O relicário de uma pandemia

Não pode haver retorno a um “novo normal”, pois a naturalização do normal é um apagamento de injustiças, tais como a violência contra as mulheres na casa e o racismo estrutural

Cruzes e balões espalhados pela praia de Copacabana neste sábado, no Rio de Janeiro, lembram as mais de 100.000 mortes pela covid-19 no Brasil.
Cruzes e balões espalhados pela praia de Copacabana neste sábado, no Rio de Janeiro, lembram as mais de 100.000 mortes pela covid-19 no Brasil.Antonio Lacerda / EFE

A pandemia é um escândalo. Quem foi o pecador que pôs essa pedra de tropeço em nossas vidas? Não foi ninguém. Um vírus é um ninguém. Morremos em bandos, somos 100.000. Os números escandalizam, mas também distanciam o soluço dos que choram. Os 100.000 fazem a saudade estar em cada esquina, em quase toda gente conhecida ...

Mais informações