”, comentou outro.

Após o anúncio do hospital, as mensagens de dor foram trocadas por outras de incentivo. Embora alguns já parecessem antecipar um anúncio da morte no futuro, quando essa possibilidade havia penetrado a população e a reação da opinião pública foi, previsivelmente, menos irritada: “Lembre-se mais tarde como nos sentimos agora”, disse um usuário das redes. Ao amanhecer na China, a onda de mensagens de luto retornou após a confirmação da morte de Li Wenliang, também confirmada no Weibo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: