Seleccione Edição
Login
Sonic Lê, de 29, em sua habitação de seis metros quadrados em Hong Kong.
Sonic Lê, de 29, em sua habitação de seis metros quadrados em Hong Kong. Reuters

A juventude frustrada de Hong Kong

11 fotos

Os altos custos de vida e a sensação de que uma casa é apenas um sonho são sentimentos comuns entre os moradores mais jovens de uma das cidades mais populosas do mundo, onde uma sala de 11 metros quadrados é um luxo

  • Ruby Leung, 22, estuda Direito. Mora em uma sala de sete metros quadrados, em uma casa que ela compartilha com sua mãe e uma empregada doméstica. "Havia esperança de que pudéssemos obter o sufrágio universal, mas depois a situação piorou, não só não temos o sufrágio universal, mas o governo chinês é ainda mais influente na política", diz Ruby, expressando preocupação generalizada em relação à questão de que Hong Kong seja assimilada como parte da China.
    1Ruby Leung, 22, estuda Direito. Mora em uma sala de sete metros quadrados, em uma casa que ela compartilha com sua mãe e uma empregada doméstica. "Havia esperança de que pudéssemos obter o sufrágio universal, mas depois a situação piorou, não só não temos o sufrágio universal, mas o governo chinês é ainda mais influente na política", diz Ruby, expressando preocupação generalizada em relação à questão de que Hong Kong seja assimilada como parte da China. Reuters
  • Fung Cheng, 25 anos, é um designer gráfico. Ele mora em um apartamento com seus pais e seu irmão, em seu quarto de cinco metros quadrados. Expressa sua frustração em um sistema que, segundo ele, lhe roubou a oportunidade de ter sua própria casa. Para Fung, a governadora de Hong Kong, apoiada por Pequim, Carrie Lam, não deu ouvidos ao povo. "É o problema do sistema, eles não precisam de um voto para ser o governo, não há democracia", explica.
    2Fung Cheng, 25 anos, é um designer gráfico. Ele mora em um apartamento com seus pais e seu irmão, em seu quarto de cinco metros quadrados. Expressa sua frustração em um sistema que, segundo ele, lhe roubou a oportunidade de ter sua própria casa. Para Fung, a governadora de Hong Kong, apoiada por Pequim, Carrie Lam, não deu ouvidos ao povo. "É o problema do sistema, eles não precisam de um voto para ser o governo, não há democracia", explica. Reuters
  • Eunice Wai, 30 anos, mora com seus pais e seu irmão. Ela é professora de escola primária e seu quarto tem 7,4 metros quadrados. "Temos muito pouco espaço em Hong Kong e as pessoas acham difícil comprar um apartamento. As empresas imobiliárias controlam o mercado", explica Eunice, que destaca como o povo de Hong Kong se sente sufocado por Pequim: "Eles controlam mais as pessoas e nos dão menos liberdade".
    3Eunice Wai, 30 anos, mora com seus pais e seu irmão. Ela é professora de escola primária e seu quarto tem 7,4 metros quadrados. "Temos muito pouco espaço em Hong Kong e as pessoas acham difícil comprar um apartamento. As empresas imobiliárias controlam o mercado", explica Eunice, que destaca como o povo de Hong Kong se sente sufocado por Pequim: "Eles controlam mais as pessoas e nos dão menos liberdade". Reuters
  • John Wai, um engenheiro de 26 anos, mora com seus pais e uma irmã. Seu quarto tem sete metros quadrados no apartamento que ele compartilha com sua família em Hong Kong (China). "O que me deixa com raiva é que o governo permite que as pessoas no continente comprem recursos de terras que são muito limitados, o setor imobiliário faz com que os preços subam tanto que não podemos arcar com os custos", diz John. Dois anos depois de se formar em uma das melhores universidades de Hong Kong, ele sente que não consegue o que merece. "Estou realmente pensando em migrar para Cingapura ou Tailândia, estou decepcionado com o futuro de Hong Kong, vejo o governo chinês suspender nossos direitos."
    4John Wai, um engenheiro de 26 anos, mora com seus pais e uma irmã. Seu quarto tem sete metros quadrados no apartamento que ele compartilha com sua família em Hong Kong (China). "O que me deixa com raiva é que o governo permite que as pessoas no continente comprem recursos de terras que são muito limitados, o setor imobiliário faz com que os preços subam tanto que não podemos arcar com os custos", diz John. Dois anos depois de se formar em uma das melhores universidades de Hong Kong, ele sente que não consegue o que merece. "Estou realmente pensando em migrar para Cingapura ou Tailândia, estou decepcionado com o futuro de Hong Kong, vejo o governo chinês suspender nossos direitos." Reuters
  • Roy Lam, 23 anos, trabalha na área de Recursos Humanos e vive com a mãe e quatro irmãs. Seu quarto tem sete metros quadrados. "Preferimos perder de pé do que perder sentados", diz Roy, acrescentando que os jovens estão determinados a defender o que merecem, apesar do fato de que às vezes têm problemas para permanecer positivos. "Às vezes pensamos: 'basta sair, basta mudar para outro lugar".
    5Roy Lam, 23 anos, trabalha na área de Recursos Humanos e vive com a mãe e quatro irmãs. Seu quarto tem sete metros quadrados. "Preferimos perder de pé do que perder sentados", diz Roy, acrescentando que os jovens estão determinados a defender o que merecem, apesar do fato de que às vezes têm problemas para permanecer positivos. "Às vezes pensamos: 'basta sair, basta mudar para outro lugar". Reuters
  • Ruka Tong, uma estudante de 21 anos, compartilha seu quarto de 11 metros quadrados com duas de suas irmãs. Seus pais moram no mesmo apartamento. Até o ano passado, a família dos cinco morava em uma sala de 28 metros quadrados. "Eu trabalho sete dias por semana em cinco trabalhos, um trabalho de escritório e quatro empregos em aulas particulares, tenho apenas 2 ou 3 horas de descanso, preciso ganhar mais dinheiro para poupar para o mundo acadêmico e para minha família", diz Ruka. "Há tantas pressões em Hong Kong, pressão de preços, pressão acadêmica ... Eu não quero que a próxima geração enfrente esse problema."
    6Ruka Tong, uma estudante de 21 anos, compartilha seu quarto de 11 metros quadrados com duas de suas irmãs. Seus pais moram no mesmo apartamento. Até o ano passado, a família dos cinco morava em uma sala de 28 metros quadrados. "Eu trabalho sete dias por semana em cinco trabalhos, um trabalho de escritório e quatro empregos em aulas particulares, tenho apenas 2 ou 3 horas de descanso, preciso ganhar mais dinheiro para poupar para o mundo acadêmico e para minha família", diz Ruka. "Há tantas pressões em Hong Kong, pressão de preços, pressão acadêmica ... Eu não quero que a próxima geração enfrente esse problema." Reuters
  • Maisy Mok, 22 anos, estuda jornalismo internacional. Ele dorme em uma sala de nove metros quadrados, enquanto o pai descansa em um sofá porque o apartamento é pequeno demais. "Aqueles de nós que nasceram em 1997 têm esse pensamento de que somos Hong Kong, temos essa identidade muito forte, não temos a sensação de ser cidadãos chineses até chegarmos ao ensino médio", explica Maisy, acrescentando que seria muito difícil para sua geração assimilar o sistema judicial e as regras estritas da China. "Eu amo a sátira política, são o que me levou ao jornalismo e à política", diz Maisy.
    7Maisy Mok, 22 anos, estuda jornalismo internacional. Ele dorme em uma sala de nove metros quadrados, enquanto o pai descansa em um sofá porque o apartamento é pequeno demais. "Aqueles de nós que nasceram em 1997 têm esse pensamento de que somos Hong Kong, temos essa identidade muito forte, não temos a sensação de ser cidadãos chineses até chegarmos ao ensino médio", explica Maisy, acrescentando que seria muito difícil para sua geração assimilar o sistema judicial e as regras estritas da China. "Eu amo a sátira política, são o que me levou ao jornalismo e à política", diz Maisy. Reuters
  • William Lun, 22 anos, é um aspirante a advogado, especializado em economia. Ele mora em uma sala de 6,5 metros quadrados em um apartamento que compartilha com seu pai e irmão, em Hong Kong (China). "Acho que é o sonho de todo mundo ter uma casa, marcar um estágio em sua vida quando você finalmente se estabelecer. Quero comprar uma casa em Hong Kong, mas é uma missão impossível", explica William. Quanto aos protestos, ele expressa sua insatisfação com a atitude do governo contra as reivindicações dos jovens nas últimas semanas: "Parece que eles não ouvem os jovens, eles não parecem se importar o suficiente. Dois milhões saíram [às rua], e eles dizem: 'Oh, nós os ouvimos, mas ainda assim vamos seguir em frente."
    8William Lun, 22 anos, é um aspirante a advogado, especializado em economia. Ele mora em uma sala de 6,5 metros quadrados em um apartamento que compartilha com seu pai e irmão, em Hong Kong (China). "Acho que é o sonho de todo mundo ter uma casa, marcar um estágio em sua vida quando você finalmente se estabelecer. Quero comprar uma casa em Hong Kong, mas é uma missão impossível", explica William. Quanto aos protestos, ele expressa sua insatisfação com a atitude do governo contra as reivindicações dos jovens nas últimas semanas: "Parece que eles não ouvem os jovens, eles não parecem se importar o suficiente. Dois milhões saíram [às rua], e eles dizem: 'Oh, nós os ouvimos, mas ainda assim vamos seguir em frente." Reuters
  • Zaleena Ho, 22 anos, formou-se em estudos de cinema. Ela mora em um quarto de sete metros quadrados em um apartamento que compartilha com sua família. "A situação está piorando politicamente, a maioria de nós está fazendo tudo o que podemos para manter o que ganhamos. Tenho um passaporte norte-americano, posso ir embora, mas espero que possamos mudar a situação", diz Zaleena.
    9Zaleena Ho, 22 anos, formou-se em estudos de cinema. Ela mora em um quarto de sete metros quadrados em um apartamento que compartilha com sua família. "A situação está piorando politicamente, a maioria de nós está fazendo tudo o que podemos para manter o que ganhamos. Tenho um passaporte norte-americano, posso ir embora, mas espero que possamos mudar a situação", diz Zaleena. Reuters
  • Michael Ho, 24 anos, estudou Ciências Governamentais e Internacionais na Universidade Batista de Hong Kong. Michael herdou o quarto de sua irmã, derrubou a parede que os separava e agora tem um quarto duplo de 11 metros quadrados na casa dos pais. "É impossível para os jovens crescerem, desenvolver suas carreiras, devido ao problema dos preços", comenta Michael, observando que os protestos em Hong Kong mostram o descontentamento dos jovens em relação às circunstâncias injustas que os impedem de viver seus sonhos.
    10Michael Ho, 24 anos, estudou Ciências Governamentais e Internacionais na Universidade Batista de Hong Kong. Michael herdou o quarto de sua irmã, derrubou a parede que os separava e agora tem um quarto duplo de 11 metros quadrados na casa dos pais. "É impossível para os jovens crescerem, desenvolver suas carreiras, devido ao problema dos preços", comenta Michael, observando que os protestos em Hong Kong mostram o descontentamento dos jovens em relação às circunstâncias injustas que os impedem de viver seus sonhos. Reuters
  • Sonic Lee, 29 anos, músico e compositor, mora com sua mãe e dorme em uma sala de seis metros quadrados no apartamento de sua família em Hong Kong, na China. "Se eu uso música para falar sobre o que está acontecendo e por que devemos lutar, então a música se tornará importante nesta cidade", diz Sonic, enquanto confessa seu medo em relação às proibições literárias, audiovisuais e musicais que serão impostas em Hong Kong. "Isso torna a arte e a música mais poderosas, especialmente o rock and roll", explica.
    11Sonic Lee, 29 anos, músico e compositor, mora com sua mãe e dorme em uma sala de seis metros quadrados no apartamento de sua família em Hong Kong, na China. "Se eu uso música para falar sobre o que está acontecendo e por que devemos lutar, então a música se tornará importante nesta cidade", diz Sonic, enquanto confessa seu medo em relação às proibições literárias, audiovisuais e musicais que serão impostas em Hong Kong. "Isso torna a arte e a música mais poderosas, especialmente o rock and roll", explica. REUTERS