Papa abre cúpula contra abusos sexuais anunciando “medidas concretas e eficazes”

Durante três dias, 190 líderes religiosos se reúnem no Vaticano para tratar de pedofilia na Igreja

O Papa, durante a oração em que deu início à cúpula contra a pedofilia
O Papa, durante a oração em que deu início à cúpula contra a pedofiliaVINCENZO PINTO (AFP)

O Papa Francisco iniciou nesta quinta-feira a cúpula sobre os abusos sexuais, que se realiza no Vaticano até o próximo domingo, 24. Diante de uma plateia de 190 líderes religiosos (entre presidentes de conferências episcopais, representantes de igrejas orientais, chefes de dicastérios e bispos sem dioceses), Francisco recordou o objetivo do encontro histórico. "Eu os convoquei para que juntos possamos ouvir o grito dos pequenos que pedem justiça".

Mais informações

Em uma apresentação curta e austera, o próprio Papa enfatizou a necessidade de mudar o rumo e estancar a hemorragia que dessangra a Igreja Católica, com ações precisas. "Nossos corações estão cobertos pelo peso da responsabilidade pastoral e eclesial que nos obriga a discutir em conjunto, de modo sinodal, sincero e profundo, como lidar com este mal que aflige a Igreja e a humanidade. O povo santo de Deus olha para nós e não espera só condenações simples e óbvias, mas todas as medidas concretas e eficazes que são necessárias. É preciso ser específico.”

Além disso, Francisco anunciou aos participantes que lhes preparou por escrito algumas linhas básicas fundamentadas em reflexões anteriores enviadas por conferências episcopais e sobre as quais agora devem trabalhar. Uma espécie de lista de medidas urgentes que cada diocese tem de gravar a fogo em sua maneira de proceder. "Um ponto de partida que vem de vocês e em vossa direção. Mas isso não diminui a necessidade da criatividade, que deve vir de vocês nesta reunião. [...] Que a Virgem Maria nos ilumine para tentar curar as graves feridas que escândalos de pedofilia têm causado nos pequenos e nos crentes.”

Desse modo, com uma oração e um vídeo com depoimentos de vítimas, começou nesta quinta-feira no Vaticano a histórica cúpula contra os abusos sexuais na Igreja. Com uma organização semelhante à de um sínodo de três dias, os 190 participantes se reúnem na Sala Paulo VI do Vaticano sob o mesmo esquema e três temas centrais: a responsabilidade dos bispos, a prestação de contas e a transparência.

A cada dia haverá várias apresentações, 10 grupos de trabalho divididos por idiomas e uma sessão de conclusões. Na manhã desta quinta-feira foi a vez do cardeal filipino, Luis Antonio Tagle, e do arcebispo de Malta, Charles Scicluna. O segundo, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé e principal especialista nas investigações de casos de abuso, deu uma aula magistral de direito e procedimentos básicos a serem seguidos pelos bispos quando detectam um caso. A intervenção, rica em dados e citações da documentação existente, mostra a carência de conhecimento das normas em algumas dioceses. Mas o arcebispo destacou que o papel da vítima nos processos é muito limitado e tem que ser expandido.

No domingo de manhã, o Papa dará uma declaração de encerramento em que poderá haver um anúncio que atenda à demanda das vítimas de algumas medidas concretas após a cúpula. A convocação representa um ponto de virada para a hierarquia católica, que por décadas encobriu os casos de pedofilia. As vítimas pressionam para que o discurso do Papa de "tolerância zero" seja posto em prática.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: