Seleccione Edição
Login

Trump: “A Rússia tem que ir embora da Venezuela”

Presidente dos EUA recebe a mulher de Guaidó e sobe o tom de sua ameaça a Maduro:

“Não se pode alcançar mais pressão da que eles já enfrentam se não for no âmbito militar”

Donald Trump com Fabiana Rosales, nesta quarta-feira na Casa Branca.
Donald Trump com Fabiana Rosales, nesta quarta-feira na Casa Branca. AP

Donald Trump recebeu Fabiana Rosales, mulher de Juan Guaidó, nesta quarta-feira no Salão Oval da Casa Branca e salientou seu apoio ao líder da Assembleia Nacional, mais de dois meses depois de ele ser reconhecido pelos Estados Unidos e por meia centena de outros países como presidente interino da Venezuela, mas com Nicolás Maduro ainda instalado no poder. O mandatário norte-americano elevou o tom de suas ameaças ao regime chavista, dizendo que “não se pode alcançar mais pressão da que eles já enfrentam se não for no âmbito militar”, e lançou uma mensagem direta também a Moscou, que enviou militares ao país caribenho: “A Rússia deve ir embora”.

Estava previsto que coubesse ao vice-presidente Mike Pence recepcionar Rosales na Casa Branca, mas Trump decidiu afinal também fazer as honras à esposa de Guaidó, a quem se referiu como primeira-dama. “Hoje temo pela vida de meu marido”, chegou a dizer Rosales à imprensa, destacando as acusações de “terrorismo” contra o irmão de Guaidó, Gustavo, e a detenção de Roberto Marrero, seu braço direito. “É um golpe ao círculo mais próximo do presidente pretendendo desestabilizar sua luta”, acrescentou.

Conforme as semanas transcorrem na Venezuela, as sanções por parte dos Estados Unidos se multiplicam — contra o petróleo, contra o ouro, contra o coração da economia venezuelana —, a pressão diplomática se intensifica e a crise no país se agrava, mas o chavismo permanece no comando dos efetivos do Governo, protegido pelo Exército. Agora, além disso, conta com novo apoio militar russo. O Kremlin, grande aliado de Maduro, reconheceu na terça-feira que enviou “especialistas”, que se somam à mobilização de baterias antiaéreas russas S-300 na periferia de Caracas.

A pergunta sobre qual será o ponto de ruptura a partir do qual a Administração Trump optaria por uma intervenção militar não deixa de se repetir em Washington a cada entrevista coletiva e a cada conversa exclusiva, à medida que o tempo passa e a situação política se deteriora. O Governo norte-americano diz que ainda há margem para pressionar com sanções, muitas das quais ainda não foram postas em prática de forma efetiva, mas nesta quarta-feira Trump soou mais duro. “Atualmente eles já enfrentam muita pressão, não têm mais dinheiro, não têm petróleo, não têm nada. Então, veremos”, afirmou. “Fora do âmbito militar, não se pode alcançar mais pressão do que eles já enfrentam”, acrescentou, insistindo no lema oficial dos EUA neste conflito: “Todas as opções estão sobre a mesa”.

MAIS INFORMAÇÕES