Oito anos de prisão para o primeiro condenado no Peru pelo caso Odebrecht

O ex-governador César Álvarez fez pagamentos ilegais com dinheiro público à construtora brasileira pela obra de uma estrada

A sessão do julgamento de César Álvarez.
A sessão do julgamento de César Álvarez.Twitter

César Álvarez, o ex-presidente regional de Ancash (a nordeste de Lima), foi condenado nesta terça-feira a oito anos e três meses de prisão em um caso envolvendo a Odebrecht. A juíza o declarou culpado por conluio agravado (acordo secreto firmado entre as partes para enganar o juiz ou prejudicar terceiros) por ter feito pagamentos ilegais com dinheiro público para a construtora brasileira que executou a obra de uma estrada e do túnel mais alto do mundo, na Cordilheira Blanca, mais de 4.000 metros acima do nível do mar.

Mais informações

O ex-governador estava em prisão preventiva desde 2014, após ser investigado pelo assassinato de duas autoridades regionais e por associação ilícita para cometer crimes. Além disso, já havia sido condenado a dois anos de prisão em 2018 por outros crimes de corrupção cometidos enquanto ocupava cargo público entre 2007 e 2014. É a primeira condenação no Peru pelo caso Odebrecht, a trama de corrupção de maior envergadura na história da América Latina.

Ao contrário de outros 40 processos de corrupção relacionados com a empresa brasileira, o encarregado da investigação foi o promotor anticorrupção Elmer Chirre, que começou a investigar Álvarez em 2015 por vários casos de fraude no uso do dinheiro público. Chirre não integra a Equipe Especial Lava Jato (peruana), mas manteve este caso, já que boa parte de suas investigações ocorreram antes da criação da Equipe Especial.

A juíza Nayko Coronado, da corte especializada em crime organizado e corrupção de funcionários públicos, impôs a mesma pena –de oito anos e três meses– a dois ex-dirigentes do Governo Regional, e outra, de seis anos, a uma ex-administradora e ao ex-funcionário público Benito Mauricio Chu, que escapou do tribunal durante a leitura da sentença e foi capturado pela polícia algumas horas depois. Três outros ex-servidores públicos foram condenados a quatro anos de prisão –mas a pena será suspensa–, enquanto três acusados de cumplicidade foram absolvidos.

Alvarez, conhecido em sua região como La Bestia (fera, monstro), também terá que pagar o equivalente a 2,4 milhões de dólares (cerca de 9,4 milhões de reais) ao Estado, enquanto os outros condenados terão de pagar 600.000 dólares, entre todos. Durante a audiência, a magistrada informou que o julgamento requereu 256 horas e 70 sessões, durante as quais foram analisados 750 documentos, em boa parte perícias de engenheiros da construtora brasileira e especialistas da Controladoria.

Coronado afirmou que o julgamento sobre a melhoria e a construção da estrada Callejón de Huaylas-Chacas-San Luis se circunscreveu apenas à fraude contra o Estado, ocorrida na fase de execução do contrato da obra. O Governo Regional de Ancash tinha como fornecedor um consórcio formado pela construtora Norberto Odebrecht Sucursal Peru e Odebrecht Peru Engenharia e Construção.

De acordo com as provas apresentadas pelo Ministério Público, e validadas pela juíza, o Governo regional beneficiou a corporação brasileira econômica e ilegalmente em quatro ocasiões. "Este tribunal tem a convicção de que houve disfunções e irregularidades de clareza evidente", disse Coronado. "Esse dinheiro em poder da empreiteira teve interesses", acrescentou.

O Estado pagou mais de 46 milhões de dólares ao consórcio como adiantamento para a compra de suprimentos "quando não havia nem terreno para realizar a obra, nem supervisor, nem recursos técnicos", descreveu a magistrada. Depois, os funcionários públicos de Ancash favoreceram a Odebrecht autorizando oito prorrogações de prazo, o que significou pagamentos adicionais de 5,25 milhões de soles, ou seja, mais de 1,5 milhão de dólares.

Subornos de 2,6 milhões de dólares

A construtora brasileira também recebeu mais de 3,48 milhões de dólares sob o conceito de "prestações adicionais", por supostas "alterações inesperadas de eixo"; isto é, trabalhos de escavação nas montanhas, dos quais muitos eram realizados no mesmo quilômetro repetidas vezes, explicou a juíza.

A Odebrecht reconheceu que pagou mais de 2,6 milhões de dólares em subornos ao então governador regional Álvarez para obter a concessão. Uma declaração obtida graças a um eficaz acordo de colaboração com a empresa brasileira, o Ministério Público e a Procuradoria Pública Anticorrupção em 2017. A construtora também reconheceu envolvimento em lavagem de dinheiro e crimes de corrupção dos quais participaram empregados seus em conluio com servidores públicos do Governo Regional de Ancash.

Ao admitir que infringiu a lei, a empresa concordou em pagar mais de 19,6 milhões de dólares em indenização civil ao Estado, montante entregue entre 2018 e maio deste ano. O promotor Chirre conseguiu corroborar em abril parte de suas investigações no interrogatório de Jorge Barata, que era o homem-forte da Odebrecht no Peru. Chirre provou que as primeiras negociações ilegais do ex-governador de Ancash com representantes da construtora brasileira, para a referida rodovia, começaram em 2007.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50