Crise na Venezuela

Fotos de Guaidó com traficantes na fronteira motivam acusações e elevam tensão com a Colômbia

Líder da oposição venezuelana alega que apenas posou com desconhecidos, sem saber que eram criminosos. Chavismo usa imagens para atacar opositor e escalar as críticas ao presidente Iván Duque

O líder opositor Juan Guaidó, com Brother (à esq.) e Menor (à dir), supostos líderes dos 'Los Rastrojos'.
O líder opositor Juan Guaidó, com Brother (à esq.) e Menor (à dir), supostos líderes dos 'Los Rastrojos'.

Em 22 de fevereiro deste ano, Juan Guaidó cruzou a fronteira entre a Venezuela e a Colômbia e apareceu de surpresa num megashow organizado em Cúcuta às vésperas da operação destinada a levar contêineres com remédios e alimentos no país vizinho, com o apoio logístico dos Estados Unidos e do presidente colombiano, Iván Duque. A iniciativa fracassou, marcando o primeiro grande revés para o chefe da Assembleia Nacional venezuelana, que um mês antes havia desafiado Nicolás Maduro, exigindo sua renúncia e a abertura de processo de transição. Em meio às incertezas daquele momento, Guaidó viajou discretamente de Caracas rumo ao fronteiriço Estado de Táchira. Durante o caminho, evitou postos policiais e pediu apoio de membros das Forças Armadas. Uma vez no município de San Antonio, dispôs-se a passar para o outro lado. Como? Os vídeos e as imagens desse dia mostram que cruzou através de trochas, trilhas secundárias, informais e sem vigilância.

Fotos divulgadas nesta quinta-feira nas redes sociais motivaram duras acusações contra Guaidó e o presidente colombiano, ameaçando provocar uma nova tempestade política entre os dois países. Nelas, o político venezuelano posa com dois homens identificados como membros dos Rastrojos, uma quadrilha de traficantes paramilitares que opera nesse limbo legal que frequentemente é a fronteira.

MAIS INFORMAÇÕES

Nas imagens aparecem dois chefes dessa organização criminosa: John Jairo Durán Contreras, conhecido como Menor, e Albeiro Lobo Quintero, o Brother. Ambos foram detidos em junho em Cúcuta, cidade colombiana próxima à fronteira. Alberto Ravell, porta-voz de Guaidó, disse à W Rádio que “todas as pessoas públicas recebem pedidos de fotos”. “Essa gente pediu uma selfie, [Guaidó] não sabia quem eram. O presidente Guaidó não pede a carteira de identidade das pessoas para tirar uma foto com elas. Você acha que se o presidente Guaidó soubesse que são uns paracos [paramilitares] faria uma foto com eles para que as publicassem depois?”, questionou.

A divulgação das fotos, apresentadas inicialmente pelo número dois do chavismo, Diosdado Cabello, em seu programa de televisão, tem um evidente propósito político. Por si só, não são suficientes para demonstrar um vínculo definitivo de Guaidó com os traficantes. Mesmo assim, a imagem levanta suspeitas graves. O uso político de fotos e vídeos descontextualizados é algo frequente tanto na Venezuela e como na Colômbia . Ravell negou, em todo caso, que Guaidó tenha recebido a ajuda de grupos irregulares para cruzar a fronteira. “Essas pessoas estavam em uma guarita, das muitas que existem nas trilhas com guardas venezuelanos ou gente armada, e pediram uma foto, e ele não se negou. Lá ninguém pergunta a ninguém quem você é. Quem usa as trochas quer é passar o mais rapidamente possível.” Entretanto, um dos criminosos estava armado, ao menos aparentemente.

Wilfredo Cañizares, diretor da Fundação Progresar no departamento colombiano do Norte de Santander, disse que alertou desde o primeiro dia. “A entrada do senhor Juan Guaidó na Colômbia em 23 de fevereiro foi coordenada com os Rastrojos. Aqui estão o conhecido como Brother, armado, e o segundo no comando deste grupo paramilitar, conhecido como Menor”, afirmou, ao publicar as fotos no Twitter. A partir dessa denúncia, o senador Gustavo Petro, um dos líderes da oposição ao presidente colombiano, foi quem mais criticou esse suposto vínculo com a quadrilha narcoparamilitar, dando-os como legítimos ao levar em conta que Guaidó vestia a mesma roupa com que aparecia nos vídeos que mostravam sua chegada à Colômbia.

“Para quem duvida: Duque e Guaidó se aliaram com o narcotráfico para seu ato na fronteira. Senhor Guaidó, o senhor têm consciência de quem era seus aliados na fronteira colombiano-venezuelana? Senhor Duque, o senhor associará sua política externa com o narcotráfico?”, escreveu Petro nas redes sociais. O senador —que no passado respaldou Hugo Chávez, mas recentemente qualificou o regime de Maduro como “ditadura insustentável”— chegou a afirmar, sem apresentar provas, que “Duque visitou instalações com coquetéis molotov e explosivos manipulados por grupos pagos pelos traficantes”.

O Governo colombiano se opõe ao regime de Maduro e desde o começo apoiou, assim como a Administração de Donald Trump e mais meia centena de países, a nomeação de Guaidó como presidente interino. Apesar disso, no dia 23 de janeiro se negou a prolongar as tentativas de enviar mantimentos pelas pontes de Cúcuta, devido à resistência das forças de choque do chavismo e de episódios de violência.

A tensão entre os dois países cresceu nos últimos dias por causa das acusações, dirigidas a Caracas, de dar proteção em território venezuelano a células dissidentes das FARC, como a encabeçada por Iván Márquez e Jesús Santrich, e à cúpula do Exército de Libertação Nacional (ELN), que tem seu sustento no narcotráfico, assim como os Rastrojos e outras máfias locais. O Governo respondeu com exercícios militares na fronteira, por onde cruzam diariamente milhares de venezuelanos que fogem em busca de oportunidades. Essas rotas também são usadas por parlamentares de oposição.

Desde que formaram maioria na Assembleia Nacional, deputados críticos ao chavismo não têm a possibilidade de comprar passagens em voos domésticos para viajar a suas bases no interior do país, e vários deles tiveram seu passaporte suspenso. Como parte da política de perseguição do regime de Nicolás Maduro, o Governo coagiu as companhias aéreas com sanções caso vendessem passagens a esses políticos. Ravell disse que Guaidó pretendia responder e explicar ele mesmo as polêmicas fotos, mas que, no momento do contato com a emissora colombiana, ele estava incomunicável por causa do blecaute que voltou a afetar várias zonas de Caracas e do resto do país nesta quinta-feira.

Arquivado Em: