Rosana Pinheiro-Machado estreia coluna no EL PAÍS: “Quero ampliar o entendimento sobre o crescente autoritarismo e as formas de resistência”

Antropóloga e professora da Universidade de Bath, no Reino Unido, é autora de ‘Amanhã vai ser maior’, sobre os protestos e movimentos de resistência no Brasil

A nova colunista do EL PAÍS, Rosana Pinheiro-Machado.
A nova colunista do EL PAÍS, Rosana Pinheiro-Machado.Renata Fetzner
Mais informações

Rosana Pinheiro-Machado, professora de desenvolvimento internacional da Universidade de Bath, no Reino Unido, estreia como colunista do EL PAÍS. Premiada no Brasil e no exterior por sua pesquisa acadêmica, a antropóloga já era uma voz frequente no jornal ―com ela, analisamos o movimento dos rolêzinhos, em 2014, e as nuances da ascensão do bolsonarismo, em 2018, por exemplo. Agora, como colunista, ela diz que seu objetivo é “ampliar o entendimento tanto do crescente autoritarismo quando das formas de resistência” no mundo.

Pinheiro-Machado lidera, no momento, uma pesquisa sobre a direita radical no sul global que se transformará em livro. “É urgente que nós brasileiros olhemos, para além dos limites do trumpismo, para a experiência do sul global: para o modismo na Índia, o dutertismo nas Filipinas e a ressurgência da supremacia branca na África do Sul, só para iniciar a conversa”, afirma a professora, que já lecionou na Universidade de Oxford, também no Reino Unido.

A autora de Amanhã vai ser maior: o que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual (Planeta, 2019) direciona a análise para “as soluções e formas de resistência que já existem no mundo, para o que as mulheres estão fazendo no Chile e a na Argentina”.

Em sua primeira coluna para o EL PAÍS, Rosana Pinheiro-Machado escreve sobre as manifestações contra Jair Bolsonaro, no sábado, as mais contundentes desde que o ultradireitista chegou ao poder: “É emblemático que os muitos cartazes diziam ‘estamos vivos’, especialmente porque grande parte de quem foi para as ruas foi justamente aquele que se isolou, quem perdeu amigos e familiares sabendo da importância de alguma forma de lockdown. Não foi uma escolha fácil. Muitas pessoas que não colocaram o nariz para fora de casa nos últimos meses sentiram que precisavam apoiar o ato para dizer que, apesar de tudo, estamos politicamente vivos.”

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: