Lula sobre o sítio de Atibaia: “Os processos contra mim são farsas”

O ex-presidente enfrenta pela primeira vez a substituta de Sérgio Moro nos processos da Lava Jato

Lula durante o depoimento.
Lula durante o depoimento.Reprodução (Justiça Federal no Paraná)

A imagem já é familiar, de tanto que se viu na televisão nos últimos anos. A luz branca, a parede dividida em quadrados ao fundo e, em primeiro plano, Lula da Silva em apuros. É o ângulo que fornecem as câmeras da sede da Justiça Federal do Paraná toda vez que o ex-presidente mais popular do Brasil se senta para responder a um juiz por suas acusações de corrupção. Mas, ao repetir-se o roteiro nesta tarde, após os cruciais depoimentos que Lula deu em maio e setembro de 2017, nada era mais o mesmo.

Mais informações

Lula está mais magro, seco e irritadiço: saía da prisão na qual entrou por conta daquelas acusações. É a primeira vez, de fato, que põe um pé fora da Sede da Polícia Federal de Curitiba, onde está detido (já prestou depoimento ali de dentro, em junho passado). E quem lhe interroga já não é o juiz Sérgio Moro, seu famoso rival, mas a substituta deste, Gabriela Hardt. Moro pendurou a toga para ser ministro de Justiça do novo Governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. “Sinto que fui um troféu da investigação da Lava Jato”, disse o ex-presidente em um dado momento.

Era a primeira vez que Lula estava diante de câmeras desde abril e se esperava que ele aproveitasse alguma resposta para soltar um comentário político. Em um momento, parecia estar criticando o gerenciamento de Moro da Lava Jato: "Não sei se vou viver o suficiente para que se saiba a verdade, porque aos 73 anos a natureza é implacável. Mas peço a Deus que em algum momento a história deste país possa colocar a verdade do que passou na Lava Jato, que poderia ter sido uma coisa feita corretamente para pegar ladrão e, no meu caso, se tomou um desvio. E espero que possamos demonstrar", insistiu. "Não sei por que não gostam de mim, mas era um troféu que precisava entregar. Eu ouvia pela imprensa ‘se não entregar o Lula, não vale. Se não prender Lula, não vale. Já disse ao Sérgio Moro, a última vez que estive aqui: 'Sinto dizer que não vai ter outra alternativa a me condenar".

Lula também se referiu ao governo do ultradireitista Bolsonaro ao explicar sua própria relação com a Petrobras enquanto presidente. “Eu não eu se as pessoas estão acompanhando a montagem do governo agora. Quem está sendo colocado. Dá-se a impressão de que não tem ninguém político, mas, com raríssimas exceções, todo mundo ali é político“. Se era outro comentário sobre Moro, acusado de ter motivações políticas quando deu início ao processo que condenou Lula à prisão, não foi explícito.

Lula, em um momento do depoimento
Lula, em um momento do depoimento

O ex-presidente foi responder sobre um caso diferente do que lhe mantém atrás das grades. Ele é acusado de ser o real dono de sítio em Atibaia (SP), que está registrado formalmente no nome de Fernando Bittar, filho do ex-prefeito de Campinas Jacob Bittar, que é amigo de Lula. Segundo a acusação, a casa foi reformada pela construtora OAS, que foi beneficiada em contratos da Petrobras. A mesma petroleira era o centro neurálgico das lavagens de dinheiro e dos desvios de fundos públicos que ocupam a investigação da Lava Jato.

Segundo Lula, ele só entrou em contato com o sítio depois de deixar a Presidência (que ocupou entre 2003 e 2010). "No dia 12 de janeiro, me falaram que o Jacob Bittar tinha comprado um sítio, [perguntaram] se eu queria passar um fim de semana lá", contou. Eu subi do Guarujá no dia 15 e fui ao sítio do Jacob Bittar, que na verdade era do filho do Jacob Bittar”. Ele esclarece depois que Bittar doou o dinheiro para que o filho pudesse comprar o sítio. Questionado pela juíza, Lula diz que frequentava o sítio apenas aos finais de semana. Sim, ficava no quarto principal. "Uma deferência que eu recebia tanto lá na chácara quanto no palácio da rainha da Inglaterra, no palácio da rainha da Suécia, em vários lugares que eu frequentei, inclusive no Kremlin". "Eu não sei o que o Ministério Público viu de absurdo nisso", completou Lula.

O ex-presidente ainda espera sentença por outros cinco processos além deste. É acusado de ter acordado com a construtora Odebrecht a compra de um terreno para construir o Instituto Lula em troca de manter a cúpula diretora da Petrobras. Também lhe acusam de ter negociado com lobistas suecos a compra de caças militares depois de deixar a Presidência e de ter aceitado um suborno quando era presidente para prorrogar benefícios fiscais ao setor automobilístico. As últimas acusações fazem referência a obras que a Odebrecht conseguiu em Angola supostamente graças a ele.