Governo Bolsonaro

Ernesto Araújo estreia ‘olavismo’ no Itamaraty e dedica pouco espaço à pauta comercial

Novo chanceler do Brasil faz discurso de ruptura com tradição multilateral da diplomacia do país e frustra quem esperava tom moderado ou menos ideológico depois da posse

Ernesto Araújo, durante conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.
Ernesto Araújo, durante conferência de imprensa com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo. RICARDO MORAES / REUTERS

Mais informações

Entre as várias cerimônias de transmissão de cargo que ocorreram nesta quarta-feira, certamente foi a do Itamaraty que deixou mais patente a ruptura entre as visões de mundo do ministro que sai do cargo e novo titular da pasta. Durante 30 minutos, o senador Aloysio Nunes (PSDB), que esteve à frente da diplomacia brasileira nos últimos dois anos, fez um discurso defendendo que o país mantenha o multilateralismo e o pragmatismo como diretrizes da política externa brasileira. Quando chegou a vez de o novo chanceler falar, Ernesto Henrique Fraga Araújo precisou de tempo semelhante para confirmar que, ao menos na retórica, promoverá um giro ideológico sem precedentes.

Araújo disparou críticas à ordem global vigente e ao que chamou de globalismo; valeu-se de citações em grego, latim e tupi; mencionou de São João a Olavo de Carvalho e rasgou loas aos governos populistas de direita nos Estados Unidos, Israel, Itália, Hungria e Polônia. E reafirmou a promessa de alinhar o ministério das Relações Exteriores aos anseios da população que votou em Jair Bolsonaro. "Deixamos de olhar no espelho e vamos sair à rua para ver o povo brasileiro. Somos parte do povo brasileiro", disse.

Em seu pronunciamento houve pouco espaço para questões econômicas e para a pauta dos exportadores brasileiros. Um exemplo foi quando prometeu reaproximar o Itamaraty do setor produtivo nacional. Preferiu centrar fogo no que considera os males do globalismo. "Aqueles que dizem que não existem homens e mulheres são os mesmo que pregam que os países não têm direito a guardar suas fronteiras, os mesmo que propagam que um feto humano é um amontado de células descartável. Os mesmos que dizem que a espécie humana é uma doença que deveria desaparece para salvar o planeta", disse.

"O presidente Bolsonaro está libertando o Brasil por meio da verdade. Nós vamos também libertar a política externa e libertar o Itamaraty como o presidente Bolsonaro prometeu que faríamos em seu discurso de vitória", declarou Araújo, no que foi certamente o momento mais constrangedor da cerimônia. Nesse ponto, apenas uma pequena parte das dezenas de diplomatas, políticos e embaixadores presentes aplaudiu efusivamente o novo chanceler. O restante dos que acompanhavam o ato na sala de recepções do Palácio do Itamaraty se manteve em silêncio.

Dentro de uma instituição centenária, caracterizada por um senso de hierarquia e que construiu sua reputação internacional calcada nas negociações multilaterais, a chegada de Ernesto Araújo é encarada por muitos diplomatas com profunda desconfiança. Há também expectativa entre os parceiros do país e o menor número de delegações estrangeiras presentes na posse de Bolsonaro (46 contra 110 no caso de Dilma e 120 com Fernando Henrique Cardoso) foi considerado um sintoma inquietante. E, para quem esperava que o chanceler moderaria o tom uma vez empossado ministro, seu pronunciamento foi um balde de água fria. 

"Nós buscaremos as parcerias e as alianças que nos permitam chegar aonde queremos. Não pediremos permissão à ordem global [...] Defenderemos a liberdade e a vida, defenderemos o direito de cada povo de ser o que é, com liberdade e dignidade", afirmou Araújo. "Deveria preocuparmos cada vez mais a teofobia, o ódio contra Deus. Há uma teofobia horrenda e gritante na nossa cultura, não só no Brasil, em todo o mundo. Um ódio contra Deus que vem sabe-se lá de onde, canalizado por todos os códigos de pensamento e de não pensamento que perfazem a agenda global", acrescentou.

Com forte peso religioso, Ernesto Araújo alegou ainda que o Brasil deve mudar sua atuação em fóruns globais, como a Organização das Nações Unidas (ONU). "Vamos reorientar a atuação do Brasil em favor daquilo que é importante para os brasileiros, não do que é importante para as ONGs. Defenderemos a soberania, a liberdade; a liberdade de expressão, de crença; a liberdade na Internet, a liberdade política. Defenderemos o direito básico da humanidade, o principal dos quais talvez seja o direito de nascer", disse.

Repetindo o que escreveu recentemente num artigo para a revista conservadora norte-americana The New Criterion, Araújo afirmou que o filósofo Olavo de Carvalho, ícone da nova direita brasileira e guru intelectual de Bolsonaro, é um dos principais responsáveis "pela imensa transformação que o Brasil está vivendo."

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete