Crise na Venezuela

União Europeia lança missão diplomática venezuelana sem ter apoios claros

Grupo Internacional de Contato quer encontrar “solução pacífica, política, democrática e venezuelana”. Para o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, essa "não é uma iniciativa útil"

A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e o ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, fazem declarações no encerramento da reunião do Grupo de Contato sobre a Venezuela.
A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e o ministro das Relações Exteriores do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, fazem declarações no encerramento da reunião do Grupo de Contato sobre a Venezuela.Getty Images

MAIS INFORMAÇÕES

A iniciativa europeia para ajudar a resolver a crise venezuelana foi lançada. O chamado Grupo Internacional de Contato se reuniu nesta quinta-feira pela primeira vez em Montevidéu e anunciou seu propósito de ajudar a encontrar “uma solução pacífica, política, democrática e venezuelana”. As perspectivas iniciais não eram as melhores: a Bolívia, um dos poucos membros latino-americanos do grupo, se recusou a assinar o comunicado final. O México permaneceu à margem. E o Uruguai, copresidente do grupo com a UE, jogou com dois baralhos: permanece na iniciativa de Montevidéu, com o México e os países do Caribe.

Neste momento, há três propostas internacionais sobre a Venezuela: a do Grupo de Lima (os principais países da América Latina e o Canadá), a do grupo de contato (do qual a Espanha participa) e a iniciativa de Montevidéu. Além dos Estados Unidos, claro. Todas exigem eleições presidenciais. Embora nem isso esteja claro. O ministro das Relações Exteriores uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, que informou sobre os resultados da reunião do grupo de contato, disse que uma condição obrigatória para resolver o problema venezuelano é “o estabelecimento de garantias para um processo eleitoral justo” e a convocação de eleições. Minutos depois, afirmou que se as partes em conflito na Venezuela concordassem em não convocar essas eleições, não haveria por que realizá-las.

“O ministro uruguaio falou primeiro como membro do nosso grupo e depois como membro da iniciativa de Montevidéu”, explicou Josep Borrell, ministro das Relações Exteriores espanhol. Isso dá uma ideia de como as coisas estão fluidas e incertas. Para Borrell, é imprescindível uma rápida convocação de eleições antecipadas “por parte de Juan Guaidó”, que a Espanha reconhece como presidente interino. Para a Bolívia, isso não está tão claro. Nem para o México, que, com o Uruguai, prefere se ater a uma gestão coordenada com as Nações Unidas. O grupo de Lima, que inclui as principais potências continentais (como Brasil, Argentina e Canadá), exceto os Estados Unidos e o México, está mais alinhado com Washington. Donald Trump diz que já não há nada a negociar com o regime de Maduro.

Parece claro que o grupo de contato patrocinado pela União Europeia não quer pressionar, mas ajudar. Sua primeira medida será a abertura em Caracas de um “escritório técnico” que visa facilitar a chegada de ajuda humanitária e, nas palavras de Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia, “propiciar contatos, por isso nos chamamos grupo de contato”. Mogherini espera que durante as próximas semanas novos países se juntem ao grupo, embora no momento não haja sinais disso.

Para o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, essa "não é uma iniciativa útil". “Ela parte da premissa da igualdade, entre o Governo legitimo de Guaidó e a ditadura de Maduro. A exemplo do passado, essa iniciativa não deve prosperar, apenas retardar a ditadura de Maduro e criar dúvidas sobre o processo", disse o chanceler em entrevista coletiva na embaixada do Brasil em Washington. "Achamos que não é por aí. É pelo reconhecimento pleno do presidente Juan Guaidó”.

Três meses

O grupo de contato durará três meses, não mais, para evitar se tornar um instrumento que favoreça as táticas dilatórias do regime chavista. Dentro de algumas semanas, realizará uma nova reunião. “Em 90 dias, saberemos se conseguimos algum resultado”, disse Mogherini, que admitiu compreender “o ceticismo” que alguns países receberam a iniciativa.

Em essência, a União Europeia, juntamente com o Equador, Costa Rica, Uruguai (que também faz parte de outro grupo), Bolívia (que não assinou o documento inicial) e México — como país observador —, tenta se manter à margem da luta política interna na Venezuela. Quer evitar que “se politize” a hipotética distribuição de ajuda humanitária — que Maduro rejeita por enquanto — e tenta se desvincular de atitudes drásticas e ameaçadoras a respeito do regime, como a de Donald Trump. “Queremos ser equilibrados e lembramos os venezuelanos que recusar o diálogo significa bloquear a situação”, disse o uruguaio Nin Novoa. “Também não queremos nos imiscuir no processo interno, se a solução não for estritamente venezuelana levará ao caos ou, possivelmente, a um conflito armado”, acrescentou.

Arquivado Em: