Eclipses

Onde e como ver o eclipse solar 2019

Único eclipse solar total do ano pode ser observado na Argentina e no Chile nesta terça-feira, 2 de julho, e parcialmente no Brasil. Porto Alegre (RS) terá a melhor visibilidade do fenômeno

Veja como será o eclipse solar total de 2 de julho de 2019.

Mais informações

O único eclipse solar total de 2019 poderá ser observado no Chile e Argentina nesta terça-feira, 2 de julho, no que é considerado o maior evento astronômico do ano. O Brasil está, em sua maior parte, fora da área que será engolida pela escuridão resultante do alinhamento entre o Sol, a Lua e a Terra, mas o fenômeno poderá ser parcialmente observado —entre 5% a 60% do eclipse—, em todas as regiões do país, com exceção do Nordeste, onde infelizmente ninguém notará a Lua ocultando o Sol por alguns minutos.

A palavra eclipse vem do grego ékleipsis, que significa "desaparecimento", e é precisamente o que acontecerá nesta terça-feira, a partir das 16h38 (hora local, ou 17h38 no horário de Brasília), quando o Sol desaparecerá por alguns minutos como consequência da movimentação da Lua ao redor da Terra. Em São Paulo, será possível ver cerca de 27% do eclipse, mas em algumas cidades do Sul do Brasil, como Porto Alegre, a visibilidade chegará a 58% (ou seja, mais da metade do Sol ficará coberto pela Lua). No site Time And Date há uma ferramenta que mostra o percentual de visibilidade do eclipse solar em qualquer cidade do mundo, basta consultar no mapa interativo para saber se é possível acompanhar o evento astronômico no município escolhido.

Mais informações

O eclipse solar total começará no Oceano Pacífico (a leste da Nova Zelândia), e de lá seguirá de percorrerá a América do Sul, do oeste para leste: passará às 16h38 (hora local) pelas regiões de Atacama e Coquimbo (Chile); e a partir das 17h40 (hora local) pelas províncias argentinas de San Juan, La Rioja, San Luis, Córdoba, Santa Fe e norte de Buenos Aires e também pelo Uruguai até perder-se no Oceano Atlântico.

É um fenômeno fascinante, porém, efêmero: a duração média é de dois minutos —a maior duração deverá ocorrer cerca de 1.000 quilômetros da Ilha de Páscoa (Chile), onde o dia se transformará em noite por um total de 4 minutos e 32 segundos.

A velocidade média da sombra da Lua cruzando a América do Sul será de 2735 quilômetros por hora, o que é 2,5 vezes mais rápido do que um jato supersônico.

Os eclipses solares totais costumam acontecer em algum ponto do mundo a cada 18 meses, em média. Mas o Brasil só poderá ver em sua totalidade um eclipse solar total em 2045. A Estação Espacial Internacional (NASA) vai transmitir em vídeo ao vivo o fenômeno, com imagens obtidas pelos telescópios em Vicuña, no Chile.

Aos que estarão nas regiões do Chile e da Argentina onde haverá visibilidade total do grande eclipse solar sul-Americano, é importante munir-se de equipamentos próprios para observar o fenômeno. Há óculos e outras lentes com filtro especial para observação das luzes solares, e não é recomendável olhar diretamente para o Sol, seja a olho nu ou com óculos de sol, radiografias e telescópios.

 Com informações da Efe

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete