Antifa: nem terrorista nem organização

O movimento que Trump culpa pelos distúrbios violentos é uma difusa rede de ativistas antifascistas sem uma estrutura nacional

Manifestante ergue o punho diante de carros queimados, na quarta-feira, em Minneapólis.
Manifestante ergue o punho diante de carros queimados, na quarta-feira, em Minneapólis.CHANDAN KHANNA (AFP)
Mais informações

O padrão se repete. Quando há um problema, Donald Trump procura, antes de uma solução, um culpado. Nos protestos que abalam o país há dias, ele já escolheu o alvo de seu dedo acusador: “É o Antifa e a extrema esquerda. Não culpem os outros!”, tuitou no domingo. O presidente acusa uma rede difusa de ativistas antifascistas e no domingo garantiu que irá classifica-la como organização terrorista. O presidente Jair Bolsonaro reproduziu o tuíte de Trump, e o protesto de torcidas organizadas de futebol que se definem como antifascistas contra seu Governo em São Paulo, no domingo, reforçou o debate sobre o fascismo nas redes sociais brasileiras ―após o tuíte de Bolsonaro, uma onda de opositoes e críticos se apresentam agora como “antifascistas” nas redes.

A ameaça de Trump contra o Antifa se deu depois que o procurador-geral, William Barr, que se tornou, sem disfarce algum, o braço executor da agenda mais dura do presidente, também acusou grupos de extrema esquerda pelos distúrbios que varrem o país desde a morte do afro-americano George Floyd nas mãos da polícia em Minneapolis. “Em muitos lugares”, disse Barr, “parece que a violência é planejada, organizada e dirigida por grupos extremistas anárquicos de extrema esquerda, usando táticas como as do Antifa”.

É, no mínimo, discutível a legalidade de proibir com base na ideologia atividades protegidas pela Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos. A lei dos EUA só permite aplicar a designação de terroristas para grupos estrangeiros, que não gozam da mesma proteção legal. Mas o problema de Trump não é só o fato de o Antifa não ser terrorista, mas que dificilmente pode ser definido como uma organização. Pelo contrário, é um movimento de ativistas sem uma estrutura formal que compartilham uma filosofia geral e táticas. Embora a polícia afirme que alguns ativistas antifascistas estão altamente organizados em células em nível local, o Antifa não é um grupo com liderança centralizada, uma cadeia de comando e uma estrutura definida. É impossível saber o número de membro e nem mesmo definir quando alguém é membro.

Não existe sequer um manifesto aceito em comum ou uma lista de posições, mas os militantes antifascistas compartilham causas como a luta contra o racismo, a homofobia, a xenofobia e, em geral, a proteção dos setores mais marginalizados e desfavorecidos da população. Os ativistas da Antifa estão ligados a movimentos como o Occupy e o Black Lives Matter. O primeiro foi um protesto internacional de natureza progressista contra a desigualdade, materializado na ocupação do parque Zuccotti, de Nova York, próximo à Walt Street, no segundo semestre de 2011.

O segundo, traduzido como “vidas negras importam”, ganhou relevância nacional depois da morte de dois afro-americanos em 2014, o que deu origem a protestos e distúrbios em Ferguson e Nova York. Ativistas atuando como Antifas também estiveram presentes em protestos contra a marcha Unite the Right, que reuniu grupos de extrema direita de todo o país em Charlottesville, Virgínia, em 2017, e terminou com a morte de uma manifestante antifascista.

A palavra antifa, de acordo com o dicionário Merriam-Webster, foi usada pela primeira vez em 1946, em oposição ao nazismo após o final da Segunda Guerra Mundial. Mas nos Estados Unidos o termo começou a ser mais usado nos últimos anos, para agrupar a constelação de movimentos antifascistas que surgiram após a eleição de Donald Trump em 2016, como um contrapeso à ascensão da chamada direita alternativa que contribuiu para sua eleição e que o presidente e seu ambiente incentivaram durante a campanha e também depois.

“Os antifascistas realizam investigações sobre a extrema direita na Internet, pessoalmente, e algumas vezes por meio de infiltrações; eles os expõem, informam as pessoas com as quais eles convivem para que os reneguem, pressionam seus chefes para que os demitam e pedem a espaços que cancelem seus eventos, conferências e reuniões ”, explica Mark Bray, professor de História da Universidade de Dartmouth, em seu livro Antifa: o Manual Antifascista. “Mas também é verdade que alguns deles dão socos na cara dos nazistas e não se desculpam por isso”, diz.

É impossível saber o número exato de pessoas que pertencem aos grupos Antifa, segundo Bray, porque ocultam suas atividades da polícia e da própria extrema direita. O medo de infiltração, acrescenta, faz com que os grupos sejam bem pequenos.

Os grupos Antifa, portanto, existem. Alguns deles são identificados como tais, como o Rose City Antifa, do Oregon, o mais antigo do país. Mas dificilmente se pode falar de uma organização nacional, como Trump parece sugerir. Além disso, o fato de no domingo a hashtag #IamAntifa (eu sou Antifa) ter sido tendência no Twitter indica que seria difícil diferenciar entre o apoio à causa e a participação em um suposto grupo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: