Britney Spears

Tutela de Britney Spears envolve o controle de 60 milhões de dólares e um advogado imposto

Gestão das finanças da cantora permite que seu pai ganhe quase 80.000 reais por mês, enquanto limita os gastos da sua filha a 10.000. Entenda os pontos-chaves do acordo que a artista luta para anular

À esquerda, Jamie Spears, o pai de Britney Spears. À direita, a cantora.
À esquerda, Jamie Spears, o pai de Britney Spears. À direita, a cantora.AP

Mais informações

Foram apenas 23 minutos. Foi o tempo que Britney Spears levou para descrever o horror que viveu durante 13 anos. A estrela do pop irrompeu em 1999 com um álbum de ingenuidade picaresca em tons pastel que a levou ao topo do gênero. E na quarta-feira passada essa inocência acabou. Seu relato a uma juíza revelou os segredos mais íntimos de uma celebridade que vive assediada pelas câmeras dos paparazzi. Nenhuma lente fotográfica poderia captar a dimensão do drama que a artista de 39 anos sofre desde 2008 sob uma tutela forçada que recai nas mãos de seu pai, Jamie Spears, um fiduciário e uma gestora pessoal, Jodi Montgomery. Quando Britney terminou seu depoimento, não havia olhos sem lágrimas em frente ao Fórum Stanley Mosk, no coração de Los Angeles.

“Honestamente, tudo o que ela disse me deixou em choque”, confessa Júnior Olivas, uma das 120 pessoas que compareceram na quarta-feira aos arredores do fórum para escutar o depoimento, transmitido em alto-falantes. “Fiquei sabendo que ela tinha um DIU para impedir que engravidasse e que seus tutores não a deixavam ir ao médico para retirá-lo”, diz Olivas, que se considera um ativista pela causa do fim da custódia imposta a Spears pela Justiça 13 anos. Foi a própria cantora quem solicitou a audiência para expor sua situação. “Eu gostaria de ficar falando com você ao telefone para sempre, porque assim que desligar, de repente tudo o que ouvirei será ‘não, não e não’. Vão se organizar contra mim e me sentirei assediada e abandonada. E estou cansada de me sentir sozinha”, disse Spears por telefone à juíza.

“Este caso é inédito”, afirma o advogado Luis Carrillo. “A grande maioria das pessoas que está sob tutela tem demência ou uma idade avançada”, considera o especialista. Em fevereiro de 2008, um juiz da Califórnia concedeu ao pai de Spears, a pedido dele mesmo, o controle das finanças da cantora e de sua vida pessoal, depois de que a estrela do pop foi internada duas vezes para exames psiquiátricos e por abuso de substâncias. A relação entre a artista e seu progenitor, de 68 anos, sempre foi muito problemática. Desde 2014, a cantora lutou por se livrar da custódia a seu pai, que soma dois divórcios e teve problemas com o álcool e acusações de maus-tratos. Em agosto de 2019, o próprio Jamie alegou problemas de saúde para se retirar dos assuntos pessoais da tutela de sua filha, mas continua controlando o dinheiro e as propriedades, uma fortuna que supera os 60 milhões de dólares (quase 300 milhões de reais). O acordo permite a seu pai receber 16.000 dólares mensais (cerca de 80.000 reais) como salário, enquanto limita o gasto de sua filha a 2.000 dólares (10.000 reais).

Britney Spears comunicou na quarta-feira com clareza uma única mensagem: quer que a tutela acabe de uma vez por todas. Suas dramáticas palavras foram ouvidas pelo mundo todo. Os celulares, câmeras e computadores estavam proibidos na sala. As gravações também estavam vedadas. O apelo de Spears, porém, foi mostrado quase ao vivo por mídias de todo o mundo. Horas depois, o áudio tinha chegado às redes sociais, e a transcrição de sua fala estava nas mesas das redações. “Por saúde mental, necessito que sua excelência me permita dar uma entrevista, que escutem o que ele tem feito comigo. Tenho o direito de usar minha voz... Sinceramente, preciso tirar isto do coração, a tristeza e tudo o que aconteceu”, suplicou a cantora.

Ativistas do movimento Free Britney em frente ao tribunal que analisa seu caso, em Los Angeles.
Ativistas do movimento Free Britney em frente ao tribunal que analisa seu caso, em Los Angeles. Zuma / SplashNews.com / GTRES

Spears se desvinculou de seu próprio depoimento judicial de 2019 a portas fechadas, quando apresentou algumas queixas e pediu alguns ajustes no acerto. “É por isso que estou dizendo tudo isto dois anos depois de ter mentido a todo o mundo e dito ‘estou bem e estou feliz’. É uma mentira... Estive em negação. Em choque. Estou traumatizada, mas agora estou dizendo a verdade. Não estou contente, não consigo dormir. Estou muito irritada e deprimida. Choro todos os dias”, disse Spears à juíza Brenda Penny, depois de detalhar como era obrigada a fazer shows, frequentar terapias e se internar em centros de reabilitação contra sua vontade. A cantora disse que não tinha contou isso antes à justiça porque tinha vergonha. A magistrada lhe agradeceu pela coragem do seu relato.

O advogado Carrillo explica que agora Spears deve apresentar uma moção para revogar totalmente a tutela. “A juíza tem a última palavra”, diz o advogado, especialista em direito civil. “Para que a custódia termine, são necessárias provas de profissionais ou médicos”, acrescenta. Este ponto pode ser problemático para o futuro do caso. Britney solicitou à juíza que a tutela “acabe sem que tenha que ser avaliada”. “Investiguei, excelência, e há muitos juízes que põem fim às tutelas sem que as pessoas sejam revisadas o tempo todo”, disse a cantora. Carrillo explica que a artista pode apresentar médicos e especialistas que atestem a seu favor. As leis da Califórnia, porém, permitem ao tribunal enviar a um perito para falar com ambas as partes interessadas e então apresentar uma visão objetiva ao julgador.

Britney Spears não tem a melhor defesa possível. Esse é apenas mais um exemplo das muitas coisas que estão fora de seu controle graças à tutela. Samuel Ingham, seu advogado, foi nomeado pelo tribunal. Ele não apresentou o pedido de suspensão da custódia, apesar de Spears manifestar desconforto com o acordo desde 2014. “Desenvolvi uma relação especial com o Sam. Falo com ele três vezes por semana agora, mas não tive a oportunidade de escolher meu próprio advogado. E eu gostaria de fazê-lo”, disse Spears na quarta-feira. Os especialistas consideram que esta é uma das primeiras concessões que a juíza poderia fazer a favor da cantora. Um sinal de que o caso avança para sua liberdade.

Júnior Olivas atribui o que aconteceu nesta semana em parte a Framing Britney Spears, um documentário decisivo para o caso que o The New York Times apresentou em fevereiro, valendo-se de depoimentos de pessoas próximas à artista que punham em dúvida a eficiência da tutela para uma mulher de 39 anos que já mostrou estabilidade em sua vida pessoal e profissional. O média-metragem gerou um entusiasmado movimento social, o #FreeBritney, tendo como base os fãs da estrela, que não lança um disco há meia década. “O movimento e o documentário deram a Britney esperança, força e coragem! Agora ela sabe que não está sozinha nesta batalha. O documentário a humanizou e agora ela tem o mundo inteiro lhe pedindo perdão. Acho que ela sente o amor que há por ela aqui fora”, diz Olivas.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50