Seleccione Edição
Login
COLUNA i

Educação no Brasil vive clima de ditadura

Esse medo de professores e alunos com relação às ameaças do MEC pode ter sido a causa da forte diminuição de público nas manifestações de quinta-feira

Manifestantes protestam em São Paulo.
Manifestantes protestam em São Paulo. AFP

Junto com o descalabro econômico que poderia levar o Brasil a uma recessão técnica, o clima de medo nas instituições educacionais públicas é um dos pontos cruciais do novo Governo de extrema direita presidido por Jair Bolsonaro. A tal ponto que no mundo da educação já se vive um clima de ditadura e medo perante as ameaças impostas pelo ministro Abraham Weintraub.

Esse medo de professores e alunos com relação às ameaças do MEC pode ter sido a causa da forte diminuição de público nas manifestações desta quinta-feira em relação à gigantesca mobilização do último dia 15. Se 220 cidades aderiram à primeira marcha contra os cortes orçamentários no ensino, nesta quinta foram só 82.

As ameaças das autoridades do MEC foram taxativas: “Nenhuma instituição pública de ensino tem prerrogativas legais para incentivar movimentos políticos partidários e promover a participação de alunos nas manifestações”. Mais ainda, houve uma solicitação oficial do MEC para que “a população denuncie quem estimula manifestações em horário escolar”.

Se os estudantes que se manifestaram contra os cortes do orçamento educacional foram descritos por Bolsonaro de “idiotas úteis”, nesta quinta-feira um jovem em Fortaleza o chamou, em um cartaz escrito à mão, de “idiota inútil”. Isso indica o clima de tensão, preocupação e medo que se vive o mundo da escola e da universidade, que se veem acusados de infundir ideologia marxista aos seus alunos e que incitam a sociedade a denunciar professores e alunos.

Todo isso junto cria, com efeito, um clima de regime ditatorial que só pode causar prejuízos graves à já cinzenta educação no Brasil. Se Bolsonaro pode ter razão em denunciar que recebeu a educação com índices que aparecem sempre entre os piores em nível mundial, e que é preciso melhorar todo o universo do ensino, o que não pode é acusar os professores de terem instituído um clima ideológico de esquerda imposto aos alunos, e agora querer substitui-lo por outro de ultradireita com intimidações adicionais a quem não aceitar esse tipo de imposição.

Enquanto isso, o presidente Bolsonaro parece querer emular o carismático ex-presidente Lula, que se apresentava como Lulinha paz e amor. O até ontem duro mandatário, apaixonado pelas armas e a briga, parece transformado em Jairzinho paz e amor. Assim o vimos trocar o gesto de suas mãos imitando a uma arma pelo gesto de um coração. Mais ainda, rodeado de sorridentes deputadas e tendo ao seu lado o presidente do STF, Dias Toffoli, também com um sorriso de orelha a orelha.

A foto é emblemática porque é sabida a pouca simpatia e estima de Bolsonaro pelas mulheres. Basta recordar que defende que devem ganhar menos que os homens, e que, referindo-se à única filha de seus três matrimônios, confessou que nasceu mulher por causa de “uma fraquejada”. Assim como é enigmático a repentina paixão de Bolsonaro por Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, quando seus seguidores mais radicais pedem o fechamento desse órgão.

Algo de significativo deve existir nesse amor repentino de Bolsonaro por Toffoli, a tal ponto que, enquanto fazia o gesto do coração com as mãos, transformando-se uma vez em pacifista, chegou a confessar: “É muito bom ter a Justiça ao nosso lado”. Caberia se perguntar qual interesse, inclusive pessoal ou familiar, pode ter o presidente para sentir o gozo de ter ao seu lado, como protetor, o controvertido presidente do STF, Dias Toffoli.

Enquanto isso, no Ministério da Educação, pede-se à sociedade e aos alunos que denunciem os professores que tentarem estimulá-los a desenvolver um direito sagrado e constitucional de manifestação e de liberdade de expressão e pensamento. O que fará Dias Toffoli, o presidente do Supremo, a última conquista amorosa de Bolsonaro, se chegar às suas mãos um pedido para julgar esse clima ditatorial e de medo nas escolas e universidades?

Tem razão Bolsonaro ao dizer que “é muito bom”, em certos momentos, “ter a Justiça ao seu lado”. Enquanto isso, com o Governo às voltas com essas inúteis brigas ideológicas, parece que os milhões de pobres, que o são cada dia mais e mais numerosos, sumiram de cena. Ninguém fala dos 13 milhões de pessoas sem emprego, das quais seis milhões, desiludidas, nem o buscam mais. Dos milhares de estudantes que tiveram que deixar as salas de aula para ir aliviar a pobreza de seus pais trabalhando para pagar dívidas.

Ninguém fala em fazer uma grande campanha para ajudar os milhões de analfabetos funcionais que este país arrasta desde os tempos da escravidão, e que são os verdadeiros párias, porque ficam sempre à margem da riqueza e da cultura, massa de manobra para a compra de votos que perpetua a política incapaz de se colocar ao lado dessa gente e escutar a dor que levam dentro de si há gerações.

Ainda ontem, um trabalhador, que tem a sorte de contar com um pequeno salário, me dizia: “Pobre tem que morrer”. Terrível exame de consciência para os satisfeitos, os que sim têm direito a viver, embora seja à custa de quem nasceu para morrer antes de ter tempo de sonhar.

MAIS INFORMAÇÕES