Eleições Brasil 2020

Covas tem 58,1% dos votos válidos contra 41,9% de Boulos na corrida de São Paulo, aponta Atlas Político

Pesquisa fechada na quarta não capta reveses recentes para campanha tucana nem diagnóstico de covid-19 de esquerdista, adverte CEO da consultoria. “É extremamente difícil, mas não impossível uma virada”, diz Andrei Roman

O prefeito Bruno Covas.
O prefeito Bruno Covas.Sebastiao Moreira / EFE

Mais informações

Cerca de 16 pontos percentuais separam Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) na contabilidade de votos válidos na corrida pela Prefeitura de São Paulo. O dado é da pesquisa Atlas Político divulgada nesta sexta-feira, cujas entrevistas foram feitas com os eleitores entre 20 e 25 de novembro, na quarta-feira. No levantamento, Covas aparece com 44,4% das intenções de voto contra 32% de Boulos (ou 58,1% contra 41,9% nos votos válidos), com margem de erro de dois pontos percentuais.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Há volatilidade na reta final de campanha. O candidato do PSOL acaba de anunciar que está com covid-19, por exemplo, o que levou ao cancelamento do debate mais nobre, o da TV Globo, que aconteceria nesta sexta-feira. Sobre o levantamento do Atlas, o CEO da consultoria, Andrei Roman, adverte que as entrevistas podem não ter captado um movimento ainda em andamento que é negativo para campanha de Bruno Covas nas últimas horas. Um deles é a exploração, pela campanha esquerdista, da figura de seu vice, Ricardo Nunes (MDB), que já foi acusado pela atual mulher de violência doméstica no passado. O outro revés foi a suposta distribuição de cestas básicas ligada aos tucanos ―o atual prefeito nega envolvimento com cena, registrada num vídeo amador que viralizou nesta quinta-feira, que mostra a entrega de comida próximo a um carro de campanha de Covas.

“É extremamente difícil, mas não impossível uma virada de Boulos”, diz Roman. Para ele, outro fator na eleição de domingo será a taxa de abstenção. “Tem toda questão da pandemia que faz com que o eleitorado mas velho de Celso Russomanno ou Márcio França, que vota bem mais a favor do Covas que do Boulos, possa não comparecer na mesma proporção em que foram as urnas no primeiro turno”, diz o analista. Russomanno teve 10,5% dos votos válidos no primeiro turno. Já França teve 13,6%.

O Atlas Político entrevistou 2.000 pessoas em questionários aleatórios via Internet, calibrados por um algoritmo de acordo com as características do eleitorado de São Paulo. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o número SP-01322/2020.

Mais informações