Seleccione Edição
Login

Onda conservadora cria bancada bolsonarista no Congresso

Candidatos apoiados pelo militar não só conquistam mandatos no Parlamento como deixam de fora os petistas Dilma Rousseff e Suplicy

Congresso 2018
Jair Bolsonaro (d) e seu filho Eduardo, eleito o deputado federal mais votado em SP. Agencia Brasil

Sem tempo de tevê, sem alianças partidárias, com pouco dinheiro para fazer campanha e um largo histórico de ofensas a minorias e a mulheres. Jair Bolsonaro (PSL) parecia reunir todas as características de um candidato radical demais para ser levado a sério, mas a sua aposta se revelou acertada não apenas para a eleição presidencial, onde conseguiu mais de 46% dos votos. Na disputa por uma vaga no Congresso Nacional, quem abraçou o capitão reformado do Exército conseguiu resultados surpreendentes. 

Os brasileiros elegeram neste ano uma bancada verdadeiramente bolsonarista. Basta olhar para São Paulo. Os dois candidatos que mais votos receberam são do PSL: Eduardo Bolsonaro, filho do presidenciável, e a ex-repórter Joice Hasselmann. Ele teve mais 1,7 milhão de votos. E ela, conhecida por espalhar boatos na internet, 1 milhão. A lista segue: o terceiro mais votado foi Celso Russomanno (PRB), comunicador ligado à Igreja Universal do Reino de Deus. Em seguida, vem Kim Kataguiri (DEM), um dos líderes do Movimento Brasil Livre, que mobilizou manifestações de rua pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Depois vêm Tiririca (PR) e Capitão Augusto (PRB), membro destacado da bancada da bala.

O maior Estado da federação também elegeu, para o Senado e com ampla margem, Major Olímpio Gomes (PSL), um dos mais próximos aliados de Bolsonaro e responsável por seu plano de Governo na área de segurança pública. A segunda vaga ficou com a tucana Mara Gabrilli (PSDB), o que significa um forte revés para o PT. Eduardo Suplicy, a aposta do partido para voltar ao Senado por São Paulo, ficou em terceiro lugar.

"Houve um giro conservador no Brasil porque o eleitor médio mudou. Nos governos do PT-PMDB, ele era de centro esquerda. Agora, virou para a centro-direita e queria ver caras novas. Quem falou contra o sistema, quem pregou mudanças e teve Bolsonaro como cabo eleitoral, obteve sucesso", avaliou o cientista político Ricardo Caldas, professor da Universidade de Brasília (UnB).

Em Minas Gerais, no segundo colégio eleitoral do país, nova vitória de um nome conservador. O jornalista Carlos Viana (PHS), que conduz programas policiais na rede Record e é conhecido como o "Datena de Minas Gerais", conseguiu uma das cadeiras para o Senado. Minas se torna um caso ainda mais emblemático em razão da acachapante derrota da ex-presidenta Dilma Rousseff, que disputava o posto de senadora. Terminou numa distante quarta colocação. O deputado federal mais votado pelos mineiros também é do PSL, o partido de Bolsonaro. Marcelo Alvaro Antonio teve 228.000 votos e outro de sua legenda, Cabo Junio Amaral, 157.000.

No Rio de Janeiro, o PSL de Bolsonaro elegeu quatro dos dez deputados mais votados: Helio Fernando Barbosa Lopes, Carlos Jordy, Delegado Antônio Furtado e Luiz Lima. Também no Rio, outro filho de Bolsonaro, Flávio, foi eleito como o senador mais votado e seguido por seu aliado, Arolde de Oliveira (PSD). Na esfera estadual, ainda conseguiu levar o seu candidato ao Governo, Wilson Witzel (PSC), ao segundo turno, como o mais votado, com 41,2% dos votos.

No Rio Grande do Sul, seu principal aliado era Onyx Lorenzoni (DEM), que é cotado para comandar a Casa Civil em um eventual governo Bolsonaro. Onyx foi reeleito para seu quinto mandato, com a sua melhor votação. Ainda elegeu mais dois deputados: Bibo Nunes e Sanderson Federal, políticos até então inexpressivos. No Paraná, foram mais dois deputados federais Felipe Francischini e Filipe Barros.

Outro beneficiado pela onda Bolsonaro foi Luciano Bivar, o suplente de deputado que entregou o partido para o militar concorrer ao Palácio do Planalto. Presidente de direito do PSL, Bivar abriu mão do comando da legenda e conseguiu garantir sua eleição em um Estado, Pernambuco, que costumava eleger políticos progressistas. Pastor Eurico (PATRI), outro propagador da ideologia bolsonarista, também foi eleito. Em Goiás, mais onda conservadora: o federal mais votado, Delegado Waldir, é do PSL e a mesma coligação, ainda elegeu Jorge Kajuru (PRP) ao Senado.

No Pará e na Paraíba os dois principais cabos eleitorais do presidenciável também chegaram à Câmara: respectivamente Éder Mauro (PSD) e Julian Lemos (PSL).

‘As candidatas do Bolsonaro’

O Distrito Federal é outro bom exemplo da força da onda bolsonarista que varreu o Brasil neste domingo. Do nanico PRP, Bia Kicis fez campanha apresentando-se apenas como "a Federal do Bolsonaro". Recebeu mais de 85.000 votos e foi a terceira que mais apoios obteve. E o general Paulo Chagas, que concorria ao Governo, não tinha nem 2% nas pesquisas. Terminou em quarto colocado, com 7%.

No Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, uma situação semelhante. Os dois Estados têm onze parlamentares cada um. O PSL de Bolsonaro conseguiu eleger três representantes em cada um deles. Duas figuras até recentemente desconhecidas da política, a ex-juíza Selma Arruda, do Mato Grosso, e empresária Soraya Thronicke, de Mato Grosso do Sul, chegaram ao Senado só ostentando o apoio que receberam do capitão reformado do Exército.

MAIS INFORMAÇÕES