Preso suspeito de matar brasileira na Nicarágua

Um homem de 42 anos foi apontado como o responsável pela morte de Rayneia Gabrielle Lima, ocorrida na segunda-feira

Estudantes da Universidad Americana (UAM), na Nicarágua, realizam homenagem à brasileira Rayneia Gabrielle Lima, assassinada no país.
Estudantes da Universidad Americana (UAM), na Nicarágua, realizam homenagem à brasileira Rayneia Gabrielle Lima, assassinada no país. Esteban Biba (EFE)

Mais informações

Um homem de 42 anos foi detido na Nicarágua como suposto assassino da estudante brasileira Rayneia Gabrielle Lima, morta na segunda-feira com vários disparos, informou a Polícia Nacional nesta sexta-feira. A Polícia nicaraguense identificou o suspeito como Pierson Gutiérrez Solís, de 42 anos. Gutiérrez "foi flagrado com uma arma de fogo, tipo carabina M4", detalhou a Polícia em um curto comunicado.

Inicialmente a Polícia tinha informado que o autor do crime era um segurança particular, mas o inquérito não explicava como um guarda desse tipo portava um fuzil automático em versão carabina, fabricado pela empresa Colt dos Estados Unidos.

A Polícia nicaraguense tampouco confirmou se Gutiérrez era guarda de segurança privada. Horas depois do assassinato de Lima, o reitor da Universidade Americana (UAM), onde a brasileira cursava o sexto ano de medicina, Ernesto Medina, denunciou que ela foi vítima dos disparos de "um grupo de paramilitares". O crime contra Lima ocorreu em meio a uma crise que deixou entre 295 e 448 mortos desde abril, durante protestos contra o presidente Daniel Ortega, a quem os manifestantes apontam como responsável.

O Governo do Brasil pediu que a Nicarágua investigue o caso em profundidade. "Vamos insistir porque nos parece uma coisa inaceitável", disse nesta sexta-feira o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), com apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), responsabilizou o Governo da Nicarágua por "assassinatos, execuções extrajudiciais, maus tratos, possíveis atos de tortura e detenções arbitrárias cometidos contra a população majoritariamente jovem do país", mas o Governo de Daniel Ortega nega as acusações.

A Nicarágua vive sua crise mais sangrenta desde a década de 1980, também sob a presidência de Ortega. Os protestos contra Ortega e sua esposa, a vice-presidenta Rosario Murillo, começaram em 18 de abril, por causa da fracassada reformas previdenciária, transformando-se em seguida numa reivindicação pela renúncia do mandatário, que, após 11 anos no poder, enfrenta acusações de abuso e corrupção.