Seleccione Edição
Login

O que os índices de rejeição dizem sobre os possíveis caminhos do voto útil

Recorte do Ibope aponta tendências para escolhas dos indecisos e votos estratégicos

Bolsonaro tem maior rejeição entre eleitores dos adversários, o que sugere mais dificuldades para atrair votos

eleições 2018 voto útil
Público segue o desfile do 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Agência Brasil

O grande número de candidatos ao Palácio do Planalto colocou o voto útil na pauta da disputa presidencial deste ano. Enquanto o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) conclama o eleitorado anti-PT na expectativa de chegar ao segundo turno, os apoiadores do deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) tentam arregimentar votos para sonhar em encerrar a disputa logo no primeiro turno. O detalhamento das rejeições entre os eleitores aos principais candidatos da disputa medidas pela pesquisa Ibope do dia 11 de setembro indica como o intercâmbio de votos pode se desenvolver até o dia da votação. Bolsonaro, por exemplo, cresceu de forma consistente nas pesquisas nas últimas semanas, mas é o candidato com maior rejeição entre os eleitores de todos os seus adversários, os indecisos e aqueles que dizem votar em branco ou nulo, o que indica mais dificuldades de atrair votos úteis na reta final.

A maior rejeição a Bolsonaro (78%) aparece entre os eleitores do ex-prefeito Fernando Haddad (PT). Na sequência, aparecem os eleitores de Alckmin, com 61%, de Ciro Gomes (PDT), com 60%, e de Marina Silva (Rede), com 58%. Quando se trata dos eleitores de todos os outros oito candidatos somados, 44% dizem rejeitar o capitão reformado do Exército. Entre os indecisos, que contabilizam hoje 10,3 milhões de votos, a proporção é de 35%, enquanto 55% dos que dizem votar branco ou nulo rejeitam Bolsonaro. Os números sugerem que Bolsonaro terá mais dificuldade para seguir crescendo, e mesmo que pode estar se aproximando de seu teto —mas essa análise já vem sendo feita há dias sem se confirmar.

Por outro lado, apenas 25% daqueles que declararam voto em Bolsonaro rejeitam Alckmin (eram 30% em agosto), que pretende —e precisa— conquistar votos do deputado para seguir na disputa após o dia 7 de outubro. Entre o eleitorado dos oito candidatos com menos votos, entre eles Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB) e João Amoêdo (Novo), Alckmin também está entre os menos rejeitados (17%), junto com Ciro (18%). O tucano ainda concorre bem pelos votos de Marina Silva (Rede), que tem derretido nas pesquisas de intenção de voto. Segundo a pesquisa,13% dos eleitores da ex-ministra rejeitam Alckmin —12% deles rejeitam Haddad e 14% rejeitam Ciro.

Os candidatos do PSDB, PT e PDT também disputam quase nas mesmas condições os votos dos indecisos: Haddad e Ciro são rejeitados por apenas 9%, enquanto Alckmin o é por 8%. O petista e o pedetista, os dois representantes da esquerda mais bem cotados na corrida presidencial, também podem intercambiar votos facilmente. Apenas 9% dos eleitores de Haddad rejeita Ciro, enquanto 11% dos eleitores do ex-governador do Ceará rejeitam o petista. O candidato do PDT já começou a disparar diretamente contra a candidatura do substituto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), enquanto Haddad prioriza agenda no Nordeste para garantir que herdará o eleitorado lulista.

Convicção

Entre os eleitores dos candidatos mais bem posicionados nas pesquisas, os mais convictos de acordo com o último levantamento do Ibope são os de Bolsonaro: 54% dos que declararam voto nele dizem que não mudam a decisão de jeito nenhum e outros 19% consideram sua escolha "firme", apesar de dizerem que ainda podem mudar de voto. O segundo eleitorado mais decidido é o de Haddad, com 40% de certeza e 27% de "decisão firme". As situações de Ciro Gomes, Alckmin e Marina são parecidas: 27% dos que dizem votar no candidato do PDT o fazem com certeza e 22% já se decidiram de forma firme. No caso de Alckmin, 23% dizem ter certeza e 27% tomaram uma decisão firme. Para Marina, são 29% de certeza e 24% de firmeza.

Quando se trata dos outros oito candidatos, 22% dos eleitores se dizem decididos e 21% se dizem firmes. Entre os que declaram votar branco ou nulo, apenas 28% já se decidiram e 22% se dizem firmes. Ou seja, apesar das tendências de crescimento ou queda indicadas pelas pesquisas de intenção de voto darem a impressão de que a corrida eleitoral pode estar definida, ainda há milhões de eleitores suscetíveis às mensagens disparadas diariamente pelas campanhas dos candidatos à Presidência. Os dados de rejeição podem servir de norte para entender o que deve acontecer nas próximas duas semanas e meia, mas isso vai depender da efetividade das campanhas na disputa por votos.

MAIS INFORMAÇÕES