COMPANHIAS AÉREAS

Gigante do turismo, Thomas Cook quebra e deixa 600.000 clientes sem voo ao redor do mundo

Empresa fundada em 1841 não conseguiu assegurar os 200 milhões de libras que seriam necessários para garantir sua sobrevivência

Um avião de Thomas Cook, o passado agosto no aeroporto de Mánchester.
Um avião de Thomas Cook, o passado agosto no aeroporto de Mánchester.Peter Byrne (AP)

O grupo britânico Thomas Cook, segundo maior operador global de viagens e turismo e o mais antigo do setor no mundo, declarou falência após o fracasso das negociações emergenciais com seu principal acionista e seus credores para obter um resgate, confirmou a Autoridade de Aviação Civil britânica (CAA) nesta segunda-feira. A companhia, que empregava 22.000 pessoas, sendo 9.000 no Reino Unido, "interrompeu suas operações com efeito imediato", conforme indicou o órgão regulador em nota, embora tenha atualmente 600.000 turistas (um quarto deles britânicos) retidos nos seus destinos mundo afora, à espera de voos. Os países com mais turistas afetados pela quebra são Grécia, Turquia, Tunísia e Espanha, informou a Embaixada do Reino Unido em Madri nesta segunda.

A empresa, com 178 anos de história, quebrou porque não conseguiu obter os 200 milhões de libras (cerca de um bilhão de reais) dos quais necessitava como recursos adicionais para poder garantir sua sobrevivência, depois de uma jornada completa de reuniões cruciais mantidas em Londres. "Todas as reservas do Grupo Thomas Cook, que incluem os voos e os pacotes de férias, foram canceladas", disse a CAA em sua nota. O grupo anunciou sua quebra no Twitter: "Lamentamos anunciar que a Thomas Cook cessará sua atividade com efeito imediato. Esta conta não será monitorada. Por favor, visite thomascook.caa.co.uk para mais orientações e informações". O diretor da companhia, Peter Fankhauser, também pediu desculpas em um comunicado: "Gostaria de pedir nosso perdão a milhões de clientes, milhares de funcionários e sócios que nos apoiaram durante tantos anos".

MAIS INFORMAÇÕES

A quebra da operadora britânica, que inventou os pacotes com tudo incluído, mas não foi capaz de se adaptar aos novos hábitos dos viajantes, representa um golpe muito importante para o setor turístico espanhol. A Espanha era o principal destino dos clientes da Thomas Cook. Segundo as cifras da Aena (agência espanhola de aviação civil), as várias companhias aéreas do grupo enviaram 3,6 milhões de passageiros aos aeroportos espanhóis em 2018. Neste momento, há entre 25.000 e 30.000 clientes da Thomas Cook nas ilhas Canárias, informou José María Mañaricua, da Federação de Empresários de Hotelaria e Turismo de Las Palmas, à rádio SER. Há poucos meses, o grupo investiu 45 milhões de euros (205 milhões de reais) em seus próprios hotéis na Espanha como parte de sua estratégia para evitar o uso de redes associadas na medida do possível. O grupo possuía 50 estabelecimentos da sua franquia na Espanha (sobre um total de 3.150 em todo o mundo), somando 11.500 quartos, sendo o maior de todos os seus destinos turísticos, segundo a empresa.

O Governo britânico determinou o início de um programa de retorno para os turistas retidos nas próximas duas semanas, a partir desta segunda-feira. O governo de Boris Johnson ordenou que um grande número de funcionários deixe suas tarefas em diversos ministérios e seja alocado para dar assistência aos passageiros prejudicados em diversos aeroportos. Johnson disse que o Executivo se recusou a resgatar a empresa, com um custo de 150 milhões de libras (750 milhões de reais), porque isso criaria um "precedente de risco moral". "É um momento muito difícil e estamos com os clientes da Thomas Cook, com as pessoas em férias que agora enfrentam dificuldades para voltar para casa, e faremos o possível para trazê-los de volta", declarou Johnson em Nova York, onde participa da cúpula climática da ONU.

"Devido ao número sem precedentes de clientes britânicos que atualmente se encontram em férias e que foram afetados pela situação, a CAA assegurou uma frota de aviões de todo o mundo para trazer os passageiros de volta ao Reino Unido", disse a agência na nota. Alguns dos passageiros que se encontram em "um pequeno número dos destinos" poderiam ter que tomar voos comerciais alternativos aos do programa implementado pela Autoridade de Aviação Civil. Também se alerta de que, por causa da "significativa magnitude da situação", será "inevitável" que se produzam algumas alterações, e se pede aos clientes britânicos no exterior que não se dirijam aos aeroportos enquanto não tiverem confirmação de seus voos de volta para o Reino Unido. "Os clientes da Thomas Cook no Reino Unido que precisam viajar não devem ir ao aeroporto, pois todos os voos para o Reino Unido foram cancelados", alertou a CAA.

O ministro britânico dos Transportes, Grant Shapps, anunciou que o Executivo e a CAA oferecerão dezenas de voos charter para levar os clientes prejudicados para casa. Shapps disse que o colapso da operadora é uma "notícia muito triste para os funcionários e os turistas" e que o Executivo também cobrirá os custos de alojamento dos clientes que desfrutavam de pacotes turísticos. "Mas a tarefa é enorme, trata-se da maior operação de repatriação na história britânica desde a Segunda Guerra Mundial", observou Shapps, alertando que inevitavelmente ocorrerão "problemas e atrasos". Na Alemanha, outro dos grandes destinos da companhia, as empresas de seguros coordenarão a resposta para que os turistas possam voltar para seus países, informa a Reuters.

De acordo com o sistema disposto pela Licença de Operadores Turísticos Aéreos (ATOL, na sigla em inglês), só os passageiros que têm pacotes turísticos contratado estão protegidos, e seus custos são cobertos no caso da suspensão de pagamentos da empresa. Em circunstâncias normais, aqueles que só contrataram seus voos devem arcar com os prejuízos do próprio bolso. Dada a magnitude da quebra da Thomas Cook, entretanto, o Ministério dos Transportes do Reino Unido se comprometeu a cobrir todos os gastos. Estima-se que o desembolso poderá superar os três bilhões de reais.

A agência de viagens pretendia selar nesta semana um pacote de resgate com o conglomerado chinês Fosun, seu principal acionista, estimado em 900 milhões de libras (4,5 bilhões de reais). Porém, a transação foi adiada pela exigência dos bancos —como o RBS e o Lloyds— de contar com novas reservas na temporada de inverno, o que a companhia não foi capaz de conseguir.

A Fosun manifestou sua "decepção" com falta de um acordo para evitar o naufrágio da tradicional agência. "A Fosun está decepcionada com que o Grupo Thomas Cook não tenha sido capaz de achar uma solução viável para a sua recapitalização com outros filiados, bancos, e partes adicionais", afirmou o conglomerado em nota oficial.

Um turista em frente aos balcões de Thomas Cook, no aeroporto de Bruxelas.
Um turista em frente aos balcões de Thomas Cook, no aeroporto de Bruxelas.Francisco Seco (AP)

O sindicato TSSA, que representa os funcionários da empresa, tinha solicitado no sábado uma “reunião urgente” com a ministra de Empresa e Indústria, Andrea Leadsom, e acrescentou que ela deveria estar "preparada para ajudar a Thomas Cook com um verdadeiro apoio financeiro". "É preciso salvar a companhia seja como for. Nenhum Governo britânico sério permitiria a perda de tantos postos de trabalho", disse o secretário-geral da TSSA, Manuel Cortes.

A Thomas Cook, composta por uma operadora de viagens e uma companhia aérea que opera em 16 países, conta com 105 aviões e possui 200 hotéis e complexos hoteleiros com sua marca, segundo seu site. Seu faturamento anual no último exercício foi de 10 bilhões de libras (50 bilhões de reais). Há vários anos, ela enfrentava a concorrência de outras empresas e de um ambiente econômico incerto, em particular no Reino Unido, com as incógnitas do Brexit e a queda da libra.

Arquivado Em: