Copa América

Em meio à fuga de patrocinadores da Copa América, Tite convoca seleção que jogará torneio no Brasil

Com exceção de Rodrigo Caio, que dá lugar a Thiago Silva recuperado de lesão, selecionados são os mesmos que enfrentaram Equador e Paraguai e divulgaram texto cheio de lacunas para expressar insatisfação contra o torneio sul-americano

Tite anunciou os convocados para a Copa América nesta quarta-feira.
Tite anunciou os convocados para a Copa América nesta quarta-feira.Lucas Figueiredo HANDOUT / EFE

Mais informações

O treinador da seleção brasileira, Tite, divulgou na tarde desta quarta-feira, 9 de junho, os 24 jogadores que defenderão o Brasil na Copa América 2021, realizada no país a partir do próximo domingo, 13 de junho. Com exceção de Rodrigo Caio —que dá lugar a Thiago Silva, recuperado de lesão—, os convocados são os mesmos que integraram a delegação nos dois jogos mais recentes das Eliminatórias, contra Equador e Paraguai, e divulgaram um manifesto político superficial, mas que expressa a insatisfação com a organização do torneio sul-americano. O anúncio também é feito no mesmo dia em que a Conmebol viu dois patrocinadores desistirem de expor suas marcas nesta edição da Copa América.

Os jogadores são os mesmos que fizeram parte da delegação que venceu o Equador em Porto Alegre por 2 a 0, com gols de Richarlison e Neymar, e o Paraguai em Assunção, também por 2 a 0, com Neymar e Lucas Paquetá marcando. Thiago Silva estava no grupo para estes jogos mas, com uma lesão, acabou substituído por Rodrigo Caio. Agora que o veterano zagueiro (o mais velho entre os escolhidos) se recuperou, volta a ocupar o lugar de Rodrigo. Os únicos times brasileiros representados são Flamengo, com Everton Ribeiro e Gabigol, e Palmeiras, com o goleiro Weverton. O mais novo entre os escolhidos é Vinicius Junior, esperança do Real Madrid de apenas 20 anos, e a maior estrela segue sendo Neymar, que chega ao torneio envolto em uma denúncia de assédio sexual feita por uma funcionária da Nike —empresa que, inclusive, é uma das patrocinadoras da seleção brasileira. O caso, que teria acontecido em 2016, motivou o rompimento de contrato de Neymar e a marca esportiva em 2020. Segundo a Nike, a rescisão de contrato aconteceu porque o atacante não teria colaborado com as investigações, algo que o staff do camisa 10 nega.

Nesta mesma quarta-feira em que a convocação final foi anunciada, dois patrocinadores da Copa América anunciaram que não estamparão suas marcas na edição de 2021 do torneio: a Mastercard e a Ambev. As empresas ainda têm contrato com a Conmebol e não divulgaram justificativas oficiais, mas as decisões acontecem após o torneio receber várias críticas por ser viabilizado no país mais atingido pela covid-19 no continente.

Os últimos dias foram conturbados no ambiente interno da seleção. A insatisfação com a realização da Copa América no Brasil, questionada por especialistas e celebrada pelo Governo federal, foi levantada pelos próprios jogadores e comissão técnica, o que gerou críticas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro ao treinador Tite. O presidente da CBF, Rogério Caboclo, ainda foi afastado do cargo após denúncia de assédio sexual. Por fim, os atletas quiseram colocar um ponto final ao externar um manifesto político em conjunto após a vitória contra o Paraguai, no qual dizem que “somos contra a organização da Copa América, mas nunca diremos não à seleção brasileira”, confirmando a participação no campeonato. O texto, que é cheio de lacunas e subentendidos, não menciona a pandemia de covid-19 e rechaça a presença de uma “discussão política” sobre o assunto.

Os atletas chegaram nesta manhã a São Paulo e têm dois dias de folga antes de se apresentarem à concentração em Teresópolis, no Rio de Janeiro, onde se prepararão para as partidas. A essa altura, apenas uma sinalização contrária do Supremo Tribunal Federal (STF) impediria a Copa América no Brasil. A corte marcou uma sessão extraordinária para debater o assunto nesta quinta-feira, 10 de junho. Caso autorizado pelo Supremo, o torneio começa no próximo domingo, 13 de junho, com Brasil x Venezuela às 18h (horário de Brasília), em Brasília.

Confira a lista de convocados:

Goleiros

Alisson - Liverpool (ING)

Ederson - Manchester City (ING)

Weverton - Palmeiras

Laterais

Alex Sandro - Juventus (ITA)

Danilo - Juventus (ITA)

Emerson - Barcelona (ESP)

Renan Lodi - Atlético de Madrid (ESP)

Zagueiros

Éder Militão - Real Madrid (ESP)

Felipe - Atlético de Madrid (ESP)

Marquinhos - Paris Saint-Germain (FRA)

Thiago Silva - Chelsea (ING)

Meio-campistas

Casemiro - Real Madrid (ESP)

Douglas Luiz - Aston Villa (ING)

Everton Ribeiro - Flamengo

Fabinho - Liverpool (ING)

Fred - Manchester United (ING)

Lucas Paquetá - Lyon (FRA)

Atacantes

Everton - Benfica (POR)

Gabriel Barbosa - Flamengo

Gabriel Jesus - Manchester City (ING)

Neymar - Paris Saint-Germain (FRA)

Richarlison - Everton (ING)

Roberto Firmino - Liverpool (ING)

Vinicius Junior - Real Madrid (ESP)

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50