Seleccione Edição
Login

Segundo ato por ensino continua capilarizado por cidades do país

Manifestações ocorreram em centenas de cidades brasileiras de todos os Estados e ampliaram a pauta. Em resposta, Governo orienta pais e alunos a denunciarem professores que estimulem a participação nos protestos dentro das escolas

Manifestantes na Cinelândia, no Rio.
Manifestantes na Cinelândia, no Rio. AP

Estudantes e professores voltaram a protestar nesta quinta-feira contra as medidas do Governo federal que diminuíram as verbas para a educação no país. A segunda série de atos pela educação em 15 dias trouxe bandeiras mais abrangentes, como a condenação da Reforma da Previdência, mas seguiu expressiva e se espalhou novamente por centenas de municípios, em todos os Estados da federação. Provocou, assim, a reação do Governo, ainda que o presidente Jair Bolsonaro não tenha se manifestado publicamente. O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, divulgou por meio do MEC uma nota em que estimulava que pais e alunos fizessem denuncia à ouvidoria do órgão caso presenciassem a divulgação dos protestos durante o horário escolar.

O clima de tensão chegou às ruas. No ato em São Paulo, alguns participantes evitavam dar seus nomes à imprensa durante as entrevistas, afirmando temer represálias. “As diretorias estão pressionando os professores para não participar de atos como este. Uma colega que postou uma foto no ato do dia 15 foi chamada à atenção”, revelou uma professora de Geografia. “Há uma sensação de medo nesse sentido. Em 20 anos trabalhando na rede de ensino estadual, nunca vivi algo assim”, emendou um professor de Química.

O ato da capital paulista começou por volta das 16h no Largo da Batata, em Pinheiros. Tinha cartazes e faixas —a maior delas, de vários metros, dizia: “O Brasil se une pela educação. Por volta das 19h, a manifestação seguiu pela Avenida Rebouças, em direção à Avenida Paulista, onde se dispersou. As estudantes de Direito da PUC Suzana L., de 18 anos, Maria Júlia, de 20 anos, e Lívia P., de 18 anos, que já haviam participado da manifestação do último dia 15, marcaram presença também nesta quinta. “Estamos indignadas com esses cortes e temos que tentar vetá-los nas ruas. É o nosso futuro que está em jogo, independente de estarmos em uma universidade particular. Queremos educação digna para todos”, afirmou Suzana. As amigas têm acompanhado o debate político e as diferentes declarações dos membros do Governo sobre o assunto. “Apesar de eles terem recuado, precisamos continuar nas ruas, pressionando”, defende Maria Júlia.

As jovens notaram, no entanto, que a mobilização desta quinta-feira foi menor que a do dia 15. “Não tem o mesmo clima que tinha na primeira. As pessoas estão na dúvida em relação à estratégia, se continuar pressionando nas ruas ou usar outra tática, e acho que isso deu uma murchada”, comentou Suzana. “O discurso das pessoas ainda é muito forte a favor da educação, mas isso sai pouco das paredes da faculdade. Falta mobilização nesse sentido”, lamentou Lívia.

No ato, a defesa da educação dividiu espaço com cartazes, gritos e declarações em carro de som contra a Reforma da Previdência e contra o Governo, em geral, além de bandeiras do PSOL, PSTU e da CUT. Eram abundantes as faixas e adesivos com frases como “Fora, Bolsonaro”, um dos motes usados para convocar os manifestantes ali presentes para uma greve geral em 14 de junho.

Para Paulo Brito, professor aposentado de sociologia, de 69 anos, no entanto, a pauta do dia estava clara: “Nunca vou parar de lutar pela educação pública de qualidade, pela manutenção das universidades públicas”. Ele, que viveu “cortes” na educação durante a ditadura militar, protestou também contra a "demonização” de disciplinas como sociologia e filosofia nas escolas. “Eles não querem ciência que produz conhecimento, não querem cidadãos pensantes”, disse, referindo-se ao Governo. Os atos são uma reação à decisão do Governo Bolsonaro de bloquear 30% do Orçamento do MEC. Depois dos atos do último dia 15, entretanto, decidiu liberar 21% do valor que havia sido contingenciado

Em Brasília a principal pauta do protesto foram os cortes na educação. Ainda assim, havia os que pediam a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os que queriam o impeachment do presidente Bolsonaro e quem questionasse o ministro Sérgio Moro sobre o sumiço de Fabrício Queiroz —o ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL) suspeito de arrecadar recursos de servidores do gabinete dele quando era deputado estadual. “Defendo ‘Lula Livre’ porque não teve nenhum outro presidente que fez mais pela educação brasileira do que Lula”, afirmou a atriz Luisa Leite, 27.

Além de defensores de Lula, havia militantes de vários partidos e de movimentos sociais, como REDE, PSOL, PCdoB, PCB, MTST e MST. O ato na capital federal reuniu 1.500 pessoas, segundo a Polícia Militar, e 10.000 conforme os organizadores. Nas duas contas foi menor do que os últimos protestos na cidade. Em 15 de maio, quando a pauta era a mesma desta quinta-feira, os policiais disseram que havia 6.000 pessoas na Esplanada dos Ministérios. Os organizadores diziam que era 50.000. Já no ato a favor do Governo Bolsonaro, no domingo, a polícia estimou em 20.000 participantes. No início do protesto houve uma confusão que acabou com a prisão de duas pessoas. A polícia precisou usar spray de pimenta para dispersar parte dos manifestantes que tentaram impedir as detenções.

Segundo a União Nacional dos Estudantes, houve atos em ao menos 200 cidades de todos os Estados. O descontentamento esteve nas ruas do Rio de Janeiro —onde uma multidão se reuniu no centro com falas também contra a Previdência— as de locais como a cidade de Barbalha, no Cariri cearense, onde a decoração para a festa de Santo Antônio dividiu espaço com faixas pela defesa da "universidade pública, gratuita, popular e de qualidade”. Também dominou as redes sociais, que foi palco de uma batalha de hashtags: a #30MpelaEducação dominou o topo dos trendings topics do Twitter ao longo do dia, até que perdeu o posto para #Marolinha30M, que ironizava o fato de os atos terem sido menores.

A menor participação deu um pequeno respiro ao Governo em um dia de más notícias na área econômica, com a divulgação de uma retração no PIB do primeiro trimestre do ano. Mas a alta capilaridade do movimento pelo Brasil ainda representa um desafio para Bolsonaro, que precisa mostrar forças para conseguir encaminhar as reformas necessárias para tentar acelerar a economia. O descontentamento nas ruas pode contaminar o humor de deputados, já reticentes a aprovar as medidas mais impopulares.

MAIS INFORMAÇÕES