Trump reconhece soberania de Israel sobre as Colinas de Golã

“Isso é algo que deveria ter sido feito há muitas décadas”, afirmou o presidente dos EUA na Casa Branca. Ele estava acompanhado pelo premiê israelense, Benjamin Netanyahu

Donald Trump mostra sua assinatura após o encontro com Netanyahu.
Donald Trump mostra sua assinatura após o encontro com Netanyahu.Susan Walsh / AP

Mais informações

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente, nesta segunda-feira, a soberania israelense sobre as Colinas de Golã, um território sírio ocupado por Israel desde 1967. A decisão foi antecipada pelo mandatário da primeira potência mundial na última quinta-feira, quando, em plena festa de Purim (carnaval judaico), anunciou que Washington romperia o status quo nesse território. Trump, que justificou a decisão pelas “agressivas ações” do Irã e pelos “grupos terroristas” que agem contra Israel, deu nesta segunda o passo definitivo ao firmar o decreto que reconhece oficialmente sua soberania. “Isso é algo que deveria ter sido feito há muitas décadas”, declarou Trump na Casa Branca, acompanhado pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Os EUA reconhecem “o direito absoluto de Israel de se defender”, afirmou o presidente ao lado de Netanyahu, que realiza uma visita oficial ao país. O premiê israelense foi obrigado a interromper a viagem e regressará hoje a Israel, depois que um foguete lançado em Gaza deixou sete feridos em Tel Aviv na noite de domingo — um ataque descrito por Trump como “desprezível” e “horrendo”.

Os dois mandatários compareceram à Casa Branca para encenar uma relação bilateral que, nas palavras do presidente norte-americano, “nunca foi tão forte”. “Foi uma decisão que demorou muito a ser realizada”, disse Trump. A declaração significa uma mudança drástica na política exterior dos EUA e contraria uma resolução da ONU, que rejeita os direitos de Israel sobre um território anexado pela força na guerra dos Seis Dias.

O primeiro-ministro israelense agradeceu o gesto de Trump, afirmando que o Golã foi ganho “numa guerra justa de autodefesa”. Netanyahu acrescentou que seu país nunca entregará as colinas e qualificou o reconhecimento dos EUA como “justiça histórica”. Sobre o foguete lançado na noite de domingo, Netanyahu afirmou que Israel “não vai tolerar” ataques do Hamas. “Faremos o que for preciso para defender nosso povo e nosso Estado”, declarou.

Os mandatários foram acompanhados por Jared Kushner, genro e conselheiro de Trump, assim como pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, e o vice-presidente, Mike Pence.

Netanyau volta hoje mesmo a Israel, um dia antes do previsto, abrindo mão do jantar que Jared Kushner havia organizado em sua homenagem. A visita a Washington e, sobretudo, o reconhecimento dos EUA sobre a soberania de Israel nas Colinas de Golã significam um grande apoio a Netanyahu, que disputa eleições em 9 de abril. Segundo as pesquisas, será complicado ele se reeleger. “Você sempre esteve presente, inclusive hoje”, disse Netanyahu a Trump. “Seu reconhecimento chega num momento em que o Golã é mais importante do que nunca para a nossa segurança.”

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50