Batalha ideológica é a ponta de lança da estratégia de Bolsonaro

Costumes são "cortina de fumaça" que ajudam a galvanizar base e "confinar" oposição, diz antropólogo. Eleger símbolos é "típico de governos autoritários, afirma professor

O presidente Jair Bolsonaro.
O presidente Jair Bolsonaro.EVARISTO SA (AFP)
Mais informações

O EL PAÍS foi ouvir alguns analistas para iniciar o debate. Primeiro, opina Roberto Romano, professor de Ética e Filosofia da Universidade Estadual de Campinas, a tática não é nova.Isso tem sido uma arma de todo Governo de inspiração autoritária que deseja impor símbolos à sociedade que ele vai administrar”, afirma Romano. Segundo ele, a prática vem desde a “idade média com a Santa Inquisição da Igreja”, e é uma “tentativa de gerar símbolos que definem uma certa solidariedade e apoio a um Governo que busca legitimidade”. Romano aponta que esta estratégia foi usada “no fascismo, nazismo e stalinismo, com a manipulação de uma pletora de símbolos, que vão de gestos a cores, vestimentas, arquitetura”. “O regime autoritário depende do domínio da imagem e da linguagem. O que vemos no caso Bolsonaro é uma tentativa de passar palavras-chave que definam uma adesão aos novos governantes. É o caso do termo ‘politicamente correto’, ‘o socialismo’, ‘marxismo cultural’ e ‘ideologia de gênero’”, diz.

A efetividade deste discurso simbólico depende da criação de um “inimigo”. “Aí você joga todos os erros e fraquezas para o outro lado, e se mostra como puro. Falam em ‘desideologizar’ o Estado, como se as cadeiras azuis não fossem ideológicas. Elas são cadeiras altamente ideológicas. Escola sem partido não é ideológico? A questão é que, como dizia o cartunista Millor Fernandes, 'ideologia é sempre a dos outros”, diz Romano.

Se no front interno, o inimigo escolhido pelo bolsonarismo é o PT e o socialismo fictício que o partido de Lula teria implementado em todos os braços do Estado, da Educação à Petrobras, o inimigo externo é o “globalismo”, criticado pelo novo chanceler Ernesto Araújo. “O presidente Bolsonaro está libertando o Brasil, por meio da verdade. Vamos libertar a política externa brasileira e libertar o Itamaraty”, disse na cerimônia de posse. "O problema do mundo não é a xenofobia, mas a oikophobia, que é odiar o próprio lar, o próprio povo, tripudiar a própria nação". Por fim, Araújo emendou um “nossa bandeira jamais será vermelha”, em consonância com o discurso bolsonarista. Mas fez uma ressalva: “exceto se for a do Internacional”, seu clube do coração.

Para o antropólogo Piero Leirner, a estratégia simbólica de Bolsonaro também pode estar atrelada a outra, mais complexa. “É só mais um prolongamento das táticas de campanha. Mais uma dessas cortinas de fumaça que força uma polarização com setores ‘identitaristas’ e toda uma sorte de agentes, sejam políticos, blogs, imprensa, e ‘famosos”, diz Leirner, professor da Universidade Federal de São Carlos e especialista em estratégia militar. Isso teria dois objetivos finais, segundo o professor: “Em primeiro lugar oblitera todas as ações que estão sendo realizadas a toque de caixa na colonização de setores estratégicos, como energia, tecnologia, educação, geopolítica e relações exteriores, meio ambiente e bem estar da população que definem pontos críticos de soberania. Em segundo lugar continua dando combustível para a população que se galvanizou em torno dessas pautas comportamentais”.

Na avaliação de Leirner, com isso ocorre o “confinamento da oposição numa redoma que é cercada por essas pautas, o que é bastante confortável uma vez que, invariavelmente, elas são percebidas como minoritárias", diz. "Assim fica fácil o Governo surfar no consenso criado durante a campanha”. O filósofo Romano destaca a força desta batalha simbólica. “Como Platão dizia, ‘a opinião tem um brilho excessivo’. Ela convence mais do que qualquer argumento científico, que é enfadonho. Mas para dar certo é preciso a repetição. Repetir, repetir e repetir”, diz.

Para Carlos Melo, cientista político do Insper, a impressão de que essa batalha simbólica é predominante pode ser passageira. “Acho que estamos procurando chifre em cabeça de cavalo. O que estamos vendo é total ausência de propostas concretas: estes factoides só ganharam atenção porque não houve nada mais relevante”, afirma Melo. “A parcela que se sensibiliza com essa retórica é muito pequena, mesmo entre os eleitores dele. Dentre as 57 milhões de pessoas que votaram no Bolsonaro, quantos realmente acham que a cor da roupa de crianças é relevante? Ou a cor da cadeira do Alvorada?”, diz.

O debate sobre as implicações do discurso da ministra também aconteceu nas filas da oposição, em um novo round sobre a dicotomia, para muitos intelectuais de esquerda falsa, entre as pautas de defesa das minorias e as pautas estritamente econômicas no discurso progressista. De um lado, estão os que apontam os potenciais reflexos na vida prática deste tipo de batalha discursiva - citam os professores que já sentem em sala de aula o peso da vigilância ideológica e nos casos de ataque físicos a grupos LGBT, sem falar na implicação em políticas públicas de saúde e educação. No outro, estão os que creem que a centralidade dos temas comportamentais, ao menos da forma de embate como acontece agora, cai como uma luva nas redes sociais do presidente, não agrega grandes parcelas da população e "rouba" atenção de outras pautas. A julgar pelo acontece nos Estados de Donald Trump, por exemplo, é uma disputa que não vai acabar tão cedo.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: