Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

A primavera do DEM

Com status de primeiro-ministro, partido caminha para ser peça estratégica na sustentação do Governo Bolsonaro

Na entrega da proposta da Nova Previdência, três democratas ao lado de Bolsonaro: o ministro Onyx Lorenzoni (E), e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (C), e do Senado, David Alcolumbre (D).
Na entrega da proposta da Nova Previdência, três democratas ao lado de Bolsonaro: o ministro Onyx Lorenzoni (E), e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (C), e do Senado, David Alcolumbre (D).Divulgação (Onyx Lorenzoni)
Mais informações

As voltas que o mundo político dá é impressionante. O Democratas, aquele mesmo que o ex-presidente Lula tentou extirpar do quadro partidário brasileiro, retorna ao centro do poder com força invejável.

O partido preside, simultaneamente, as duas Casas do Congresso Nacional pela primeira vez na história: Rodrigo Maia na Câmara e Davi Alcolumbre no Senado.

É a única legenda com nome civil dentro do Palácio do Planalto (Onyx Lorenzoni na chefia da Casa Civil), além de comandar outros dois portentosos ministérios: Agricultura (Tereza Cristina) e Saúde (Mandetta).

O DEM, antigo PFL, ressurge das cinzas como uma fênix não por acaso. O avanço do partido é consequência direta da coesão programática cultivada na arena política. Foi a principal força partidária que se contrapôs sem nenhuma dubiedade ao modelo de governo petista durante longos 14 anos; agora, naturalmente, colhe os frutos.

Na oposição, capitaneou a derrubada da CPMF, a maior derrota política do governo Lula no Congresso; liderou a criação de CPIs marcantes, como a dos Correios e da Petrobras; combateu as tentações bolivarianas de alas do PT, como a tentativa de controle da imprensa e a busca de um terceiro mandato para Lula.

Distante do poder, o DEM passou anos na escassez, a pão, água e forte desidratação. Viu suas bancadas congressuais minguarem. Foi a legenda que mais perdeu parlamentares na década passada: uma sangria de 45 deputados federais entre 2003 e 2016.

O confronto com o PT lhe rendeu protagonismo nacional. Das poltronas do Parlamento, lideranças democratas reverberavam as mais ácidas críticas ao projeto de poder petista. A partir de 2013, ao contrário do que fez o PSDB, o partido mobilizou suas estruturas internas e tornou-se sócio dos protestos de rua que levaram ao impeachment de Dilma Rousseff.

Hoje, após doze anos desde a mudança de nome, o DEM vive sua primavera. O início da virada foi sentido nas eleições municipais de 2016, quando o PT perdeu mais de 50% das suas prefeituras, enquanto o DEM cresceu 16% no número de cidades governadas. Desde 1996 o partido não apresentava crescimento no total de prefeituras conquistadas.

Das eleições de 2018, em contraposição ao desmanche dos grandes partidos nas urnas, o DEM emergiu como um dos poucos vitoriosos. Ganhou os governos de Goiás (Ronaldo Caiado) e Mato Grosso (Mauro Mendes), elegeu os vice-governadores de São Paulo e Mato Grosso do Sul e no geral comandará 10,3 milhões de habitantes. Em 2014, o partido não havia ganhado em nenhum estado.

Na Câmara Federal, foi o terceiro partido que mais progrediu quando comparado ao pleito de 2014, com crescimento de 38% no número de assentos. No Senado, conquistou a quinta maior bancada da Casa. Hoje, o partido lidera o maior bloco político da Câmara, com 301 deputados — algo inimaginável quatro anos atrás.

Com status de primeiro-ministro, o DEM caminha para ser peça estratégica na sustentação do Governo Bolsonaro, ofertando-lhe experiência, moderação e ímpeto reformista, característico da legenda.

Na era FHC, sob a liderança de Luís Eduardo Magalhães, o partido tornou-se peça-chave na aprovação de reformas para a modernização do país, como a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a abertura econômica e a agenda de privatizações. No governo Temer, foi a única legenda da Câmara a entregar 100% dos votos favoráveis à reforma trabalhista.

Hoje, como na época do “pefelê”, o Democratas será o principal fiador das reformas estruturais no Congresso Nacional, sobretudo a da Previdência — a mais urgente de todas no atual cenário.

Não é pequena a oportunidade que se apresenta ao partido. Com expertise política acumulada, o DEM pode ocupar o espaço partidário que já foi do PSDB e do PT e encabeçar um novo polo político, distante de radicalismos ideológicos, capaz de entregar estabilidade institucional, governabilidade e convicção na aprovação de reformas liberalizantes.

De credencial reformista e visão doutrinária liberal, o Democratas pode ser o próximo centroavante da política nacional. A conferir.

Murilo Medeiros é cientista político (UnB) e assessor legislativo no Senado Federal. É pós-graduando em Democracia, Direito Eleitoral e Poder Legislativo pelo Instituto Legislativo Brasileiro (ILB).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: