Seleccione Edição
Login

Igreja da Pensilvânia encobriu mais de 1.000 abusos contra crianças nas últimas décadas

Crimes foram descobertos na maior investigação sobre o tema já concluída nos Estados Unidos

O promotor geral da Pensilvânia, Josh Shapiro, em coletiva de imprensa nesta terça-feira
O promotor geral da Pensilvânia, Josh Shapiro, em coletiva de imprensa nesta terça-feira AP

Um terremoto eclesiástico sacode a Pensilvânia, no leste dos Estados Unidos. Um brutal relatório do grande júri revelou nesta terça-feira, 14, que mais de 300 sacerdotes abusaram de crianças, meninos e meninas, nas últimas sete décadas. Esta investigação, que conseguiu identificar mais de 1.000 vítimas menores de idade, é a mais robusta que se levou a cabo nos Estados Unidos sobre abusos sexuais na Igreja Católica. O promotor geral do Estado, Josh Shapiro, revelou os escabrosos detalhes do documento, onde se conclui um "acobertamento sistemático por parte de altos servidores da igreja na Pensilvânia e no Vaticano".

Sacerdotes que sabiam dos abusos decidiram proteger a igreja, não as vítimas: "O foco não era ajudar as crianças, mas evitar o escândalo", disse Shapiro em uma coletiva de imprensa. Como consequência do acobertamento, "quase todos os casos de abuso que encontramos são demasiado velhos para serem avaliados", afirma o relatório. E, embora 1.000 vítimas tenham sido identificadas, o número real - entre os casos que se perderam e os das crianças que não conseguiram fazer as acusações - seria da ordem de 'milhares'.

O documento de quase 1.400 páginas publicado pela Corte Suprema de Pensilvânia descreve o comportamento de padres abusadores em seis das oito dioceses do Estado, que seriam Harrisburg, Pittsburgh, Allentown, Scranton, Erie e Greensburg. A maioria das vítimas era adolescente e pré-adolescente: "Alguns foram manipulados com álcool ou pornografia. Alguns foram obrigados a masturbar seus agressores, ou tiveram seus órgãos genitais tocados por eles. Alguns foram violados oralmente, alguns pela vagina ou pelo ânus", denuncia o texto.

A investigação acusa os líderes da igreja de desencorajarem as vítimas de denunciar os crimes. "Vários administradores diocesanos, incluindo bispos, com frequência dissuadiram as vítimas de denunciar os abusos à polícia, pressionaram as forças da ordem pública para que cancelassem ou evitassem uma investigação ou eles realizaram sua própria investigação deficiente e tendenciosa sem relatar os crimes contra crianças às autoridades competentes",  diz o documento.

O promotor Shapiro narrou alguns detalhes dos abusos. Alguns padres entregavam cruzes de ouro às crianças abusadas para as distinguir das demais. Uma das crianças abusadas chegou a engravidar. Durante a coletiva, Shapiro leu uma nota na qual um religioso mostrava sua empatia e compaixão pelo caso. A carta foi dirigida ao violador, não à vítima. A rede de proteção entre os religiosos fica clara em uma série de histórias descritas no documento. Na diocese de Erie, por exemplo, um sacerdote confessa ao bispo ter violado ao menos 15 crianças, uma delas de sete anos de idade. O líder religioso felicita-o por ser uma pessoa "sincera" e por conseguir "avançar em seu vício".

O relatório foi divulgado semanas após Theodore McCarrick, um arcebispo de Washington de 88 anos, renunciar como cardeal. A destacada figura da igreja norte-americana apresentou sua demissão ao Papa Francisco após ser acusado de abusar sexualmente de crianças e adultos desde o início de sua vida religiosa, há meio século.

Um dos casos de abuso sexual de maior repercussão dentro da Igreja Católica dos Estados Unidos aconteceu em Boston. Em 2002, o jornal The Boston Glove publicou uma investigação na qual apareciam 87 sacerdotes que haviam cometido abusos nos últimos 30 anos. A reportagem, que inspirou o filme ganhador do Oscar Spotlight, também revelava como as altas esferas eclesiásticas permitiram que os abusadores voltassem a atuar após curtos períodos em centros de reabilitação. A reportagem desencadeou uma onda de casos silenciados e ignorados não só em Boston, mas em todo os Estados Unidos.

MAIS INFORMAÇÕES