Oito ladrões disfarçados de policiais roubam 720 quilos de ouro no Aeroporto de São Paulo

O grupo, que realizou o roubo em dois minutos e meio, tinha feito reféns dois guardas e a família de um deles

Câmeras de segurança do aeroporto de São Paulo captam a ação dos ladrões.reprodução

MAIS INFORMAÇÕES

Foi uma operação que não deve nada aos mais sofisticados roubos dos filmes. Oito homens armados disfarçados de policiais que chegaram em duas falsas viaturas da polícia roubaram 720 quilos de ouro nesta quinta-feira, avaliados em 120 milhões de reais, sem disparar um único tiro no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo. Os ladrões tomaram como reféns dois agentes de segurança e, desde a noite anterior, a família de um deles para, assim, obter sua preciosa ajuda, segundo informações da polícia citadas pelo jornal O Globo. O ouro estava a caminho de Zurique (Suíça) e de Nova York (EUA).

O assalto aconteceu em pleno dia no armazém de exportação do terminal de carga do aeroporto mais movimentado do Brasil, quando o ouro estava sendo transportado por uma empresa de segurança. Os ladrões precisaram de apenas dois minutos e meio, segundo as imagens gravadas pelas câmeras de segurança, para fugir com o butim. Como, além de valiosa, a carga era pesada, tiveram de usar empregados do aeroporto e uma empilhadeira para colocá-la em uma das falsas viaturas nas quais fugiram. Horas depois, os reféns foram libertados e os veículos foram localizados na zona leste da metrópole.

Não se sabe a quem a carga pertence. Tanto o agente de segurança quanto seus parentes e os responsáveis da empresa Brinks, encarregada do transporte do ouro, foram interrogados pela polícia. Uma vez abandonados os veículos, a carga foi transferida para uma terceira caminhonete e uma ambulância. Foi como se a operação tivesse sido planejada por um roteirista. A mobilização para caçar os ousados ladrões inclui agentes das polícias militar, civil e de trânsito.

O Brasil foi durante mais de um século o principal país exportador de ouro do mundo.

O sofisticado roubo acabou tendo mais destaque do que a notícia do dia, segundo a qual os celulares de mil pessoas foram pirateados — de acordo com a polícia — pelos quatro hackers presos por invadirem o celular do ministro da Justiça, o ex-juiz Sérgio Moro. Entre os espionados estão o presidente, Jair Bolsonaro; o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; o ministro da Economia, Paulo Guedes, além de altos funcionários da magistratura.

Arquivado Em: