FURACÃO DORIAN

“Não há infraestrutura capaz de suportar um flagelo desses”

A violência dos ventos e das chuvas arrasou 13.000 casas, 45% do total das moradias das ilhas atingidas, segundo a Cruz Vermelha. ONU contabiliza que mais de 60.000 precisarão de comida e água potável

Barcos arrasados, em um porto esportivo em Bahamas. HO (AFP)

Parado durante dois dias sobre as ilhas do noroeste das Bahamas e açoitando-a com uma intensidade nunca antes vista no arquipélago habituado às inclemências no final do verão, o furacão Dorian avançava nesta terça-feira lentamente, enfraquecido, agora na categoria 2, em direção à costa dos Estados Unidos. Deixa para trás um rastro de total devastação no qual os serviços de emergência começaram a agir na terça-feira à noite.

“Neste momento as Bahamas estão em guerra, atacadas pelo furacão", disse o primeiro-ministro Hubert Minnis, "e não têm armas para se defender contra tal ataque do inimigo".

Mais informações

“Nesta fase, o que temos são dados secundários, porque, dada a enorme intensidade do furacão, o Governo impediu a entrada na área, e não será possível ter acesso ao local até esta noite. Enquanto as equipes não chegarem, não teremos uma visão clara das necessidades”, diz Regis Chapman, chefe do escritório caribenho do Programa Mundial de Alimentos da ONU, que viajou de Barbados para Bahamas na terça-feira.

“As Bahamas são um país mais desenvolvido, possuem melhores padrões de infraestrutura e construção do que outros países do Caribe, e o Governo permanece intacto na capital, o que facilitará a coordenação da emergência. Mas é preciso ter em mente que o furacão, de categoria 5, ficou parado nas ilhas por dois dias e não há infraestrutura capaz de suportar um flagelo desses”, acrescenta Chapman.

O furacão deixou pelo menos vinte mortos no emaranhado composto por duas ilhas (Ábaco Grande e Ábaco Pequeno), que foram castigadas com especial virulência. As ilhas Ábaco e um grande número de ilhotas próximas não correspondem ao estereótipo de complexos turísticos e cruzeiros associados às Bahamas. Muito pouco povoadas, seus 13.000 habitantes se dedicam principalmente à pesca. Há um grande número de imigrantes haitianos, muitos deles fugidos de outros desastres naturais, como o terremoto de 2010.

A Grande Bahama, ilha atingida pelo furacão depois de assolar as Ábaco, tem uma população de 52.000 habitantes e mais infraestrutura turística, como resorts, marinas e campos de golfe. Com cabanas idílicas e oferta de atividades aquáticas, é um destino popular entre as famílias norte-americanas. A capital, Freeport, é a segunda maior cidade das Bahamas, e seu aeroporto ficou inundado nesta terça-feira, sob dois metros de água, segundo a Associated Press.

A violência dos ventos e das chuvas arrasou cerca de 13.000 casas, 45% do total das moradias da Grande Bahama e das Ábaco, segundo a Cruz Vermelha. Mais de 60.000 pessoas precisarão de comida e água potável, de acordo com funcionários das Nações Unidas.

O ministro da Saúde, Duane Sands, confirmou que a infraestrutura sanitária foi destruída e que as inundações deixaram sem condições de uso o principal hospital da Grande Bahama. O hospital das Ilhas Ábaco mantém sua atividade e acolhe 400 pessoas, mas precisa urgentemente de medicamentos, água potável e alimentos. “Confirmaremos no local qual é a situação verdadeira”, disse Sands. “Esperamos que a perda de vidas seja limitada, e rezamos para isso.”

O mais urgente são medicamentos, alimentos e água potável, cujas reservas normalmente são afetadas nessas catástrofes", explica Chapman. “Também é preciso levar em conta que esses eventos são traumáticos e produzem um enorme impacto nas pessoas. O atendimento aos afetados deverá ser duradouro.”