Embaixadora de Guaidó anuncia que Brasil enviará ajuda humanitária à Venezuela

A enviada anuncia criação de uma segunda rota por Roraima para levar remédios e comida. María Teresa Belandria se reuniu com o ministro de Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo

A nova embaixadora da Venezuela, Maria Teresa Belandria, nesta segunda-feira.
A nova embaixadora da Venezuela, Maria Teresa Belandria, nesta segunda-feira.UESLEI MARCELINO (REUTERS)

O Governo do Brasil reforçou seu envolvimento na ofensiva para que Nicolás Maduro abandone o poder na Venezuela. Nesta segunda-feira recebeu como nova embaixadora da Venezuela Maria Teresa Belandria, enviada pelo autoproclamado presidente Juan Guaidó. A advogada anunciou, após reunir-se em Brasília com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que o Brasil vai abrir um centro de distribuição de ajuda humanitária na fronteira com seu país, que se somará ao existente em Cúcuta (Colômbia).

Mais informações
Fome levanta periferia contra Maduro
Maduro chama a ajuda humanitária de “show” da oposição

“Começamos a avançar para a cooperação plena com o Governo do Brasil, que se comprometeu a dar todo o apoio possível" para criar um centro de armazenamento de remédios e alimentos, explicou Belandria em uma coletiva de imprensa na sede do Ministério de Relações Exteriores. Ela detalhou que os suprimentos não virão apenas dos Estados Unidos, mas também de instituições e empresas brasileiras.

O centro de distribuição será instalado no Estado de Roraima, na fronteira de 2.100 quilômetros que os dois países compartilham. Pouco se sabe sobre o plano, do qual o Governo do ultradireitista Jair Bolsonaro não deu detalhes. Desde que assumiu o cargo, Bolsonaro pede a saída de Maduro e a democratização do país vizinho. A Venezuela se tornou o cenário principal da enorme guinada na diplomacia brasileira desde a vitória eleitoral do ex-militar.

O plano de Guaidó é recolher remédios e alimentos para introduzi-los na Venezuela. Pretende desse modo deixar os militares que vigiam a fronteira diante do dilema de desobedecer Maduro e permitir a passagem, ou impedir a entrada de suprimentos para uma população extremamente necessitada. A ajuda armazenada na cidade colombiana de Cúcuta está ali parada desde quinta-feira, pois as autoridades venezuelanas bloquearam a travessia de vários caminhões na estrada que cruza a fronteira.

Depois de Guaidó se proclamar presidente interino da Venezuela e ser reconhecido pelos Estados Unidos, Brasil e boa parte da América Latina (com exceção do México e do Uruguai) e d dos países da União Europeia, a ajuda humanitária é outro dos elementos para instigar a deposição do chavismo.

A advogada Belandria estava acompanhada de Lester Toledo, nomeado por Guaidó para coordenar a operação de distribuição de ajuda humanitária. Toledo garantiu que o centro de armazenamento brasileiro será criado "dentro de poucos dias" e que "centenas de toneladas chegarão nas próximas semanas" do Brasil e de outros países. Quanto ao modo como as cargas entrarão no país vizinho, a única coisa que Lester especificou é que a entrega "será acompanhada por pessoas", por "venezuelanos que querem a chegada de ajuda e liberdade", que terão ao seu lado, afirmou, "os soldados da pátria" — em referência aos militares. No entanto, apesar da anistia oferecida por Guaidó e das deserções de dois comandantes de alto escalão, a maior parte dos militares permanece leal ao Governo de Maduro.

A Venezuela e o Brasil retiraram seus embaixadores no final de 2017 e, por ora, a enviada de Guaidó não terá acesso à embaixada venezuelana. "Agora eu sou a representante diplomática da Venezuela. Nós não precisamos de um prédio para ser uma embaixada ", enfatizou Belandria.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS