Análise
i

China, uma insuspeita beneficiada do discurso radical de Bolsonaro

Com discurso agressivo, presidente brasileiro reproduz retórica de quando era deputado e aponta para guinada arriscada na política externa brasileira

Jair Bolsonaro aguarda o momento de discursar na Assembleia Geral da ONU, nesta terça.
Jair Bolsonaro aguarda o momento de discursar na Assembleia Geral da ONU, nesta terça.Drew Angerer (AFP)

MAIS INFORMAÇÕES

Em sua estreia na Assembleia Geral da ONU, o presidente brasileiro seguiu a orientação dos seus assessores da ala ideológica e partiu para o ataque contra o socialismo, ambientalistas, cientistas, indígenas, o PT, o 'globalismo', a mídia internacional, a França, Venezuela e Cuba, entre tantos outros. Dessa maneira, Bolsonaro reproduziu o papel de radical e 'politicamente incorreto' que desempenhou, por décadas, como deputado no Congresso Nacional e se consagrou como vilão global dos movimentos ambientalistas, que ganham força política ao redor do mundo.

Sobretudo na Europa, onde diplomatas e políticos estão divididos sobre como reagir ao mandatário brasileiro, o discurso fortalecerá aqueles que defendem uma postura mais dura contra o Brasil, incluindo punições econômicas. O discurso, recebido com uma mistura de perplexidade e fascínio por observadores internacionais por seu teor conspiratório, é uma ótima notícia para o presidente francês, que decidiu aproveitar dos incêndios na Amazônia para se projetar como líder ambientalista e para inviabilizar o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul, postura que agrada aos agricultores franceses. Como Bolsonaro é visto de maneira negativa por significativa parte da sociedade europeia, Macron só tem a ganhar ao se posicionar contra o presidente brasileiro.

O grande perdedor é a Alemanha, que seria o maior beneficiado do acordo comercial. Ao longo das últimas semanas, o governo alemão buscou oferecer uma alternativa à estratégia da França, e reiterou sua disposição em manter o diálogo com o Governo brasileiro sobre temas ambientais. O discurso de Bolsonaro fortalece a tese daqueles na Alemanha, liderados pelo Partido Verde, de que será impossível moderar a postura brasileira sem ameaças concretas. A primeira vítima da situação provavelmente será o pleito brasileiro de se tornar país membro da OCDE, o qual será empurrado pela barriga por países europeus. Afinal, permitir o ingresso do país nas atuais condições poderia ser visto como uma aprovação indireta de suas políticas internas.

Outro país que ganhará com o discurso de Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU é a China. Com o Brasil cada vez mais rejeitado no Ocidente, o Governo de Pequim deixou claro que em hipótese alguma permitirá que assuntos ambientais afetem a relação bilateral. Apesar da retórica anti-China utilizada durante a campanha, a relação bilateral com o gigante asiático inevitavelmente alcançará um novo patamar sob Bolsonaro.

Na política interna, o discurso representa uma vitória acachapante da ala ideológica, liderada por Eduardo Bolsonaro e Olavo de Carvalho, sobre o grupo neoliberal, liderado pelo ministro Paulo Guedes e pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina. A escolha de Bolsonaro atinge em cheio o projeto de Guedes de projetar a narrativa de um governo tecnocrata, comprometido em tornar o país um destino mais atraente para investidores internacionais. Os observadores internacionais devem estar se perguntando agora por quanto tempo o ministro da Economia aceitará fazer parte de um governo cujo presidente parece se importar pouco com o projeto liberalizante. Afinal, é impossível não perceber que Bolsonaro parece ter um gosto pessoal pelo confronto permanente, algo que fortalece sua narrativa de que a comunidade internacional busca enfraquecer o Brasil. Desse ponto de vista, mesmo a não-ratificação do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia e os possíveis boicotes que virão contra os produtos brasileiros dificilmente terão efeito moderador sobre o presidente brasileiro. Pelo contrário, a ameaça do isolamento diplomático e o risco de consequências negativas na área comercial parecem fortalecer a convicção do presidente de dobrar a aposta e garantir a radicalização de sua base de apoio. O discurso representa, assim, a maior guinada na política externa brasileira em décadas.

Oliver Stuenkel é professor adjunto de Relações Internacionais na FGV em São Paulo. É o autor de O Mundo Pós-Ocidental (Zahar) e BRICS e o Futuro da Ordem Global (Paz e Terra). Twitter: @oliverstuenkel

Arquivado Em: