Governo segue ordem do STF e republica dados acumulados da covid-19, que já matou mais de 38.000

Bolsonaro usa manifestação dúbia da OMS para pregar fim da quarentena. Ministro interino da Saúde promete “transparência” e diz que confia em informações dos Estados

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.
O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello.ADRIANO MACHADO (Reuters)

O presidente Jair Bolsonaro decidiu transmitir ao vivo uma reunião com ministros nesta terça-feira, a primeira depois do fatídico encontro do dia 22 de abril, que virou alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal, a pedido do ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Assumindo um tom mais polido e ponderado diante das câmeras, Bolsonaro não deixou de dar seus recados em defesa da retomada econômica em meio à pandemia de coronavírus, para a “abertura de shoppings e comércio em geral” —flexibilização que já começa a acontecer nas duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro, mesmo sem sinais de estabilização da doença nos locais. O presidente se escudou na própria Organização Mundial da Saúde (OMS), que chegou levantar uma esperança de que pacientes assintomáticos da covid-19 ofereçam menos riscos de transmissão do que se imaginava. “Ontem [segunda], de forma não comprovada, a OMS informou que a transmissão por parte de assintomáticos é praticamente zero”, disse o presidente, assumindo uma cautela inusual ao dizer que “nada é comprovado no coronavírus”.

Na segunda, Maria Van Kerkhove, chefe da unidade de doenças emergentes da OMS, ponderou durante uma coletiva que pesquisas têm mostrado que pacientes assintomáticos da covid-19 têm chances pequenas de retransmitir a doença. A repercussão da fala, porém, fez que a OMS viesse a público nesta terça, para reforçar que mantém sua posição sobre a necessidade de quarentenas, e que “rejeita a interpretação de que estudos tenham concluído de forma definitiva que pessoas sem sintomas não repassam o coronavírus”, informou o jornalista Jamil Chade, em coluna no portal UOL. A conclusão de Kerkhove foi baseada num estudo pequeno, sem alcance para se tornar uma recomendação absoluta.

Bolsonaro, porém, viu nesse deslize da organização a chance de defender mais uma vez a abertura rápida do comércio ao mesmo tempo em que antagonizou com governadores, o Supremo Tribunal Federal e a imprensa. Segundo ele, a brecha aberta pela fala de Kerkhove da OMS pode “sinalizar a uma abertura mais rápida do comércio e a extinção de medidas restritivas adotadas, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal, por governadores e prefeitos”, ressaltou o presidente, completando que “o Governo [federal] não tem nada a ver com essas medidas, como por exemplo, fechamento de comércio e proibição de frequentar espaços públicos.”

Acuado pelas críticas à gestão da pandemia, Bolsonaro criticou mais uma vez a imprensa ao falar em “pânico pregado lá atrás no tocante ao vírus”. No comando de um Governo obrigado, pelo STF, a recuar nas mudanças pretendidas na divulgação dos dados da doença, manteve o tom de desrespeito em tudo que se refere à pandemia. A conduta tem fragilizado sua posição perante parte da sua base de eleitores, que viram no presidente insensibilidade com os mais de 38.000 mortos.

Cobranças a Pazuello

Mais tarde, foi a vez de o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, usar também tom mais ameno. Também acuado pelo revés no STF, o militar teve de se explicar a deputados sobre a divulgação do panorama da covid-19 no Brasil em reunião técnica na Câmara. Pazuello afirmou que a transparência nos dados é seu “maior objetivo”, mesmo sua pasta tendo decidido ocultar informações na sexta-feira sobre os números acumulados da pandemia. O ministro falava pouco antes de os principais índices sobre a doença voltarem ao site principal de divulgação do ministério, seguindo a ordem do Supremo: o Brasil registrou 1.272 óbitos pela covid-19 nas últimas 24 horas até esta terça-feira, e o total de mortes foi a 38.406.

“Há 20 dias, procurei o presidente da República para dizer que precisamos de mais dados das prefeituras e dos Estados”, afirmou, explicando que, durante esse tempo, sua equipe trabalhou em uma nova plataforma para detalhar dados que possam servir ao gestores públicos e à população. De acordo com Pazuello, a expectativa é que tal sistema esteja concluído nesta quarta-feira e que, nele, seja possível observar a curva epidemiológica de todos os municípios brasileiros.

Mais informações
O mapa interativo elaborado pelo LabCidade com os casos de contágio e morte pela covid-19.
Quantos de seus vizinhos em São Paulo contraíram o coronavírus? Mapa interativo da USP revela
Governo Bolsonaro impõe apagão de dados sobre a covid-19 no Brasil em meio à disparada das mortes
AME667. BRASILIA (BRASIL), 06/04/2020.- Vista de un hombre con tapabocas pasando frente al Ministerio de Salud, este lunes en Brasilia (Brasil). El Ministerio de Salud actualizó los números de coronavirus en Brasil, actualmente 553 muertes y 12,056 casos confirmados de coronavirus. Los datos, que representan un aumento de 67 fallecidos y de 926 casos confirmados en relación a la víspera, fueron presentados en una rueda de prensa por cinco viceministros del Gobierno, que este lunes sustituyeron a los titulares de sus despachos, que hasta ahora se ocupaban de presentar diariamente los balances. EFE/ Joédson Alves
Congresso, organizações e imprensa se mobilizam para blindar dados da covid-19 de ações de Bolsonaro

Pazuello defendeu a nova metodologia da divulgação de dados sobre a covid-19, que deixará de ser feita apenas pela data de notificação e será feita também pela data de ocorrência (quando o paciente relata os primeiros sintomas) e data do óbito, atualizando o somatório total retroativamente. "As informações agora são plenas, transparentes e reais, em tempo real”, disse ele, acrescentando que os dados são “inescondíveis”.

“Não existe como aumentar ou diminuir número de óbitos. Se não informarmos o número de óbitos por dia, o gestor não sabe o que está acontecendo em sua cidade e que medidas deve tomar. E você tem metade do mundo dizendo que queremos esconder óbitos... Pelo amor de Deus! Isso é impossível. É a subnotificação que queremos evitar, não a hipernotificação”, acrescentou o ministro, que, ao contrário de Bolsonaro, disse confiar nos dados dos Estados.

Durante a reunião na Câmara, Pazuello também disse que o país já realizou 10 milhões de testes desde o início da pandemia no país, sendo 7 milhões de testes rápidos —que verificam a presença de anticorpos no indivíduo para o novo coronavírus e são de menor precisão— e 3 milhões de PCR (do inglês reverse-transcriptase polymerase chain reaction), que é a resposta a resposta final e precisa sobre a presença do vírus na amostra analisada. “5% da nossa população já foi testada”, disse Pazuello, que acrescentou que o Governo comprou mais 10 milhões de testes PCR. No entanto, a própria plataforma de leitos e insumos do Ministério da Saúde mostra que os números mencionados pelo ministro correspondem ao número de testes distribuídos, mas não necessariamente já realizados no país.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS