Deputado bolsonarista é condenado a pagar indenização por expor dados de mulher em dossiê

À Justiça, Douglas Garcia afirmou que Eduardo Bolsonaro encaminhou nomes e endereços de supostos antifascistas à embaixada dos EUA. Representação norte-americana não comentou

Eduardo Bolsonaro durante protesto pró-armas em Brasília, em julho de 2020.
Eduardo Bolsonaro durante protesto pró-armas em Brasília, em julho de 2020.ADRIANO MACHADO (Reuters)

O deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP), acusado de ser autor de um dossiê para expor dados como nomes e endereços de supostos militantes antifascistas, afirmou à Justiça que Eduardo Bolsonaro entregou à embaixada dos Estados Unidos uma cópia do documento, segundo o portal UOL. Garcia é um dos principais aliados de Bolsonaro na Assembleia Legislativa estadual, e foi condenado na semana passada a pagar indenização de 20.000 reais a uma mulher que teve seus dados expostos no dossiê. Ele também é investigado no inquérito das fake news que tramita no Supremo Tribunal Federal, e foi expulso do PSL —partido que elegeu Bolsonaro— por disseminar notícias falsas. A declaração que envolve o filho do presidente da República foi dada à Justiça de São Paulo. Até a publicação desse texto, a representação dos EUA no Brasil ainda não havia se pronunciado a respeito.

Mais informações
An anti-Brazilian President Jair Bolsonaro football fan protests against him at Paulista Avenue in Sao Paulo, Brazil, on May 31, 2020, amid the COVID-19 novel coronavirus pandemic. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP)
Lista de nomes ‘antifascistas’ cria clima de tensão e resistência às vésperas de novo ato pró-democracia
(FILES) In this file photo a protestor gestures as cars burn behind him during a demonstration in Minneapolis, Minnesota, on May 29, 2020 over the death of George Floyd, a black man who died after a white policeman kneeled on his neck for several minutes. - The body of an unidentified man was found early May 31, 2020 near a burning vehicle in Minneapolis, police in the protest-rocked northern US city said.
Police spokesman John Elder said the body showed obvious signs of trauma, and the death was under investigation by the city's homicide unit.It was unclear if it was related to protests that have swept the city since the death on Monday of George Floyd, an unarmed black man whose death in police custody has ignited nationwide unrest. (Photo by CHANDAN KHANNA / AFP)
Antifa: nem terrorista nem organização
AME3455. SÃO PAULO (BRASIL), 31/05/2020.- Partidarios y detractores del presidente brasileño Jair Bolsonaro, se enfrentaron este domingo en medio de unas violentas protestas que dejaron varios heridos en Sao Pablo (Brasil). Grupos partidarios y detractores del presidente brasileño, Jair Bolsonaro, se enfrentaron este domingo en violentos disturbios que mezclaron las crisis política y sanitaria que vive Brasil, uno de los países más afectados por el COVID-19. EFE/Fernando Bizerra
Explícito nas ruas, bolsonarismo neofascista se inspira em extremismo e anticomunismo da Ucrânia

Em seu depoimento Garcia tentou colar nos manifestantes antifascistas o rótulo de criminosos: “Os grupos subversivos e violentos ‘antifas’ atuam em diversos países e, em todos eles seguem o mesmo modus operandi, que consiste no uso de violência e outros crimes para intimidar, calar e eliminar fisicamente grupos ou indivíduos não alinhados à sua visão política”. O juiz do caso, no entanto, afirmou que o deputado não apresentou provas de que as pessoas listadas no dossiê tenham cometido crime algum.

O dossiê veio à tona no início de junho. Um PDF com mais de 900 páginas e centenas de nomes de pessoas que seriam antifascistas foi divulgado na Internet, com endereços, fotos e link para perfis nas redes sociais. Alguns dos mencionados foram incluídos na lista por terem participado protestos ou se manifestado nas redes sociais contra Jair Bolsonaro. O documento foi divulgado um dia após Garcia gravar um vídeo segurando uma pilha de folhas de papel, que aparenta ser o dossiê, e estimulando seus seguidores a denunciarem antifascistas. “Se você conhece o nome completo de algum autodenominado ‘antifascista’ e possui provas de que ele é o que afirma ser, peço que anexe a prova ao respectivo nome completo e envie ao meu e-mail. Podem dar RT aqui sem dó, por favor”, afirmou.

Inicialmente Garcia havia afirmado em vídeo divulgado em suas redes sociais que ele mesmo enviaria o material “para a embaixada dos Estados Unidos, e para consulados americanos no nosso país para que tenham ciência [...] com nomes de pessoas em território brasileiro com suspeitas de associação e participação ativa nesses grupos”. No vídeo, em junho, ele cita que ação tem apoio de Eduardo Bolsonaro. O presidente Donald Trump também é crítico dos grupos antifascistas, e já cogitou classificá-los como organizações terroristas, como a Al Qaeda ou o Taleban, mas não está claro em que consiste essa suposta entrega de dados de brasileiros à embaixada norte-americana e se alguma autoridade dos EUA de fato chegou a receber qualquer documento.

Dias após o documento ter sido divulgado em junho, Garcia negou ser o autor do material ou o responsável por sua divulgação. “Eu não vazei dados de ninguém! Dossiê nenhum!”, disse. Sua defesa afirma que ele apenas encaminhou o material às autoridades para que tomassem “providências cabíveis” contra estas pessoas que o parlamentar, emulando Trump, classificou como terroristas.

Nesta segunda-feira Garcia se manifestou sobre o assunto, e disse se tratar de um fato “requentado”. “Faz mais de dois meses que eu falei que a ação era conjunta entre mim, Gil Diniz [deputado estadual] e Eduardo Bolsonaro. Estão requentando o quê???”, indagou. A reportagem não conseguiu entrar em contato com sua defesa. “Querem criar intriga entre nós. Meu total apoio aos deputados estaduais”, escreveu o filho do presidente.


Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS