Mais da metade dos jovens na Espanha tem empregos temporários

O emprego e a dificuldade de pagar um aluguel por conta própria diminuem a possibilidade de deixar o lar familiar antes dos 30 anos

María Hernández na sala de sua casa, com seus dois colegas moradia.
María Hernández na sala de sua casa, com seus dois colegas moradia.

Menos de um em cada cinco jovens espanhóis mora fora da casa da família. Exatamente 19%, segundo o último Observatório de Emancipação do Conselho da Juventude da Espanha (CJE), que apresentou na quinta-feira passada seu balanço correspondente a 2018. O organismo alertou que, em termos de independência da população entre 16 e 29 anos, a Espanha retrocedeu para níveis de meados dos anos noventa. E isso que 2018 teve uma leve melhoria em relação ao emprego. Mas a instabilidade no trabalho e as dificuldades de acesso à moradia prejudicam os planos de vida dos jovens e também daqueles que estão deixando de sê-lo.

“O mais preocupante são os dados sobre a pobreza”, responde sem hesitar um segundo Manuel Ramos, presidente do CJE. “Existe um dado que aponta que 35% da população está em risco de pobreza ou exclusão social e surge outra anomalia: entre a população jovem ocupada, esse risco chega a 26%. Trabalhar já não te isenta de ser pobre”, acrescenta. Os números do relatório são contundentes: com uma taxa de emprego temporário de 55,5%, o salário médio dos trabalhadores entre 16 e 29 anos é de 11.347 euros (cerca de 51.245 reais) por ano. Impossível pagar um aluguel ou comprar uma casa.

Mais informações

A estratégia mais comum entre os 19% que saem de casa antes dos 30 anos é dividir um apartamento. É o que María Hernández, enfermeira de 22 anos, fez no começo do ano. Ela é de Barcelona, a cidade que tem os aluguéis mais altos da Espanha, e divide um apartamento com dois amigos de longa data um pouco mais velhos do que ela. “Os da minha idade geralmente não têm dinheiro para isso”, explica. Ela tinha economias porque trabalhou durante a faculdade e se animou a dar o passo depois de conseguir substituir uma enfermeira cuja licença “duraria muito tempo”. Não teme ficar sem emprego porque “tem muito trabalho”, mas em seguida acrescenta: “O que não existe é estabilidade”. Hoje paga 350 euros de aluguel e ganha cerca de 1.500 euros por mês. Isso lhe permite continuar poupando um pouco, embora admita que, para sair de casa, “você sempre tem de sacrificar alguma coisa”.

Alba Canteli também reconhece que morar na casa da família significa comodidades que ela não tem agora, mas sabe que tem a sorte de poder se manter sozinha em Madri. “Ou você tem um salário alto ou precisa da ajuda dos pais, do contrário, não tem como”, diz essa asturiana de 23 anos. Ela divide um apartamento desde setembro, quando se mudou para a capital, e entre apartamentos “superpequenos, em bairros ruins e caros” conseguiu encontrar um para o qual destina mais de um terço do salário. Viver sozinha não é uma opção no momento: “Adoraria fazer isso mais tarde, mas não posso me permitir”.

Nuria Serrano, madrilenha de 27 anos, se vê em um apartamento só para ela dentro de cinco anos. “Eu gostaria de comprar, mas é algo distante porque vou fazer outro mestrado e minhas economias irão embora”, diz. Ela sabe do que está falando: trabalha em uma empresa imobiliária fazendo avaliações de ativos. Seu salário, cerca de 1.800 euros líquidos por mês, lhe permite poupar porque divide um apartamento com dois amigos com os quais estudou Arquitetura Técnica. Sozinha, por enquanto, seria mais complicado. “Mesmo que seja um estúdio muito pequeno, você precisa de 50% ou 60% do salário”, afirma.

70% da renda

No caso de Marta Mato, de Estremadura, a moradia consome 70% da renda. Ela fez mestrado em Recursos Humanos e trabalha em uma empresa de trabalho temporário. Para morar na capital, onde divide um apartamento com duas jovens, precisa da ajuda da família todos os meses. Ele se queixa que as ajudas do Governo para o aluguel “têm muitos requisitos que complicam tudo”, mas não descarta conseguir alguma: “Pelo menos eu diminuiria um pouco a dependência que tenho de meus pais”.

As emancipações pela metade, custeadas pela família, são cada vez mais frequentes. Os dados da última Pesquisa Domiciliar Contínua do Instituto Nacional de Estatística mostram que, entre os jovens que moram sozinhos, 11,8% o fazem em residências cedidas gratuitamente. “Isso acontece porque há famílias em que as gerações anteriores puderam se consolidar e têm propriedades”, explica Ramos, o presidente do CJE. Mas também adverte que “a precariedade está aumentando e daqui a 20 anos estaremos na mesma situação e não haverá uma família que terá conseguido se estabilizar e ceder uma casa”.

Nuria Serrano, com um de seus colegas no dia da mudança.
Nuria Serrano, com um de seus colegas no dia da mudança.

O Centro Rainha Sofía de Adolescência e Juventude, instituição particular promovida pela Fundação de Ajuda contra a Dependência de Drogas (FAD), alerta que as consequências dessas redes de apoio não afetam apenas os jovens. “Quanto mais tempo os filhos levam para se emancipar, mais tempo dependem dos pais, o que empobrece a família”, diz Eulalia Alemany, diretora técnica do centro. E as repercussões também são sociais. “Provoca um atraso na maternidade. Quando você pergunta as razões pelas quais os jovens não formam uma família, a maioria aponta os fatores financeiros”, lembra a especialista.

O último estudo sobre o desenvolvimento da juventude do Centro Rainha Sofía concluiu que em 2018 houve uma ligeira melhoria na Espanha, mas insuficiente para convergir com a União Europeia, onde se avança mais rapidamente. No ponto de mira, de novo os indicadores de trabalho. O desemprego juvenil na Espanha e a parcialidade involuntária (não encontrar emprego em tempo integral) multiplicam por mais de dois a média europeia e a taxa de temporalidade é uma das mais altas entre os 28 países da UE.

Existem soluções para a queixa quase unânime sobre a falta de um lugar para morar? “Sem dúvida, acredito que o desafio mais importante do setor imobiliário é o acesso dos jovens à moradia”, responde Carolina Gómez, presidenta da Building Youngs. Essa associação procura promover a presença de jovens profissionais no setor imobiliário e é patrocinada por algumas das grandes empresas do setor. “A Espanha não é um país que investe muito em habitação social e é preciso promover esse tipo de medida com o diálogo com a empresa privada”, defende.

Julio Vázquez, de 26 anos, de Toledo, está prestes a dar o salto à emancipação, mas será para alugar por enquanto. O apartamento que encontrou em Madri vai comer metade do salário de médico residente em Pediatria, mas isso não o faz recuar. “Eu pessoalmente preciso dar esse passo”, explica, “sei que é algo utópico para muitos: não é normal que aos 26 anos você possa viver sozinho e sou um privilegiado”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: