Socialista António Costa ganha as eleições em Portugal

Primeiro-ministro poderá reeditar seu Governo com o apoio de somente um de seus aliados de esquerda

O candidato socialista António Costa.
O candidato socialista António Costa.MIGUEL RIOPA (AFP)

O Partido Socialista (PS) de Portugal conseguiu, neste domingo, a "vitória expressiva" nas urnas que pedia o primeiro-ministro António Costa para reeditar seu Governo e ganhar mais força antes dos pactos com outros partidos políticos —a sigla ficou a seis cadeiras da maioria absoluta. Seu primeiro anúncio foi sua disposição de trabalhar para repetir a geringonça (acordos externos para formar o Governo) com o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda, governando sozinho. "Os portugueses gostaram da geringonça, então o PS buscará renovar essa solução política", disse o presidente na manhã desta segunda-feira, depois da divulgação dos resultados. A abstenção, de 45,5%, foi a mais alta da história nas eleições legislativas.

Mais informações
Portugal, já fora do coma econômico, decide se mantém o socialista Costa no poder
O solitário deputado que disse basta às 7.000 bitucas lançadas ao chão por minuto
Em Portugal ninguém fala de nacionalismo ou imigrantes

Os possíveis aliados já responderam. Catarina Martíns, líder do Bloco de Esquerda, afirmou que o grupo está disposto a um acordo, ainda que em votações específicas, principalmente as relativas a fortes investimentos em serviços públicos. Já o líder do PC, Jerónimo de Sousa, respondeu que, para eles, a fórmula da geringonça não será repetida porque eles querem um pacto com objetivos específicos. Entre eles, um aumento do salário mínimo dos 600 euros atuais para 850 euros por mês e um acréscimo salarial geral de 90 euros por mês (400 reais), além de retirar a reforma trabalhista imposta pela troika (credores de Portugal no momento do resgate: BCE, Comissão Europeia e FMI).

A contagem final deu ao PS 36,6% dos votos e 106 cadeiras (em 2015, a sigla obteve 32,3% dos votos, o que resultou em 86 cadeiras); em seguida, veio o centrista (PSD), com 27,9% e 77 assentos. A terceira força foi o Bloco de Esquerda, como ocorreu há quatro anos, com 9,7% e 19 deputados (10,2% e 19 cadeiras em 2015); o PC vem em seguida (em coalizão com Os Verdes), com 6,7% e 12 assentos (8,3% e 17); o CDS, de direita, obteve 4,2% e cinco lugares. A sexta força foi a sigla ambientalista PAN, com 3,3% e quatro cadeiras (1,4% e 1 em 2015).

Decepção na direita

O resultado do Bloco também não é expressivo o suficiente para realizar a tentativa de um Governo de coalizão

O bloco da direita, que de 14 eleições legislativas ganhou seis, fez figuração. Sem possibilidade de ganhar, tanto o Centro Democrático Social (CDS) como o Partido Social Democrata (PSD) aproveitaram a campanha para sustentar seus líderes, Assunção Cristas e Rui Rio, e suas bases. Seu trabalho de oposição durante quatro anos se centrou em antecipar o caos e o desastre, e nada disso aconteceu, o que decepcionou sua militância que, além disso, perdeu o medo de votar em Costa.

Embora no início da noite de domingo, a porta-voz do PS tenha anunciado uma derrota histórica da direita, a diferença entre os dois blocos, ao final, foi reduzida para pouco menos de 20 pontos. A queda ocorreu principalmente no direitista CDS. Como resposta, seu líder, Assunçao Cristas, anunciou um congresso extraordinário do partido e sua renúncia à reeleição, depois de quatro anos liderando o partido.

PAN, a vitória de um novo ecologismo

Os ecologistas já caminham sozinhos. Desde 1987, o clássico partido ecologista Os Verdes participou das eleições através do Partido Comunista na Coalizão Democrática Unitária (CDU). Ainda que com liberdade de votos para votar contra as touradas enquanto o PC o fazia a favor, sempre estiveram nas sombras do PC nos trabalhos parlamentares.

Os resultados podem provocar substituições à esquerda e à direita, na direção do PC e na do PSD

Os Verdes e sua histórica líder, Heloísa Apolónia (deputada desde 1995), deixaram de ser a única bandeira ecologista da câmara em 2015 quando o PAN (Pessoas Animais Natureza) entrou com seu líder André Silva. Quatro anos depois o deputado com direito a falar um minuto conseguiu aumentar consideravelmente os votos e formar um grupo parlamentar. Graças, em parte, a uma exposição midiática nos debates dos líderes de lista, em que Os Verdes não aparecem, por estar sob a cobertura do PC.

Durante a campanha o PAN sofreu fortes críticas da direita e da esquerda, acusado de fundamentalismo ambiental. Entre suas medidas pedem a proibição da carne de vaca e do leite, algo que acabaria com a economia de, por exemplo, as Ilhas Açores. Por sua vez, Silva acusa Os Verdes de ser um ecologismo caduco e o PC de conservador.

Além da novidade de que o ambientalista PAN tenha conseguido um grupo parlamentar, as eleições incorporaram três novas forças políticas na Câmara: o populista de direita Chega —com quem Costa não dialogará, como anunciou—, que obteve 1,3% do total dos votos e um deputado; Iniciativa Liberal, 1,3% e um deputado; e a Esquerda Livre —divisão do Bloco— com 1,1% dos votos e um deputado. Pela primeira vez, 10 forças políticas estarão sentadas na Assembleia da República.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS