Crise no Ministério do Turismo expõe empenho do Governo Bolsonaro na eleição da Câmara

Suspeito de participar de esquema com ‘laranjas’, Marcelo Álvaro Antônio deixou a pasta. Mas por um motivo mais trivial do que denúncias de corrupção: o rearranjo de alianças do presidente

Presidente Jair Bolsonaro, acompanhado pelos ministros do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (C), e da Casa Civil, Braga Neto, durante o lançamento da retomada do turismo no Palácio do Planalto, em 10 de novembro.
Presidente Jair Bolsonaro, acompanhado pelos ministros do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (C), e da Casa Civil, Braga Neto, durante o lançamento da retomada do turismo no Palácio do Planalto, em 10 de novembro.Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (Agência Brasil)
Rodolfo Borges
São Paulo -
Mais informações
O líder do Progressistas na Câmara, Arthur Lira. Ele é um dos principais articuladores do centrão.
Centrão já administra 73 bilhões de reais no Governo Bolsonaro
President of Brazil's Lower House Rodrigo Maia greets President of Brazil's Senate Davi Alcolumbre during an opening session of the Year of the Legislative in Brasilia, Brazil February 3, 2020. REUTERS/Adriano Machado
STF impede drible na Constituição e barra reeleição de Maia e Alcolumbre para o comando do Congresso
The President of the Chamber of Deputies, Rodrigo Maia, walks through the National Congress, in Brasilia, Brazil, on March 17, 2020. 
The Brazilian National Congress adopted measures to prevent the spread of covid-19 and restricted the number of people who can circulate in the Legislative House. (Photo by Andre Borges/NurPhoto via Getty Images)
Decisão do STF pulveriza disputa na Câmara e joga holofotes em preferido de Bolsonaro e nome da Igreja Universal

Marcelo Álvaro Antônio já assumiu o posto de ministro do Turismo sob suspeita. Uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo o apontou, logo no início do Governo Bolsonaro, como participante de um esquema de desvio de recursos do fundo eleitoral, por meio de candidaturas de mulheres que serviam de laranjas. O caso ganhava o noticiário vez ou outra, como quando Álvaro Antônio foi indiciado pela Polícia Federal por conta dessa suspeita, em outubro de 2019 mas, apesar das especulações, o ministro seguiu inabalável no cargo até esta quarta-feira, quando deixou o Governo. A decisão do presidente Jair Bolsonaro foi antecipada por um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). E a demissão ocorreu por um motivo mais prosaico do que denúncias de corrupção: a política de Brasília.

Em meio à disputa para a sucessão nas presidência da Câmara e do Senado, o Governo Bolsonaro arregimenta forças partidárias que possam favorecê-lo dentro do Congresso Nacional. A busca para abrir espaço para novos aliados na cúpula do Palácio do Planalto gerou atritos entre Marcelo Álvaro Antônio e o ministro Luiz Eduardo Ramos, chefe da Secretaria de Governo, como revelaram conversas por mensagens em um grupo de WhatsApp vazadas. “Não me admira o Sr Ministro Ramos ir ao PR [presidente da República] pedir minha cabeça, a entrega do Ministério do Turismo ao Centrão para obter êxito na eleição da Câmara dos Deputados”, diz um trecho da mensagem, revelada pela CNN Brasil. “Ministro Ramos, o Sr é exemplo de tudo que não quero me tornar na vida, quero chegar ao fim da minha jornada EXATAMENTE como meus pais me ensinaram, LEAL aos meus companheiros e não um traíra como o senhor”, segue a mensagem.

A mensagem escancara não apenas o receio do ministro de perder o cargo, mas o empenho do Governo na sucessão da Câmara ―empenho sobre o qual o presidente tem desconversado publicamente. Após o Supremo Tribunal Federal (STF) referendar o impedimento constitucional à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e David Alcolumbre (DEM-AL) na Câmara e no Senado, respectivamente, o nome do deputado Arthur Lira (PP-AL), favorito de Bolsonaro, vai arregimentando apoios. A maioria da bancada do PSB (18 de 30 deputados), por exemplo, manifestou apoio ao progressista nesta quarta-feira. Do outro lado do ringue, Maia, presidente cessante da Câmara, promete promover uma candidatura pela “independência” da Casa legislativa.

Como de costume no Governo Bolsonaro, a confirmação da troca no Ministério do Turismo veio por canais informais. “Desejo boa sorte a Gilson Machado, que vinha fazendo bom trabalho como Presidente da Embratur e agora se torna novo Ministro do Turismo. Que Deus o ilumine nessa nova jornada”, escreveu o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em seu perfil no Twitter, passando à frente o Diário Oficial, que, apesar de todas as especulações e notícias de bastidor sobre a queda de Marcelo Álvaro Antônio, não confirmava a saída até a noite desta quarta-feira ―assim como o próprio Ministério do Turismo. A confirmação oficial veio apenas nesta quinta-feira.

O futuro ministro do Turismo ficou conhecido popularmente por tocar sanfona ao lado de Bolsonaro durante suas lives de Facebook das quintas-feiras. Não está certo, contudo, se o posto será ocupado de forma definitiva por Machado, já que o posto, pelo que expôs a mensagem enviada pelo ministro demissionário a Ramos, estaria sendo cobiçado pelo Centrão.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS