Crise na Venezuela

Guaidó organiza centenas de milhares de voluntários para defender a ajuda internacional

O presidente da Assembleia Nacional ativa um plano para permitir a entrada, em 23 de fevereiro, de remédios e alimentos na Venezuela

Juan Guaidó, durante evento em Caracas.
Juan Guaidó, durante evento em Caracas.ANDRES MARTINEZ CASARES / REUTERS

Mais informações

A entrada de ajuda humanitária na Venezuela se tornou um território crucial da disputa entre Juan Guaidó e Nicolás Maduro. Ainda falta uma semana para 23 de fevereiro, dia escolhido para a entrada, pela fronteira colombiana, dos carregamentos de remédios e alimentos enviados pelos Estados Unidos. Mas o presidente da Assembleia Nacional já ativou um plano com o qual quer envolver diretamente centenas de milhares de voluntários para proteger essas entregas, garantir a chegada de produtos que, insiste, mais de 300.000 pessoas em risco de morte necessitam com urgência, e ganhar assim uma batalha política aparentemente decisiva.

O político que desafiou o sucessor de Hugo Chávez ao proclamar-se em janeiro presidente interino protagonizou neste sábado esse compromisso, que considera condição necessária para redobrar a pressão diante do Governo e das Forças Armadas. O juramento, fórmula que já é um marco de sua estratégia, foi realizada diante de milhares de seguidores no estacionamento do jornal El Nacional, no noroeste de Caracas. Guaidó prometeu “fazer o necessário para que a ajuda chegue” e, depois de convocar a “expulsar o resto”, convidou todo mundo a ficar em pé. “Digamos com força”, enfatizou, “nós, voluntários, juramos defender a Constituição, comprometemo-nos a que entre a ajuda humanitária, comprometemo-nos a distribuir a ajuda.”

A mobilização convocada para o próximo sábado não se concentrará apenas na fronteira, mas em todo o país. O presidente do Parlamento garantiu que já são 600.000 as pessoas que aderiram à iniciativa, apesar de seu objetivo ser uma exibição de força ainda maior. A tarefa que delegou a seus seguidores é precisa. “Organizarmo-nos em brigadas humanitárias e chegar a um milhão de voluntários inscritos. As brigadas humanitárias serão a representação de seus Estados em cada uma das fronteiras por onde entrará a ajuda.”

A oposição tenta contemporizar a emergência humanitária sofrida pela Venezuela com medicamentos e suplementos nutricionais dirigidos, em uma primeira fase, a crianças menores de três anos e a mulheres grávidas em situação de pobreza extrema. No entanto, o Governo nega a existência de uma crise dessa monta e recusa de forma taxativa a entrada de auxílio, por considerar uma ingerência externa liderada pelo governo de Donald Trump e um primeiro passo para abrir caminho para uma intervenção militar.

Maduro aumentou o contingente de forças armadas na fronteira entre as cidades de San Antonio del Táchira e Cúcuta, por onde está previsto que entrem os primeiros carregamentos, e alertou os soldados a ficarem preparados para defender o território nacional. Diante da militarização, Guaidó está há semanas tentando quebrar a unidade do Exército e da Polícia apelando para a consciência de sua cúpula e de seus membros. “Restam sete dias. Soldados venezuelanos, coronéis, majores, tenentes... Com que cara vocês vão olhar para suas famílias? Com a cara e o orgulho de que ajudaram a deixar entrar ou com a vergonha de apoiar um usurpador cujo tempo acabou?”, perguntou durante o ato.

A declaração de intenções da Assembleia Nacional continua intacta apesar do assédio do regime, que tenta reduzir a margem de ação de seus representantes com algumas investigações e medidas cautelares. “Cesse a usurpação, Governo de transição e eleições livres.” Esse é o mantra da oposição. Para isso, no entanto, não é suficiente o apoio internacional, praticamente unânime, por isso seus dirigentes tentam obter uma vitória concreta na Venezuela. Para além da indiscutível urgência de um canal humanitário, esse é outro significado da ajuda. E as milhares de pessoas que neste sábado aguardavam sob o sol para participar do juramento demonstram que o desafio de Guaidó não perdeu fôlego apesar do tempo transcorrido e do fantasma dos fracassos do passado.

“A mudança é irreversível”, continuou o dirigente do partido de oposição Voluntad Popular, que afirmou que os que esperavam que o movimento que busca desalojar o chavismo do poder esfriará se equivocaram. Mas Guaidó quer se concentrar agora sobretudo na organização e instou os voluntários a divulgar as mensagens oficiais e não faltar ao encontro de 23 de fevereiro para acompanhar as concentrações convocadas em todo o país. “Devemos nos organizar e nos mobilizar”, insistiu.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50