Seleção brasileira feminina

A maior veterana das Copas e as estreantes: quem são as brasileiras convocadas para a seleção feminina

Lista de Vadão contempla experientes, como Formiga, Marta e Cristiane, destaques do futebol europeu, como Andressa Alves, e atletas de clubes brasileiros

Seleção feminina contra a Escócia, no último amistoso antes da convocação.
Seleção feminina contra a Escócia, no último amistoso antes da convocação.Laura Zago (CBF)

MAIS INFORMAÇÕES

Nesta quinta-feira (16 de maio), o treinador da seleção brasileira Vadão anunciou as 23 convocadas para a disputa da Copa do Mundo feminina que acontece na França, do dia 7 de junho ao 7 de julho. Sem muitas novidades, a lista conta com figurinhas carimbadas no Brasil, como Marta, Cristiane e Formiga, outras que se destacam agora na Europa, como Andressa Alves e Ludmilla, além de atletas que jogam no Brasil. A seleção está no grupo C do Mundial, ao lado de Itália, Austrália e Jamaica, e estreia contra as caribenhas no dia 9 de junho, em Grenoble.

O anúncio da lista de convocadas foi feito em evento na CBF que contou com a presença do treinador Vadão e do coordenador de futebol feminino da Confederação, Marco Aurélio Cunha. Após a convocação, ambos deram entrevista coletiva, onde Cunha defendeu o trabalho do atual treinador apesar das nove derrotas nos últimos dez jogos disputados: "Vamos fazer um grande campeonato e somos candidatos ao título". Vadão, por outro lado, chamou a atenção por algumas gafes durante respostas. Em uma, afirmou que a Jamaica, primeira adversária do Brasil, tem o "estilo africano", apesar do país ficar no Caribe. E, ao ser perguntado sobre as diferenças do vestiário do futebol feminino para o futebol masculino, o treinador não titubeou ao classificar as mulheres como "mais difíceis de se acalmar".

Abaixo, os perfis das 23 escolhidas pela comissão técnica da seleção brasileira feminina.

Aline

Goleira do Tenerife da Espanha desde o ano passado, Aline Reis tem 30 anos de idade e é natural de Campinas, São Paulo. Foi na cidade do interior que ela começou no esporte, fazendo parte da equipe feminina de base do Guarani. Aos 18 anos, saiu do país para tentar conciliar a rotina de estudo com o esporte; nos Estados Unidos, conseguiu um mestrado em esporte da Universidade Central da Flórida. Em entrevista recente à Folha de S. Paulo, Aline criticou o presidente Jair Bolsonaro, elogiou o empoderamento das mulheres e afirmou que "jogar futebol feminino é estar do lado das minorias". Aline ainda chama atenção para sua baixa estatura como goleiro, já que tem somente 1,63 metro.

Bárbara

Aos 30 anos, a goleira titular do Brasil frequenta a seleção desde os 18 anos de idade. A pernambucana joga no Avaí/Kindermann desde 2017, um ano após se destacar na campanha que resultou no quarto lugar para o Brasil no torneio de futebol feminino das Olimpíadas do Rio de Janeiro. Bárbara tem no currículo o vice da Copa do Mundo de 2007, o vice das Olimpíadas de 2008 e duas medalhas de ouro panamericanas, em 2007 e em 2015. Recentemente, foi homenageada no hall da fama da Arena Pernambuco, na sua cidade natal.

A goleira Bárbara.
A goleira Bárbara.Fernanda Coimbra (CBF)

Letícia Izidoro

Lelê, como é conhecida a Letícia Izidoro, vai para o seu segundo Mundial com apenas 24 anos. Goleira titular do Corinthians desde 2017, quando a equipe alvinegra ainda funcionava em parceria com o Osasco Audax, ela foi convocada para o torneio em 2015 na época em que jogava pelo Centro Olímpico; um ano antes, foi titular da seleção no Mundial sub-20.

Fabiana Baiana

Com passagens por Corinthians, China e Barcelona, a lateral-direita Fabiana esteve presente nas duas últimas Copas do Mundo, em 2015 e 2011, e nas três Olimpíadas anteriores: 2008, 2012 e 2016. Aos 29 anos, ela defende o Internacional, clube que joga a primeira divisão do campeonato brasileiro feminino.

Letícia Santos

A lateral-direita de 24 anos é natural de Atibaia, São Paulo, e defende o Sand da Alemanha desde 2016. Antes, teve passagem pelo Avaldsnes, da Noruega, e pelo São José, onde foi campeã da Libertadores. É o primeiro Mundial da Letícia, que disputou a competição sub-20 em 2014.

Tamires

Tamires, 31 anos, é de Caeté, Minas Gerais, e vai para a sua segunda Copa do Mundo. A lateral-esquerda jogou o Mundial de 2015, quando defendia o Centro Olímpico. Desde aquele ano, defende o Fortuna, clube da Dinamarca.

Camila

Mais conhecida como Camilinha, a atleta de 24 anos é conhecida pela versatilidade, uma vez que pode ser meia ou lateral-esquerda. Na coletiva, Vadão ressaltou que a polivalência da atleta foi decisiva para a convocação. Camila defende o Orlando Pride, mesmo clube de Marta, e teve passagens por Iranduba de Manaus e Corinthians no Brasil.

Erika

Aos 31 anos, a zagueira do Corinthians já jogou três Olimpíadas (2008, 2012 e 2016) e uma Copa do Mundo, em 2011. Além do clube alvinegro, do qual diz ser torcedora desde a infância em São Paulo, ela tem passagens por Santos, Centro Olímpico e PSG.

Kathellen

A zagueira de 23 anos nasceu em São Vicente, no litoral de São Paulo, mas começou a jogar futebol de campo somente quando conseguiu uma bolsa para o Louisiana Monroe, um time de futebol feminino universitário dos Estados Unidos. Chamada pela primeira vez com Vadão, Kathellen hoje defende o Bordeaux, da França.

Mônica

Outra zagueira do Corinthians, Mônica é gaúcha de Porto Alegre, tem 32 anos e é convocada pela seleção há mais de dez temporadas. Disputou o Mundial de 2015, quando jogava pelo Flamengo, e as Olimpíadas de 2016, já no Orlando Pride. Ainda passou pelo Atlético de Madrid antes de ser anunciada, neste ano, na equipe corintiana.

Tayla

A zagueira Tayla tem 27 anos e nasceu em Praia Grande, São Paulo. Ela esteve presente na Copa de 2015, apesar de reserva, quando defendia o Centro Olímpico. Jogou depois no Iranduba e estava no Santos até o início de 2019, quando se transferiu para o Benfica de Portugal.

Andressinha

A meia Andressinha.
A meia Andressinha.Lucas Figueiredo (CBF)

Um dos principais nomes da seleção, Andressa é meia, gaúcha de Roque Gonzales e tem 24 anos. Participou Mundial de 2015, com apenas 20 anos, e dos Jogos Olímpicos de 2016. Conhecida pela habilidade, ela começou no Kindermann de Santa Catarina, jogou no Iranduba e hoje defende o Portland Thorns, nos Estados Unidos.

Formiga

Nenhuma das convocadas tem mais história no futebol que Formiga. Miraildes Maciel Mota, natural de Salvador, tinha 17 anos quando jogou sua primeira Copa, em 1995, na Suécia. Seis Copas e 24 anos depois, Formiga vai novamente a um Mundial. Ela havia se aposentado da seleção, mas voltou atrás após um pedido de Vadão. Agora, será a jogadora mais velha a participar do torneio feminino, além de recordista absoluta de participações entre homens e mulheres, com sete. No currículo da volante, São Paulo, Santos, Rosengard da Suécia, São José e, atualmente, PSG.

A jogadora Formiga, maior veterana das Copas do Mundo, durante uma partida no Japão pela seleção brasileira, em março.
A jogadora Formiga, maior veterana das Copas do Mundo, durante uma partida no Japão pela seleção brasileira, em março.Laura Zago

Luana

Aos 26 anos, a meia Luana, do Jeonbuk KSPO, da Coreia do Sul, ganhou a oportunidade de jogar sua primeira Copa do Mundo pela seleção brasileira. Ela foi convocada substituindo Adriana, artilheira e melhor jogadora do campeonato brasileiro de 2018 pelo Corinthians, equipe que terminou campeã. Na última sexta-feira, através do Instagram, o time alvinegro comunicou que, apesar de convocada por Vadão, Adriana tinha sofrido uma ruptura total do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo e passará por cirurgia na quarta-feira da semana que vem, o que inviabiliza a participação da meia de 23 anos no Mundial da França. Luana tem passagens pelo Centro Olímpico e pelo Avaldsnes, da Noruega.

Thaisa

Com 30 anos, a meia é outra que esteve com o Brasil na Copa de 2015 e nas Olimpíadas do Rio. Na época, peregrinava por algumas equipes brasileiras, como América Mineiro, São José e Osasco Audax. Natural de Xambrê, no Paraná, ela defende o Milan desde o ano passado; é a única convocada que joga na liga italiana feminina.

Beatriz Zaneratto

Primeira atacante a ser anunciada na lista de Vadão, Bia, nascida em Araraquara, é peça fundamental na equipe do treinador brasileiro. Aos 25 anos, ela é uma das principais artilheiras dos últimos anos de seleção, marcando seis vezes na Copa América do ano passado e três nas Olimpíadas de 2016. Também participou das Copas de 2015 e 2011, ambas como reserva. Zaneratto é camisa 10 do Incheon Hyundai, da Coreia do Sul, desde 2015.

Cristiane

Cris é outra veterana da seleção com vasto currículo; estreou em Mundiais em 2003, com apenas 18 anos, e vai para sua quinta Copa. Desde a estreia, a jogadora nascida em Osasco passou por Wolfsburg, Corinthians, Santos, Centro Olímpico, PSG e Changchun Dazhong, da China. Ela se firmou como grande parceira de Marta nas melhores campanhas mundiais e olímpicas da seleção, sempre vestindo a camisa de número 11. Em Olimpíadas, nenhuma mulher fez mais gols que Cristiane: são 14, marcados ao longo de quatro Jogos. Em 2019, a atacante topou ser a referência da nova equipe profissional do São Paulo e jogar a segunda divisão nacional, mas uma lesão não permitiu que ela tivesse uma sequência pelo seu clube; e quase a deixou de fora do Mundial da França.

Cristiane sendo apresentada no São Paulo.
Cristiane sendo apresentada no São Paulo.Rubens Chiri (saopaulofc.net)

Raquel

A atacante de Contagem, Minas Gerais, é outra que disputou a Copa de 2015 e as Olimpíadas de 2016, quando já se destacava pela velocidade. Tem 28 anos e passagens por Ferroviária, Corinthians e Iranduba no Brasil. Desde 2018, joga pelo Huelva da Espanha.

Debinha

Aos 27 anos, Debinha foi titular nos Jogos Olímpicos de 2016, também sob o comando de Vadão. A atacante, que nasceu em Brazópolis, Minas Gerais, defende o North Carolina Courage desde 2017. Antes, jogou na China, na Noruega, no São José e no Centro Olímpico. O apelido no diminutivo é pela sua altura: apenas 1,57 metro, a mais baixa entre as convocadas.

Geyse

Camisa 9 do Benfica, de Portugal, Geyse, 21 anos, se destaca por ser a mais nova entre as escolhidas; ela foi "puxada" por Vadão diretamente da seleção sub-20, por quem disputou a Copa do Mundo em 2018. Natural de Maragogi, Alagoas, a atacante se destacou no Corinthians, foi para o Madrid CFF em 2016 e está em sua primeira temporada em Portugal.

Ludmilla

A atacante de 24 anos vai para o seu primeiro Mundial com a seleção brasileira. Nascida em Guarulhos, ela se destacou com a camisa do São José quando, em 2017, foi para a Espanha jogar pelo Atlético de Madrid. Hoje, é um dos destaques da liga espanhola, em um time que se notabiliza pelos recordes de público em estádio para assistir jogos de futebol feminino. Pelo Atleti, Ludmilla é bicampeã espanhola.

Marta

Camisa 10, referência, capitã e melhor do mundo. Não importa a idade, a fase ou o clube, Marta segue sendo a principal jogadora da seleção brasileira. A alagoana de Dois Riachos vai para sua quinta Copa do Mundo com 33 anos e um currículo que inclui seis prêmios de melhor jogadora da FIFA, o último entregue no ano passado, e uma quantidade de gols pelo Brasil que supera a marca de Pelé na seleção masculina: 117 contra 95. 15 deles foram marcados em Copas, o que a torna também a melhor artilheira da história do torneio. Marta veste a camisa do Orlando Pride desde 2017, mas tem em sua carreira passagens duradouras por três equipes suecas (Umea, onde foi campeã da Champions em 2004, Tyreso e Rosengard), além do início pelo Vasco e dois anos jogando no Santos, quando venceu Libertadores e Copa do Brasil com as Sereias da Vila.

Andressa Alves

Quando se fala em futebol europeu, onde estão as melhores jogadoras do mundo, Andressa Alves é quem está tendo a melhor temporada. A atacante de 26 anos jogará a final da Champions feminina com o Barcelona contra o atual tricampeão, Lyon. Nesta temporada, ela também foi protagonista em uma acusação de racismo feita pelo seu treinador na partida contra o Rayo Vallecano, pela liga espanhola. Andressa defende o Barça desde 2016, quando foi contratada do Montpellier, da França. No Brasil, teve uma passagem de três anos pelo São José, onde ganhou uma Libertadores. Pela seleção, jogou o Mundial de 2015 e os Jogos Olímpicos de 2016, marcando uma vez em cada.

Arquivado Em: