Corrupção na CBF

“Marin é um câncer que corrompeu o esporte”, diz juíza ao condenar cartola nos EUA

Ex-presidente da CBF pegou quatro anos de prisão e terá que pagar multa de 4,5 milhões dólares por crimes cometidos na época em que comandava a Confederação

José Maria Marin antes do julgamento nesta quarta-feira, 22 de agosto.
José Maria Marin antes do julgamento nesta quarta-feira, 22 de agosto.Don Emmert / AFP

Mais informações

O ex-presidente da CBF José Maria Marin, 86 anos, foi condenado nesta quarta-feira, 22, em Nova York, a quatro anos de prisão, pagamento de multa de 1,2 milhão de dólares e confisco de 3,3 milhões de dólares em bens pelos crimes cometidos na época em que presidia a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), entre 2012 e 2015. A sentença teve como autora a juíza Pamela Chen, da Corte Federal do Brooklyn, localizada no Distrito Leste de Nova York. Durante o anúncio da pena, Chen acusou Marin de ser "um câncer" que corrompeu o esporte no Brasil e no mundo e que ele "poderia ter dito não, mas em vez disso estendeu a mão e se uniu ao jogo", referindo-se ao esquema de propinas do qual o cartola foi acusado.

José Maria Marin foi detido com outros dirigentes da FIFA em maio de 2015, em um hotel em Zurique, na Suíça, sob ordem da justiça americana. O ex-presidente ficou cinco meses em uma prisão suíça antes de ser extraditado aos Estados Unidos. Marin ainda passou dois anos em prisão domiciliar em Nova York, até ser condenado e imediatamente preso em dezembro de 2017, na Corte Federal do Brooklyn, por crimes cometidos entre os anos de 2012 e 2015 e relacionados a contratos da Copa Libertadores da América, Copa do Brasil e Copa América. Entre os crimes estão organização criminosa, fraude bancária e lavagem de dinheiro. Dos quatro anos de sentença, 13 meses já foram cumpridos pelo dirigente, que está detido na penitenciária do Brooklyn desde dezembro.

A justiça dos Estados Unidos também denunciou Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, ex-presidentes da CBF, pelos mesmos crimes cometidos por José Maria Marin. No entanto, ao contrário de Marin, Del Nero e Teixeira não serão julgados em Nova York porque o Brasil, por lei, não extradita seus cidadãos.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete