Pandemia de coronavírus

Periferia lidera as mortes por coronavírus na cidade de São Paulo, e as mulheres adultas são as mais infectadas

Passado um mês da primeira morte notificada pela covid-19, capital tem mais de 70% dos testes aguardando liberação. Nas franjas da cidade, falta desde informação até sabonete, diz líder comunitário

Brasilândia, bairro periférico de São Paulo com o maior número de óbitos por coronavírus.
Brasilândia, bairro periférico de São Paulo com o maior número de óbitos por coronavírus.Avelino Regicida

Passado um mês da primeira morte notificada em decorrência do coronavírus, São Paulo mostra um mapa manchado pelo avanço da doença, com óbitos registrados em todas as regiões do município, em especial, nas periferias. De acordo com a Secretaria da Saúde Municipal, é longe do centro que estão os maiores números de óbitos suspeitos e confirmados da covid-19. Até este sábado, 18, das 686 mortes ocorridas na cidade, ao menos 51 foram no distrito de Brasilândia, na zona norte, e 48, no de Sapopemba, na zona sudeste, seguidos por São Mateus e Cidade Tiradentes, ambos na zona leste e com 36 óbitos respectivamente (veja o mapa abaixo). O Brasil inteiro registra ao menos 2.347 mortes neste sábado, com 36.599 casos confirmados da doença.

É nas franjas dessa megalópole que, ao que parece, se concentram também a maior parte das mortes suspeitas de coronavírus, de acordo com o mapa apresentado pela prefeitura nesta sexta. A imagem sobre cada região mostra o total de casos sobre um círculo de duas cores, mais escura para as confirmações e mais claras, as suspeitas. Analisando a imagem, é possível perceber que as cores apontam para mais suspeitas nos bairros periféricos e mais confirmações na região mais central, embora a prefeitura não tenha apresentado números com esse recorte. “A testagem é menos rápida dependendo do seu CEP”, afirma Paulo Saldiva, patologista e professor da Faculdade de Medicina da USP. “Por isso as suspeitas aparecem em maior quantidade nas periferias”. De acordo com a prefeitura, do total de testes enviados desde o início da pandemia para análise ao Instituo Adolfo Lutz, o principal laboratório público de análises da covid-19, somente 32% tiveram seu resultado liberado, e desses, 16% deram positivo. Ou seja, há atualmente cerca de 15.000 testes aguardando alguma etapa final para liberação do resultado.

Outro recorte social do coronavírus no epicentro da pandemia no Brasil mostra que tanto entre os casos confirmados (9.428 até sábado, 18), quanto entre os suspeitos (cerca de 35.000), as mulheres de 30 a 39 são a maioria, seguidas pelas de 40 a 49 anos. Para Saldiva, é possível que no Brasil o nível social seja mais importante que a faixa etária quando se trata de infectados e mortos pelo coronavírus. “Não dá para ter certeza ainda, mas os dados estão mostrando que os vulneráveis não são só os idosos”, afirma. “No Brasil e em outros países da América Latina, assim como na África, essa história vai ter uma tintura diferente daquela da Europa”. Nesta semana, a médica Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também afirmou ao EL PAÍS que vê, no Brasil, tendência de “rejuvenescimento” do vírus em relação aos países por causa da distribuição etária. Levantamento feito pelo jornal com secretarias dos Estados em situação de emergência ―quando a incidência de casos é maior que a média nacional— mostrou o maior percentual de hospitalizados entre os menores de 60 anos.

Isso porque, de acordo com ele, são muitos os fatores que compõem a vulnerabilidade e a imensa maioria deles está presente no cotidiano dos moradores das periferias. “Quem mora longe, não só trabalha por mais horas, como também perde mais tempo no deslocamento, dorme menos, come errado, não se exercita”, diz. “Só isso já cria uma vulnerabilidade intrínseca. É como se a pessoa perdesse o direito de adoecer”.

Ele lembra que a capacidade de fazer o isolamento social na periferia é menor também, devido às condições de moradia. Henrique Deloste, líder comunitário e membro da Associação de Moradores na Brasilândia/Cachoerinha, região que lidera o número de óbitos, afirma que na comunidade, quem pode, está cumprindo o isolamento. “Você percebe que as pessoas querem cumprir [o isolamento], mas uma parte das pessoas que está saindo nas ruas está saindo por dificuldade, porque precisa trabalhar”, diz. “Pode ser que com a ajuda do Governo melhore um pouco, mas eu duvido. As pessoas estão preocupadas porque a ajuda é só por três meses. E depois disso?”.

Ele relata que a região ainda registra alguns pancadões, embora esse tipo de festa tenha diminuído. “Estamos tentando convencer os jovens...”, diz. Mas o maior problema, de acordo com ele, é a falta de informação por parte da população. “O que não tenho visto é ação, orientação. Não tem nenhuma campanha específica. O que mais me perguntam quando eu entro na favela é sobre esse assunto, sobre os sintomas”, afirma.

“Graças a Deus vocês trouxeram sabonete”

O governador de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira a prorrogação da quarentena para 10 de maio, como forma de evitar o “colapso nos hospitais públicos e particulares”. A capital, no entanto, já tem a maior parte dos seus grandes hospitais com mais de 70% de ocupação dos leitos de UTI. O hospital Emílio Ribas anunciou no meio da semana que já tinha todos os seus 30 leitos de terapia intensiva lotados e que pretendia abrir 20 novos leitos.

Já dentre os leitos de UTI pertencentes ao município, 53% já estão ocupados e, até a quinta-feira 16, haviam 161 leitos vagos nos hospitais municipais da cidade. Construir novos leitos, de acordo com Saldiva, é uma medida paliativa. “Isso é o que tem para agora”, diz. Mas, ao mesmo tempo em que hospitais de campanha são inaugurados pela cidade – já são dois funcionando e um em fase de construção – servidores da saúde estão sendo afastados por causa da doença.

Até 15 de abril, 223 servidores da rede hospitalar do município estavam afastados após confirmarem a covid-19 e seis haviam morrido. Ainda 775 estavam afastados por síndrome gripal. Para o líder comunitário Henrique Deloste, a falta de leitos é uma das carências da periferia, mas não a única. “Fomos entregar sabonetes nesta semana para a comunidade e uma pessoa que nos recebeu disse ‘graças a Deus vocês trouxeram sabonete. Não temos dinheiro nem para o leite’. Falta tudo aqui”.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações