México

México pede aos EUA que contenham tráfico de armas na fronteira

Chanceler mexicano tenta abordar tema em encontro com vice-presidente dos EUA, que continua focado em ações para barrar imigrantes

Ebrard mostra um mapa sobre o impacto de armas ilegais em México.
Ebrard mostra um mapa sobre o impacto de armas ilegais em México.ERIC BARADAT (AFP)

O México quer deixar de falar de imigrantes para discutir armas com os Estados Unidos. Com um sentimento de obrigação cumprida depois de reduzir em 56% o fluxo migratório para o vizinho do norte, uma delegação do Governo mexicano chegou a Washington nesta terça-feira para se reunir com o vice-presidente Mike Pence. A intenção do grupo, encabeçado pelo chanceler Marcelo Ebrard, era mudar de assunto depois da crise desatada em maio pelo êxodo centro-americano. Agora, os mexicanos escolheram pôr sobre a mesa outro assunto espinhoso na relação bilateral: as 567 armas que ingressam diariamente no México de forma ilegal —22 por hora, segundo o Governo mexicano— e que contribuem para intensificar a violência no país.

Mais informações

“Queremos congelar o tráfico de armas ilegais”, disse Ebrard na tarde desta terça após a reunião com Pence. O ministro de Relações Exteriores do Governo López Obrador afirmou que um grupo composto por funcionários dos dois países começará a trabalhar para informar mensalmente sobre quantas armas são introduzidas no México e de que forma. “Que eu saiba, isto nunca foi feito”, declarou Ebrard à imprensa. O chanceler já havia apresentado a ideia em julho ao seu homólogo Mike Pompeo, o secretário de estado de Donald Trump, durante uma visita deste ao México. Não havia feito a proposta na Casa Branca.

Há alguns dias, o procurador encarregado da região norte do Estado de Chihuahua (norte do México) informou que 90% das armas utilizadas em homicídios em Ciudad Juárez —com oito assassinatos diários registrados em setembro— foram adquiridas em lojas de esportes do Texas e Novo México. Em muitas ocasiões, não se passaram nem 90 dias entre a compra dos rifles e pistolas e o crime cometido do outro lado da fronteira.

Nada disto foi destacado pela Casa Branca depois do encontro. O Governo de Donald Trump preferiu falar novamente sobre um tema mais atrativo para sua base: a suposta ameaça representada pela imigração ilegal. “O vice-presidente reconhece os significativos passos que o Governo do México deu para diminuir o fluxo migratório”, afirmou a Casa Branca em um sucinto comunicado. “Os líderes concordam em que, apesar de terem ocorrido avanços, ainda há muito trabalho a fazer para reduzir ainda mais o número de migrantes ilegais rumo aos Estados Unidos.”

O documento emitido pela Casa Branca segue a mesma linha que a dura exigência feita nesta segunda-feira pelo chefe do Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA, Mark Morgan, que pediu mais empenho ao Governo do centro-esquerdista Andrés Manuel López Obrador. Ebrard qualificou o tom de Morgan como "inaceitável" e disse que a tendência na diminuição do fluxo migratório é "irreversível, algo permanente".

A Casa Branca também disse que Ebrard e Pence concordaram em "implementar ao máximo" o Protocolo de Proteção de Migrantes (MPP, na sigla em inglês). O programa, conhecido localmente como Fique no México, permite aos solicitantes de asilo nos Estados Unidos aguardar em território mexicano enquanto seus casos são analisados por um juiz. O MPP foi lançado no México em 24 de janeiro, quando começou a ser utilizado por razões humanitárias.

O Governo mexicano há dias vinha anunciando cifras positivas da sua operação destinada a conter os centro-americanos em sua jornada para o norte. Ebrard disse na sexta-feira que o fluxo migratório se reduziu em 56% desde maio, quando Trump ameaçou impor tarifas às importações mexicanas se a imigração irregular não fosse controlada. Em agosto, 64.000 pessoas foram detidas ou não admitidas nos Estados Unidos na fronteira comum. É uma queda de 22% em comparação a julho (82.055), e ainda mais expressiva em comparação à histórica detenção de 144.200 pessoas em maio, a cifra que desatou a ira da Administração republicana.

Para conseguir essa diminuição, o Governo mexicano mobilizou 25.000 agentes da Guarda Nacional. Desse total, 14.900 foram enviados ao norte, à fronteira comum entre as duas, nações, e outros 10.500 para o sul. Ebrard disse que essa grande mobilização só gerou sete queixas por violações de direitos humanos perante a Comissão Nacional. “Parece-me uma constatação evidente e objetiva de que se agiu com respeito aos direitos humanos”, afirmou o chanceler em defesa às críticas de que o Governo mexicano teria agido com dureza excessiva para atender às exigências de Trump.